Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Voltando à ordem ... ou quase!


A reforma acabou (ou quase). Falta o revestimento (que é de fórmica) da área de serviço, onde trocaram os canos. Como é coisa do condomínio eles marcaram orçamento com o marceneiro na terça, a troca deve ser feita na outra semana.  E depois acaba. Acaba?

Mas na quarta voltamos o fogão e o tanque para a cozinha e quinta, a geladeira e máquina de lavar (mais pesadas, precisavam de reforço). Lavei, assim que marido terminou de engatar o registro da máquina, a primeira leva de roupas das últimas três semanas (as emergências estavam sendo supridas pela minha mãe).

Na quarta, para comemorar os avanços, falei para o Vi, de noite.
- Está com fome? Um ovinho mexido com pão até que já dá para fazer...
- Ah, legal! Quero sim! 
(...) tempo que se segue... tempo de profunda reflexão...
-Tá, eu faço, mas... onde será que está a frigideira?

E comemos maçã e um bolo que minha mãe tinha mandado kkkkkkkkkk

Daí ontem:
- Tem uma pizza congelada, o que acha?
- Ah, que bom! Vamos fazer?
- Claro!!
(...) passou um tempo... e eu:
- Mas onde está mesmo o tabuleiro redondo?
hehehe
Pelo menos este nós encontramos e a pizza saiu!

Aos poucos tudo volta ao seu eixo, menos a minha mente, mas acho que esta nunca teve mesmo um eixo para chamar de seu! heheh


Beijos a todos,
Tati.

O medo de calarem nossa voz

Tenho medo do futuro do meu país, pátria amada, Brasil...

Tenho medo do rumo que estamos tomando, do que sabemos por notícias, por histórias contadas por conhecidos ou por experiências próprias.

Tenho medo de ver nosso dinheiro diminuindo enquanto as coisas vão aumentando, e de que algo falte à minha família; tenho medo (e raiva) de não ver reconhecimento a meus estudos, e de ver que um bocó qualquer ganha 10 ou até 100 vezes mais que eu por que rebola ou joga futebol. Tenho medo de ver patrulhinha ou qualquer ser fardado. Neste caso, morro de medo! Eu me sinto em situação de insegurança e vulnerabilidade cada vez que vejo um policial, e abaixo os olhos, desvio o rosto, passo bem rapidinho.

Tenho medo de entrar, e também de sair de casa. Do que posso encontrar, e também do que vejo pelo caminho. Tenho medo do que reserva o futuro de meu filho. 

Mas mais que tudo isso, meu medo paralisante, é do que acontece na política de meu país. Meu pai foi preso político, e ficou viúvo antes dos 30 anos de idade, viveu experiências que eu não gostaria de experimentar jamais. Tem até hoje sequelas daquele tempo, graças a Deus não tantas quanto muitos de seus amigos, aqueles que sobreviveram...

Uma de minhas melhores amigas nasceu na Costa Rica, por que seus pais estavam exilados. Seus crimes? Gostarem de cantar e de poesia. Isso mesmo! Você não entendeu errado... Movimentos culturais eram suspeitos, e quem gostava deles, criminosos procurados, com fotos em jornais e revistas muitas vezes. Eram transgressores da ordem, eram denunciados por vizinhos e até por parentes. 

Tenho medo de todo e qualquer tipo de violência, mas não há medo que me aterrorise mais do que o da volta da ditadura, da censura. E não voltaram? Me diga, se você mora no Brasil, quando foi a última vez que se sentiu representado em suas necessidades, nas necessidades de sua comunidade? Quando teve a certeza de seu direito de ir e vir respeitado? Quando sentiu seu direito à cidadania de forma concreta? 

Ainda tenho a sensação da liberdade de expressão. De que posso vir a meu blog e falar de tudo o que me der na telha, doa a quem doer. Cada vez eu posso menos, já sabemos. Mas ainda posso! Agora, se isso está mudando... Se uma resolução recente é capaz de proibir a manifestação de ideias, o retorno está acontecendo. Ainda podemos conversas sobre qualquer assunto em rodas de amigos, e uma reunião, em festa, não é interpretada como complô, como organização de rebeldes. Ainda não é punida.

Manifestações culturais ainda não estão sofrendo cortes, não precisam passar por equipes de censura, mas já recebem restrições por forma da lei. E isso muda tudo!! Isso nos obriga a buscar informação. A lutar pelo país que sustentamos. Por que nossos impostos deveriam ser revertidos em benefícios, e apesar de pagá-los todos, nós também pagamos escola, plano de saúde, pedágio e etc. E o fazemos cordatos e subservientes. 

Está na hora de romper a barreira do medo, de dizer que não dá mais. Isso se faz nas urnas, claro, só que não apenas. Se faz na cobrança também, na vigilância, no movimento por justiça. 

Por que nos comovemos e nos mobilizamos, fazemos faixas de ódio, quando um maluco mata sua própria filha, jogando-a pela janela do apartamento, ou quando um maníaco mata a ex-namorada e bota a perder tudo o que conquistou com seu futebol, mas assistimos calados quando um deputado vota seu novo aumento de salário e reduz a aposentadoria, para que não haja crise na previdência... É, aquela pela qual você trabalhou e pagou a vida inteira, e ele, não!

Que a gente sinta medo. E que este medo nos movimente à mudança! Não dá mais para continuar assim!

Este texto é minha participação na nova blogagem coletiva proposta pela Glorinha do Café com bolo: Emoções e Sentimentos. E também uma bandeira que ergo, em prol de mudanças, seguindo uma idéia da Crica Viegas e da Beth/Lilás. Se quiser, fique à vontade para começar este movimento comigo. Ainda não há nada, apenas muita vontade de fazer a diferença e uma ideia de um selo.

Beijos,
Tati.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Notícia rápida

Queridos,

Desculpem não ter dado retorno. Meu pai foi ao médico e está tudo bem. Quer dizer, não há lesões mais graves. Ele está tomando antiinflamatórios, a mão já desinchou bem, a dor está melhor e a ferida do joelho está cicatrizando.

Obrigada pela preocupação e carinho de todos. A família inteira agradece. A foto é a única dele no hotel, recebendo o dengo do Bê, que ficou muito preocupado com seu vovô Pereira...

Para quem não soube o que aconteceu, eu conto aqui.

Beijos,
Tati.

Cala a boca já morreu...

Quem manda na minha boca sou eu!!
Lembram-se desta expressão? Já disseram a algum amiguinho da mesma idade? Sim, por que na minha época nem pensaríamos em dizer algo assim a um adulto... 

Mas hoje eu quero dizer isso, sim!! Eu quero dizer em alto e bom som. E tem endereço certo!!

Ontem a Macá fez um texto maravilhoso em sua Agenda Ilustrada, e eu fiquei abismada. Ela falou sobre a resolução 23.191/2009 do TSE, que dispõe sobre as regras da propaganda eleitoral. E fez uma denúncia, usando um texto de Rui Castro, do qual destaco um parágrafo que eu queria aplaudir de pé! 

"O texto veta qualquer fala ou cena que "degrade ou ridicularize candidato, partido político ou coligação".

Isso dobra a responsabilidade dos candidatos a presidente, governador, deputado ou senador. Por causa da resolução, caberá exclusivamente a eles a função de degradar a si próprios ou de se ridicularizarem uns aos outros (...)" Rui Castro.

Eu fiquei pasma, achei tudo surreal e fui ler a tal resolução. E é verdade!! Está lá, no artigo 28, parágrafos I e V. Eles proíbem programas, mesmo de humor, a imitar ou satirizar candidatos. Como assim? Estamos retornando à ditadura? Desde quando há cerco à liberdade de expressão? 

Leis como essa são votadas enquanto acompanhamos BBBs e partidas de futebol, enquanto nos preocupamos com coisas que não afetam em nada nossas vidas, nossas rotinas, nosso futuro. É chato acompanhar política? Tem certeza? Chato é ser obrigada a engolir nossa voz, nossos direitos. Cada vez somos mais cerceados e permitimos. A polícia, que devia nos proteger, nos oprime. Os políticos, que deviam nos representar, nos afrontam e se protegem. Representam apenas a eles mesmos.

Eu não queria passar direto por isso. Quando li o que a Macá escreveu, fui beber na fonte. Está lá, no google, é só lançar o número da vergonhosa resolução. Li cada página, querendo acreditar que era um erro de interpretação. Mas não era, está tudo, com palavras claras.

Como permitimos que coisas assim aconteçam? Em que momento nos tornamos tão parvos, tão subservientes a todo tipo de desmando? Quando vamos reagir? O que terá que acontecer para nos mobilizarmos? Para tomarmos uma atitude e mudarmos o rumo de nossa história? Quando nos tornaremos diretores de nossas vidas? O que falta acontecer?

Hoje estou assim, agitada e aflita, querendo ser a mudança, querendo fazer a mudança, querendo agir! Convido-os a ler o texto no blog da Macá. Ela é uma pessoa incrível e o texto é ótimo. Mas mais que isso, eu te convido a buscar soluções para nosso país, soluções reais!

Vamos escrever nossa história de maneira mais ativa. Já passou da hora!!!




Se tiverem interesse, curiosidade, tempo, por favor, leiam os comentários da Beth/Lilás e da Crica Viegas neste post. Elas convidam à ação e estou disposta a isso. Ideias? 

Beijos a todos,
Tati.


quarta-feira, 28 de julho de 2010

Olé!! É paz!!!

Hoje eu não pretendia postar nada. Isso por que tenho que ir ao trabalho (local físico) e lá não há formas de conciliar blogagens com outras ações, mas... A notícia me estimulou demais e estou eu aqui, no computador, antes de seguir o dia.

Assisti no noticiário que a Cataluña votou uma lei que PROÍBE as touradas. Já não era sem tempo. Fico feliz que movimentos pela vida estejam acontecendo. Não é possível que ainda haja estímulo a um assassinato, com requintes de crueldade, e que isto seja prestigiado como esporte, em nome da tradição. Ora, tradição já foi jogar homens aos leões, matar, em praça pública, guilhotinados ou enforcados. A cruz também já foi uma tradição. Gerava empregos, gerava diversão (?), eram grandes eventos, com público cativo. Faz sentido? 


Um grande passo em direção à paz. Não podemos clamar por justiça e paz aos homens quando nosso exemplo é de fúria e violência.


Estou feliz demais por este primeiro ato a favor do bem estar animal. Enquanto procurava imagens para ilustrar este texto percebi fotos muito fortes, de animais em intenso sofrimento. Não é este meu perfil, está tudo lá no google, para quem quiser ver. Eu só quero olhar o lado bom, o que vem por aí. Sem touradas estamos dando um exemplo aos nossos filhos e netos. E parece que não tem nada a ver, mas lembrando que somos todos um, leis idiotas como a da palmada não serão necessárias quando os homens entenderem e praticarem o respeito. 

Enquanto buscava as imagens encontrei um blog ótimo, e ele conta a história do Ferdinando, um touro da paz, que é confundido, ao ser picado por uma abelha, com um touro feroz e vai parar nas touradas, mas o que ele gosta mesmo é de cheirar as flores que as mulheres jogam à arena. O Ricardo conta muito bem esta história, por isso lanço um link para seu Tertúlias, quem quiser, beba na fonte! Há outras interpretações para o texto, mas eu prefiro pensar neste aspecto: os animais são amorosos e de paz, não querem a guerra e o poder, como nós. Temos tanto que aprender com eles...

E para encerrar, não uma fala minha, mas de alguém com maior legado, e que já propagava tudo isso na época em que o Brasil ainda estava por ser descoberto:

"Haverá um dia, em que o homem conhecerá o íntimo dos animais. Neste dia, um crime contra um animal, será considerado um crime contra a própria humanidade." (Leonardo da Vinci)

Era isso. Um bom dia a todos,
Beijos,
Tati.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Pergunta difícil de responder


A pergunta só varia na introdução, na chamada do interlocutor: Já foi para mãe, professora, avó e nem sei se a mais alguém já foi endereçada. Vou dar a versão-mãe, que é a minha (o resto da pergunta não varia, tá bem?)

E a resposta, até onde sei, é sempre uma cara sem palavras esclarecedoras. Por isso a pergunta segue se repetindo. Prontos?

- Mãe, o que é meteoro da paixão?

E aí? Como se responde, de forma satisfatória para um garotinho de 5 anos, algo assim?

Beijos,
Tati.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Por que sou brasileira e não desisto nunca!!

Isso faz com que eu tenha muitas histórias ilustradas para contar, um sorriso mega no rosto e um link para um download fundamental (nunca se sabe quando um marido resolverá por a mão na cumbuca, né?).

Então, senta que lá vem a história (as histórias!). As fotos aumentam se clicar nelas.

Eu fiz a postagem sobre as fotos derramadas sofrendo, mas não querendo me entregar. Ao invés de chorar sobre o leite fui catar um canudinho para sorvê-lo (ô palavra chique, sô) diretamente do solo... (novela mexicana perde fácil).

Começaram a chegar os comentários, muitos diziam ter passado por coisas semelhantes. Fiquei pensando: "não é possível que seja tão comum e ninguém faça nada a respeito". São google, busquei programinhas de recuperação. Passei o dia quase inteiro fazendo isso. Almocei em meio a downloads e testes. A maioria não funcionou bem, alguns eu não soube usar direito, mesmo nos fóruns dizendo que eram intuitivos... minha intuição não entende linguagem de máquina... Mas, enfim, agora, depois das 16h, consegui!!! Não consegui todas ainda, nem o vídeo do Bê com o touro Bondido (só as fotos), por que quando estava em 98% a bateria da máquina acabou... mas já sei que é possível e estou muito, muito, muito feliz!!!

Daí que vem as muitas histórias, por que quando tudo foi deletado eu não perdi apenas os registros da viagem, eu perdi as fotos que tiramos com o presente lindo que ganhei da Taia e as fotos do meu almoço com a She, quando entreguei o presente dela.

Agora que recuperei quero contar tudo para vocês. Estão dispostos?

1- O Presente da Taia


O Blog da Taia - Zambia meu lar, Brasil meu jardim, está de aniversário. E para comemorar a Taia fez uma promoção. Eu, que nunca tinha dado sorte, GANHEI!! Acho que foi por que desde sua viagem para o Egito eu estava sonhando com tudo aquilo, achei maravilhosa, viajei junto, li apaixonadamente tudo que ela ía contando. Você conhece o blog dela? É ótimo e eu tenho aprendido muitas coisas, além de ter feito uma amiga querida. Ah, o presente! Então, ela trouxe do Egito uns papiros que não são papiros, são feitos de bananeira, e sorteou 5 que acabaram virando 6 (vai lá conferir que vale à pena e algumas risadas). Eu ganhei o segundo e pulei igual criança pela casa. Mostrei vídeo para marido que adorou também. E passamos os dias seguinte (no meio da obra) planejando lugar para o quadro. Eu, culta como sou, pensei: "Vou colocar perto da mesa de jantar, já que representa uma refeição". Então a Taia corrigiu a tempo: "Tati, não é um jantar, é uma oferenda para o anjo da guarda". Quem disse que eu não comia doce de Cosme e Damião? Pipoca de despacho nunca comi, não...

Semana passada, naquela semana que fiquei sem internet, chegou o presente pelo correio. A casa estava um caos e a internet foi-se. Eu não tive como postar, adiei e... Hoje estou me redimindo! Achei que tinha perdido as fotos, mas estas dava para fotografar novamente, só não teriam a emoção do momento. Vejam então, nossa imagem da oferenda Egipsia, em nosso acampamento doméstico, no local onde hoje há uma geladeira, semana que vem haverá uma mesa de jantar, e atrás dela... tcham, tcham, tcham, tcham...
Ou será melhor colocar em uma parede mais à altura de um anjo da guarda Egípsio? Sei não...  

2- O Almoço com a She

Quinta-feira me encontrei com a She, do Cantinho She no centro da cidade para um almoço delicioso. O local ainda é segredo, por que será o cenário de nossa desvirtualização e contaremos assim que ela acontecer.  Mas posso dizer que foi tudo ótimo, ela é simpática , fofa, animada e divertida, assim como é em seu blog ou nos comentários beijo-beijo que nos envia. hehehe E se você, amigo que visita do outro lado, tem medo de conhecer seus amigos virtuais, não perca mais tempo. É muito bom!!!

Se já adorava esta carica antes, gosto mais agora que ela tem perfume (muito bom, por sinal) e voz. O almoço foi ótimo, o papo idem, e entreguei seu presente. O papo foi tão bom que quase esqueço e volto com o presente dentro da bolsa... heheheh Já pensou? 





3- A viagem

Recuperei a maior parte das fotos e pretendo postá-las amanhã, para não deixar este post mais gigantesco do que ele já está. E ainda falta o 4...

4 - O Download 

Para que histórias assim não sejam tão sofridas. Mas... por via das dúvidas, faça um trato como o que fiz com marido (pena que tardiamente): Nunca apagaremos fotos, a não ser no computador, depois de nos certificarmos que baixamos todas! 

Pelo sim, pelo não, segue o link para o programinha, que receberá um altar aqui em casa. Perdeu suas fotos e não sabe como recuperar? PC Inspector Smart Recovery 4.5  neles!! O processo é demorado, but... who cares? Segue o link. É tranquilo, sem vírus, grátis e baixa rapidinho. As fotos perderam um pouquinho de definição, nem liguei. Estou tããão feliz!!!

Aguardem que tem muito mais. E lembrem-se de nunca entregar o jogo, para tudo da-se um jeito!

Beijos a todos, 
Tati.


Como não chorar pelas fotos derramadas?

Sabe o presente dos sonhos? Meus pais nos deram: um final de semana delicioso em um Hotel Fazenda. Fomos os 5 (meus pais e nós três) na sexta e retornamos ontem, sob protestos do Bê, que queria morar lá. Já chamava nosso quarto de casa... hehehe

Para falar a verdade, eu não acharia nada ruim morar assim... Ah, não mesmo... mas, já não posso sonhar da mesma maneira ingênua do Bê. O que posso fazer é pensar em maneiras de colocar este plano em prática. Com o aval do terceiro membro do grupo, ficou mais fácil planejar.

Na chegada ao hotel meu pai sofreu uma queda (quando caminhava para o check in) e machucou mão, joelho e costela. Machucou mesmo, está, neste momento, com minha irmã, na clínica, para RX, com suspeita de fraturas... Mas guerreiro do jeito que é, passou o final de semana no quarto, entre bolsas de gelo, analgésicos e paparicos, para não estragar o fim de semana do neto, que estava mais feliz do que nunca.

No sábado ele amanheceu um pouco melhor, apesar da mão muito inchada, e circulou um pouco, mas não aproveitou tanto quanto poderia. E num acordo com o gerente do hotel, ganhou um novo pacote de hospedagem, que ele agendará em breve!

Nós aproveitamos tudo o que dá para se aproveitar: aproveitamos sorrisos e gargalhadas do Bê, que desconheceu, nestes 2 dias e meio, a existência do objeto sapato e circulou, livre e descalço, por todos os ambientes. Nunca em sua vidinha de 5 anos este menino viveu dias tão livres, e no dia dos avós estou mais grata do que nunca a este casal que se desdobra em carinhos explícitos. Eu adoraria ter tido avós assim, mas sou mais feliz por que meu filho os tem. 

Mas, até agora o título deste post não fez o menor sentido? Pois é... queria não lembrar, ou melhor, terei que ser forte, para nunca esquecer. Para não esquecer as imagens gravadas e deletadas.

Já contei alguma vez o quanto eu amo fotos? Sou enlouquecida por elas, que decoram todos os cantos de minha casa, lotam pastas de computador, e recheiam caixinhas no meu quarto. Tudo é motivo para cliques. Após a máquina digital a maioria mora no computador, mesmo que eu ainda sinta a forte necessidade de imprimi-las e distribuí-las por locais onde os olhos alcancem muitas vezes no circular pela casa. Só que a gente fica meio louco e fotografa de tudo um pouco. Filma de tudo um pouco, e muitas das fotos que tenho no computador não valeriam revelações. São interessantes por não custarem nada, nem mesmo espaço. 

Lá, no Hotel Fazenda, estavamos tirando as fotos mais lindas. Momentos gloriosos e simples demais. Cenas de carinho, de identificação, de contato com a natureza, brincadeiras de mãe, filho, pai, avós. Bê acarinhando meu pai machucado, Bê conhecendo e fazendo carinho em um Touro Bondido (como ele chama), nós cheios de dengo na piscina, na ponte do lago, dando pão aos patos, Bê em seus saltos acrobáticos de uma raiz de árvore exposta, enfim, uma infinidade de momentos lindos e fofos, que saíram lindos nas imagens, como nem sempre consigo. 

Daí que fui ao banheiro, e no retorno, olhos tensos do Vi: "Tati, fiz uma besteira". Gelei! Cadê o Bê? Ok, está no parquinho, inteiro, sem choro... Qual será a besteira? "Apaguei TODAS as fotos". Como assim, apagou? 

Sim, meu marido, que tem mania de mexer onde não deve, e ainda enfia a mão em cumbuca, achou que uma foto não tinha ficado boa e resolveu apagar. E neste processo, errou uma teclinha e APAGOU TODAS AS FOTOS!!! Naquele momento eu queria pedir o divórcio, eu queria gritar e sair correndo, eu me arrependi de não ter levado a máquina ao banheiro comigo... Por que diabos alguém precisa apagar uma foto de um cartão com mais de um giga de memória? Por que alguém se expõe a este tipo de risco?

Peguei a máquina e tentei de todas as formas um botão que restaurasse. Não existe, pelo menos na minha máquina, um espaço como o do Windows, uma pasta lixeira que possa ser restaurada. Eu quis chorar... Eu fiquei algum tempo (e nisso acabei com o estoque de bateria que ainda restava) tentado trazer os momentos vividos de volta. O filme do Bê com o touro Bondido. Eu não tinha mais energia... Então, olhei para o Vi, arrasado ao meu lado, levantei, sacudi a poeira e falei: Vamos tentar viver novas histórias. Que bom que temos estas na memória. Que bom que, pelo menos, vivemos o momento. Fiz isso tranquila? Não! É uma espécie de um luto, e quem já perdeu uma máquina, um HD, um computador, sabe do que estou falando. Não é frescura não... E como no luto, como quem perde um ente querido e assim fica com medo de amar, eu também tive dificuldade para novas fotos, então as que vocês vêem por aqui foram as poucas tiradas após o fatídico acidente, e por falta de inspiração, não ficaram tão legais...

A princípio tentei reproduzir momentos já vividos, mas há um ditado que eles não retornam, assim como a flecha lançada e a palavra dita, não tem? Pois é, descobri que não dá. Alguns poucos novos momentos foram fotografados, os demais, apenas vividos (a melhor parte da coisa, diga-se de passagem). E voltei para casa com aquela esperança vã, dos que não se conformam com certas dores. Eu tinha em mim a esperança de localizar, em algum ponto oculto da câmera, as fotos apenas escondidas, como nas brincadeiras do Bê, que me deixam aflita, quando ele se esconde bem escondido sob um edredom ou atrás de algum móvel e não dá um sorrisinho ou grunhido que seja. Mas elas não estavam lá. Foram perdidas. Podem estar num arquivo de memória, que pesquisarei se é possível recuperar. Tenho que pesquisar.

Aproveitamos o fim de tarde de sábado, a noite e todo o dia seguinte, mas meu sonho nesta madrugada, foi com as fotos. Me diz, como não chorar pelas fotos derramadas? Pela perda de um auxiliar de memória tão intenso como fotos e vídeos podem ser? Ainda não sei responder a estas perguntas... Ah, não sei... 

Alguém conhece um técnico destas coisas, de recuperar memórias (de HD, máquinas, etc)? Alguém, por favor, pode me dizer que há luz no fim do meu túnel? 

Mas para encerrar de forma leve, a certeza é de que novos passeios como este serão vividos, que, com ou sem foto, o Bê merece mais momentos assim. Foi um final de semana inesquecível, fotografado com o coração. Obrigada, pai e mãe, vocês são sem igual!! Amo, amo, amo!!

E com o marido está tudo bem, caso alguém fique curioso. Errar é humano, eu sei que ele também está sofrendo com o que aconteceu, e espero, não faça NUNCA MAIS algo assim... (Será?)

Beijos a todos,

Tati.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Brincando de filosofar



Antes que eu seja obrigada a trocar o nome do Perguntas em resposta para Muro de lamentações, resolvi mudar o rumo desta prosa.

Aproveitando a deixa de minha amiga Yoyo Pizi, do Efeitos e Conceitos, que me chamou de sua filósofa favorita, senti segurança para compartilhar com vocês uma das grandes questões que me afligem, e que podem mudar o rumo da humanidade. Mas primeiro dei lingua para Platão, Sócrates, Aristóteles, Descartes e Nietzsche, que me olharam com ares de inveja!

Estão preparados para a grande revelação? Para ampliar sua visão de mundo e especular sobre questões mais complexas do que "quem vem primeiro: ovo? galinha?". Então aguentem...

Examinarei, do ponto de vista filosófico, alguns dos grandes temas que permeiam a reflexão dos homens há séculos: Se eu lavar roupa na sala, encherei a máquina com baldes? Encherei o balde no chuveiro? e deixarei a máquina desaguar na varanda? Que tal minha brilhante ideia? 

Terei bons resultados? Alagarei meu apartamento? O apartamento do vizinho? Ouvirei reclamações de outros moradores? Usarei roupas cheirosas, limpinhas e lavadas por mim? Inventei o tanquinho de 9 litros?

Pode ser considerado um pequeno passo para mim, mas um grande passo para o trabalho doméstico acumulado!!! 

E então? As conversas de botequim nunca mais serão as mesmas? Amanhã voltamos com nossa programação normal! hehehe

E só para esclarecer, estamos felizes com a reforma, que dará um upgrade no ap., mas eu não posso perder a oportunidade de fazer piada, é que minha maneira de fazer piada é assim... dramática! Para quem ainda não me conhece pessoalmente (a maioria, infelizmente) esta faceta de minha personalidade ainda não está bem desvendada. Mas isso se resolve com pequenas explicações? Será?! 

Então vá lá: Eu sou boba em tempo integral, meu povo!!!! hehehehe Não precisam preocupar-se, achar que estou deprimida, arrasada, devastada... que tomarei um frasco de pilulas... o máximo que posso fazer é comer um pacote inteiro de jujubas! Se eu disser que estou ferida de morte, é puríssimo eufemismo, por que se eu fosse um personagem de Machado de Assis, não seria Capitú, com seus olhos de ressaca, nem mesmo Bentinho, apesar de ter também minhas casmurrices, eu seria o agregado José Dias, adoro muitíssimo um superlativo! De qualquer forma, agradeço a preocupação dos amigos, mas não me levem tão a sério... nem eu me levo!! hehehe (mas a-do-rei o carinho!!!)

Beijos a todos,
Tati.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Para não perder a gracinha

O primo João criou uma imagem no paint e chamou para mostrar, todo orgulhoso. Não sei por que o Bê entendeu dente (talvez paint?). Enfim, chegou perguntando: Cadê o dente?
- Não tem dente, Bê. É uma perspectiva.
- Ah... Cadê João? Cadê sua pes... sua per... sua pe... cadê aquilo?

kkkkkkkkkkkkkkk

É que toda vez eu tento guardar, penso em escrever num caderninho ultra desatualizado, onde anotava as primeiras gracinhas. Em geral estamos em situações onde não há ambiente para anotação... tento não esquecer, mas aí vem outra e outra... e quando vejo esqueci as três... Desta vez não quis deixar passar. Sei que contando perde um terço da graça e outro terço se perde por ser escrito... É que foi irresistível!

E bem melhor do que falar da reforma, é ou não é?

Beijos a todos,

Tati.

Sou comodista: Nunca gostei de acampar

Eu preciso dizer, com todas as letras, estou de saco cheio!!! Desculpem a onda "desabafo" que este humilde blog vem seguindo, é que está duro de aturar...

A obra da minha casa é uma reforma, mas não é minha reforma. Vou explicar. A obra é do meu prédio, que é uma construção de mais de 20 anos, com tubulações antigas. Meu vizinho de baixo está reformando seu apartamento. Para ele trocar seus encanamentos, precisa também trocar os meus. Isso é enervante, por que ouço toc, toc, toc de marretas em tempo integral, seja na minha própria cozinha, seja na cozinha de baixo. Além disso, estamos vivendo esta situação de acampamento e ontem comi minha última lasanha congelada. Hoje descobri que aquele pão chamado suissinho (não sei se existe na Suíssa, sei que o francês não existe na França) fica bom quando o descongelamos em 30 segundos de microondas. E café, só nescafé, que está salvando meus índices cafêmicos (nível de cafeína no sangue, para os leigos). 

Ontem cantei para marido aquela música, num agudo muito agudo: "Lava louça no banheiro, que agoníííaa!!" Já fizeram isso alguma vez? E num banheiro que não há como lavar há uma semana? De lascar! Eu sei que é uma melhoria para meu apartamento, e não desembolso nada diretamente, tudo é pago pelo condomínio, até o acabamento, mas é desgastante, ainda mais quando não nos programamos para tal. O Bê está de férias e nós, presos. O ideal seria o contrário, que ele estivesse em aulas e nós em férias (?).

Até ontem eu estava segurando a onda, por que estava acabando. Aliás, quinta passada também estava acabando, aí, no fim do dia vem o administrador do condomínio (coitado, nada fácil seu trabalho de conciliador), todo sem graça, dizer que precisavam quebrar NOVAMENTE nossa cozinha. Então hoje de manhã, quando eu me preparava para o confronto final, achando que amanhã seria dia de faxina... eles interfonam dizendo que há mais um cano a ser quebrado e que a obra prosseguirá, por mais alguns dias...

Não aguento mais!!! Bê está em crise alérgica, tendo que tomar Decongex para conseguir dormir (que Dr Luis - pediatra-homeopata, não me leia); uma sacola de roupas foi passear na casa da minha mãe, conhecer as instalações de sua máquina de lavar, já que a minha está em férias coletivas junto com o fogão, o tanque e etc. AAAAAAAAAAAAAAAAhhhhhhhhh

Liguei ontem para meu chefe, muito sem graça, para dizer que um trabalho que tem urgência, será feito para a próxima semana, e não é o único trabalho que tenho para fechar. Como faço? Preciso de silêncio... Vergonha... Ele não gostou nada, claro. Esta semana ainda passou, agora, como direi a ele caso não tenha onde trabalhar semana que vem? Surreal!!! O Vi também tem faltado trabalho, hora sai mais cedo, hora chega mais tarde, tem dias que nem vai mesmo... tudo para tentar resolver as coisas daqui, por que pedreiro é machista e não gosta de tratar com mulher, e eu sou mal humorada mesmo, acho que os deixo assustados... hehehe

Que sacooo!!! Quero cuidar da minha casaaaaa e da minha vidaaaaaaa!!

Espero que você não tenha chegado até aqui, mas se chegou, desculpe o aluguel dos olhos-ouvidos-ombro-lenço... Tá dureza!

Beijos a todos,

Tati.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Internet amiga

Amigos,

Dia mais do que especial para minha internet retornar, e eu queria passá-lo todinho na frente da telinha dizendo o quanto são importantes para mim. Mas... a reforma ainda não acabou e foi um dia de muita martelada na cabeça, com a promessa de que "amanhã tem mais". Isso roubou toda e qualquer inspiração.

Amigo que é amigo entende, né? E prometo que retorno com força total, daí faremos nosso dia do amigo todo especial, uma data só nossa... Assim, poderei prestigiá-los como acho que merecem. Por hora fica um video do tempo que tirávamos retrato e não dizíamos Chôvê na sequência, da época em que mães saiam por aí abafando no visual poodle, com permanente bacana, enquanto chupávamos bala soft ou boneco e bebíamos grapete ou uvinha/laranjinha (alguém lembra daqueles veneninhos engarrafados?) e comíamos biscoito skinne ou rosquinha Mabel, para juntar selinhos e visitar a fábrica. Ai, deu uma saudade louca dos amigos de infância...

Aproveitem o dia com seus amigos, inclusive, lembrem-se que não há maior amigo nosso que nós mesmos... frase confusa, não? Mas é isso mesmo... hehehe



Beijos a todos,

Tati.

sábado, 17 de julho de 2010

Arando a terra para entregar a colheita

Amigos queridos,

Hoje encerramos a primeira promoção do Perguntas em resposta. Agradeço aos amigos que vieram prestigiar esta comemoração. Me senti muito feliz com a presença de vocês!

Já temos um(a) vencedor(a) e espero que o quadro faça muito sucesso em sua casa. 

A nossa está uma loucura, como já comentei a casa inteira está hospedada na sala. No vídeo dá para ver a cortina de isolamento da porta da cozinha, o microondas (sobre o fogão) e a geladeira, que estão funcionando, além da lixeira, que sim, tem que estar aqui, né? Queria recebê-los após a obra, mas ela foi prorrogada e a partir de hoje à tarde estaremos sem internet, até resolvermos o problema com a oi-velox, como podem ver aqui.  Tudo acabou mais improvisado do que eu gostaria, mas foi feito com carinho. Quem sorteou foi o figura do Bê e eu deixei a gravura ao lado, para mostrar no vídeo, mas a vergonha de ser filmada me fez esquecer esta parte... Hehehe

Bem, é isso! Acho que nossos contatos darão uma rareada. Diz a Anatel que eles tem 5 dias para resolver o problema. Não sei se 5 dias úteis ou corridos, mas até lá, internet só quando estiver na casa da minha mãe e o computador estiver disponível (coisa raríssima). Volto na próxima semana, tá bem?

Parabéns!! (quero manter o suspense...). Mande seu endereço para o meu e-mail, ou me ligue!


video

Beijos a todos,
Tati.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Hoje devia ser feriado!

Hoje é um dia especial para mim. É aniversário do meu anjo gigante, o São Vicente que faz de minha vida um milagre. Um sonho bom de viver, uma realidade boa de sonhar.

Antes de conhecê-lo eu pensava que a vida era dedicar-se ao trabalho, a causas sociais, a grandes missões. Encontrá-lo foi simplificar, foi descobrir que a vida é leve, doce, colorida. Que ser feliz está ao alcance das mãos. Ao lado dele, no seu abraço, entendi que casamento podia ser algo bom, e desejei. Casada, me realizei. Descobri que um casal pode ser companheiro, que pequenos gestos podem mudar um destino, e com ele, quis um filho! Assim, um casal feliz virou uma família.

O Vi me ensina a ver a vida com outros olhos, a amar de uma forma suave, a esperar com paciência, a entender momentos sutis, como se a brisa da vida morasse em nossa casa, mesmo que muitas vezes eu seja uma grande tempestade!!

Posso ouvir uma chuva de críticas pelo que vou dizer, não ligo. Ele é minha fortaleza! Quando tudo parece fugir ao controle a única coisa que penso é em seu olhar, em seus braços, em sua voz. Muitas vezes, quando me perco em angústias, pego o telefone e ligo no meio do dia. Seu alô é um bálsamo, uma luz. Pura energia de cura.

Hoje, no seu aniversário, quero passar o dia em prece. Pedir que Deus o acompanhe, o apoie. Que São Francisco, nosso amigo, mantenha-nos em contato com a natureza, unidos, sólidos. Que sejamos sempre alegria e paz na vida um do outro. E que os bons espíritos me inspirem caminhos para fazê-lo feliz. 


Esta música faz parte de um presente que ganhei no início de nosso namoro. Ele resolveu gravar as músicas que o faziam lembrar-se de mim. Acabou montando um CD duplo... hehehe E esta música diz muito do que vai em meu coração neste momento e não sei como transcrever. Há emoções demais envolvidas. Nestas horas o melhor a fazer é calar. Contemplar o amanhecer, lembrar que este é seu horário favorito no dia. Desejar-lhe muitos e muitos amanheceres, numa paisagem de luz, flores, amor materializado. 
"Anjo, te amo como nem imaginava ser possível sentir. E cada dia mais. Que sua vida seja canção de amor, num acorde perfeito, em sinfonia de pássaros. Beijos aos milhares"
Entendam que não faço a menor ideia de quem são essas pessoas no clipe. Era a música que eu queria, na gravação que eu queria, no youtube. A única que tinha... Foi isso! rsrs
Um lindo dia a todos,
Tati

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Um café e o dia seguinte, por favor!

Hoje o dia está daqueles...
Já contei aqui, há algum tempo, minha dependência química e emocional de café, lembram? Pois é, hoje tive que encarar. Não havia como fazer café. Meu apartamento está em obras. Estamos trocando piso da cozinha e área. Neste momento a geladeira e o microondas estão funcionando na sala, os demais - fogão, máquina de lavar, tanque, armários, além de prateleiras, computador e todos os livros e demais materiais de escritório-  estão hospedados na sala, que Graças a Deus é grande! Isso por que a obra começou no ex-quarto de empregada, atual home office (para ser mais chique e moderna).

É motivo para chateação? Não, estou muito feliz! Aguardo por esta obra há quase 2 anos, tempo em que convivi com um buraco sob minha pia (buraco mesmo, com terra e tudo). Então, com poeira e barulho o momento é de alegria. Mas hoje...

Logo de manhã recebi uma ligação de um call center. A atendente começou dizendo que meu sinal da velox estava liberado, eu toda feliz. Então ela pede confirmação de alguns dados, que ela tinha e eu só dizia se estava certo: meu nome completo, endereço, CPF. Daí me diz meu login e senha na UOL. Pera-lá. Não contratei UOL nenhuma... Perguntei para quem ela trabalhava, ela engasgou... acabou escapando dizendo que é do call center. Trabalha para a OI, mas também para UOL. Sei... Ops, já entendeu? Sim, a tal da venda casada, QUE É CRIME! Quase caí no golpe. Foi mais de uma hora no telefone com a atendente. Briga feia! Ameaças de cortar minha linha e etc. Desliguei, na marra, e liguei para Anatel. A moça escolheu a pessoa errada, no dia mais errado ainda. Enquanto eu falava com a Anatel, me liga outro atendente, agora um rapaz, identifica-se como da Velox e começa novo calvário de ameaças de corte, de pagamento disso e daquilo, blá, blá blá. Eu com a anatel no celular e o call center-multiuso no tel fixo, brincando de telefone sem fio. Vários protocolos depois, desliguei. UFA!!! Mega irritada, claro! Vamos seguir o dia.

Então, como teremos uso de maquita numa soleira que liga cozinha à sala, resolvi fazer um isolamento de lona entre os cômodos. Se tivesse um outro ser humano no local poderia ter me filmado para vídeo cassetada, por que eu sou o ser mais atrapalhado da face da terra e derrubava o plasticão, derrubava a fita gomada, às vezes quem caía era a tesoura e eu mesma quase rolei escada abaixo algumas tantas outras. Quer dizer, se tivesse outro ser humano por aqui melhor seria se me ajudasse, né? 

Neste momento glamour, o Sr Jonas Pedreiro me avisa que as placas de piso estão acabando. O outro pedreiro calculou mal e não dava, precisávamos de mais uma caixa... Putz! Marido, help-me!!!

E vem meu São Vicente correndo do trabalho, para comprar nova caixa de piso... E a maratona dele não foi diferente da minha e envolve uma rua de terra batida, cheia de buracos e lotada de lama neste dia chuvoso. Ou seja, eu me acabando de trabalhar na obra e marido brincando de rally... fazer o que?

Ao mesmo tempo me chamam na administração do condomínio. Como não dava para atender o interfone sem um processo de escavação desci até o play. Lá uma vizinha super simpática, que me dá bom dia, boa tarde, boa noite olha para mim e diz, toda gentil e sorridente: eu vim fazer queixa da sua obra... É que está fazendo muita poeira... Eu limpei minha casa ontem e está entrando pó... Cara, eu não tinha o que dizer... O que se diz numa hora dessas? Desculpe, quer que eu limpe? Ou, vou interromper a obra, então, já que te incomoda? Eu sei que incomoda, é chato à beça, mas se moramos em prédio temos que ter um pouco de paciência, tolerância. Hoje sou eu, amanhã é ela. E terei que aceitar... Nem sabia o que falar. Fiquei muito chateada e a cabeça que já latejava, ardeu! Hoje, nem a Neusa resolveu meus problemas...

Marido chegou, eu quase chorando. Ele conta sua história triste e as emoções do paris-dakar sem paris, cansado e desgastado.

Aí, chega o Administrador do meu condomínio, todo bonzinho, para dizer que, semana que vem precisarão quebrar minha cozinha para a troca de uma tubulação da obra do vizinho de baixo (toda a obra da minha casa começou por este motivo - a obra do vizinho de baixo...). Tudo bem que é o condomínio que paga, mas significa que, semana que vem, quebrarão pelo menos 3 das pedras que colocamos hoje, e estas, nós pagamos! 

Seria interessante ver uma foto de nossas caras de pastel neste momento... A gente se olhava, sem acreditar no dia que estávamos vivendo e eu repeti uma frase que o Bê usou ontem antes de chorar até dormir: "Acho que hoje não é o meu dia...".

Então resolvemos pedir a conta: Fomos até a casa de minha mãe, tomar um café e descontrair um pouco, enquanto Sr Jonas Pedreiro terminava a colocação do piso. E a única coisa que eu podia pedir ao garçon da vida é: um café e o dia seguinte, por favor!

Que amanhã seja só alegria, um dia de batuques, barulhos e sujeiras, mas na certeza de um espaço para testar novas receitas, conviver, cuidar. Claro que só até terça, quando começará a nova obra...

Beijos empoeirados,

Tati.

Desvirtualização Carioca - O Grande Encontro

Olá amigos!
É com grande alegria que fazemos o post de hoje. Alguns podem não entender o título, mas vamos explicar:

Semana passada começamos a conversar sobre uma vontade já dividida com outras pessoas: compartilharmos no mundo real, um pouco do tanto que compartilhamos, aqui, na blogosfera.

Claro que a ideia causou alvoroço e algumas pessoas já manifestaram interesse em participar desse Grande Encontro. A história vem ganhando corpo e para colocar ordem na casa, e transformar esse encontro em um momento que guardaremos para sempre em nossas memórias, achamos por bem criarmos uma comissão organizadora composta pela Tati (Perguntas em Resposta), Sheila (Cantinho She) e Isadora (Tantos Caminhos). Para que aconteça o evento nos autoconvocamos, esperamos que aprovem!

Após algumas trocas de emails chegamos a um consenso sobre data e horário.
Data: 14/08 (sábado posterior ao final de semana do Dia dos Pais)
Horário: a partir de 14h                                                 
Local: a definir.

Para essa primeira convocação contamos com a ajuda de todos que queiram participar e precisamos que vocês nos encaminhem um email com nome e blog. Não é necessário ser amigo das três para participar, mas se quiserem se apresentar às demais será um prazer!

O encontro é aberto a homens e mulheres blogueiros. E também aos amigos de outros estados, mas ocorrerá no Rio. Basta que estejam dispostos a viajar.

Os nossos emails são:

Isadora: isadoranardy@gmail.com
Tati: tatiana.pastorello@gmail.com
She: cantinhoshe@gmail.com

À medida que recebermos os emails e tivermos ideia do número de pessoas que participarão entraremos em contato com dois lugares bem agradáveis, já no radar, para vermos custo. A vida não está fácil para ninguém e nos valeremos da máxima: Bom, Bonito e Barato. E assim que fecharmos passaremos todas as informações, por email.

Esperamos que todos gostem da ideia e fiquem tão empolgados como nós estamos! Aguardaremos ansiosas, o email confirmação de vocês.

 Um beijo e até breve,

 Tati, She e Isadora


quarta-feira, 14 de julho de 2010

Rebelando


Hoje estou ferida de morte!
Posso ouvir de muita gente que não devo me abalar, que não devo levar a sério ou em consideração, mas quer saber? O dia em que uma coisa dita pelo Bê não me afetar, nada mais afetará. Por que não há no mundo uma pessoa que eu ame tanto e que eu queira tanto fazer feliz. Por que o abraço de ninguém faz por mim o que o dele faz, e não há covinhas de sorriso capazes de aquecer meu coração como as dele me aquecem. Quando digo que ele tem um sorriso que ilumina o mundo, quero dizer que ilumina meu mundo, e não importa se o dia esta nublado ou com chuva torrencial... 

Então, quando ele me destrata de alguma forma, quando me recusa, me rejeita, isso acaba comigo sim! E nestas horas não sei como agir. Dá vontade de ter uma atitude bem madura: arrumar a mochilinha e fugir de casa! Dá vontade de me trancar no quarto e me acabar de chorar, de ficar de mal, de dizer "não sou mais sua amiga" e cortar dedinhos. Mas sou mãe e estas atitudes não são possíveis, não são permitidas no meu mundo-adulto-que-deve-agir-sempre-com-firmeza

Tá, então me explica, na prática, como a gente age com um garotinho de 5 anos que decide que você não é mais o brigadeiro da festa? Que diz que é chato morar com você, e que fica triste quando o busca na escola? Que faz as coisas simplesmente para afrontar. Eu sei que o motivo é este, mas não sei como fingir que ele não atingiu a meta. Ele sempre atinge! Não estou dizendo daqueles dias esporádicos em que prefere dormir com o pai. Não, não é destes dias que falo.

Já haviam me contado que tinha uma tal de adolescência da infância, nesta fase entre 5 e 6 anos, que era difícil, que contestava. Achei que entenderia, afinal, sou adulta, né? Cadê?

Podem ainda me dizer que é normal, mas não foi assim que eu vi no comercial de margarina, nem em nenhum daqueles comerciais de dia das mães, com mulheres lindas, cabelos ao vento, e múltiplos sorrisos felizes. O encantamento. Ah, saudade do olhar encantado, da certeza de ser a mãe-centro-do-mundo...

Estou aqui, com o coração apertado, questionando se tudo o que fiz até hoje foi válido. E na certeza que ser tia é muito melhor! Tia é tudo de bom: dá presente, brinca, se joga no chão, transgride regras e coloca o indicador na frente da boca em bico, numa atitude cúmplice que diz "não conte prá mamãe que a gente fez isso, tá bem?" E a tia é um barato! Tia não manda comer legume, tia não briga para fazer lição, tia oferece sorvete, dança tchutchucão na frente da TV de uma forma engraçada, cria umas brincadeiras só dela, mas não manda pro banho no melhor da festa, não tira o direito ao computador. Tia se preocupa com o futuro do sobrinho, mas não precisa pensar no preço da mensalidade e se sobra algo para abrir uma poupança. Tia não manda dormir, aliás, tia dorme a noite toda, come comida quente com suco gelado, se serve do melhor pedaço da torta sem culpa. Tia não tem culpa! Tia viaja e traz presentes legais, tia leva ao cinema e é uma curtição, não há cobranças nem represálias ao comportamento, mesmo que não muito adequado. Ah, quero ser tia do meu filho, isso sim. Alguém quer adotá-lo nestas condições? 

Hoje eu queria sumir e só voltar na próxima fase. Hoje eu queria ouvi-lo dizer algo simpático, só para amenizar os últimos dias. Hoje eu queria acreditar que estou no caminho certo e que vai passar, passar para melhor. 

Será?

Beijos,
Tati.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Quero dar tchau para a OI!


Grrrrrrrrrrrr
Preciso dizer, na verdade a vontade é de gritar! A OI É A PIOR EMPRESA COM QUE JÁ TIVE QUE LIDAR EM MINHA VIDA!
Espero que a Glorinha esteja tendo melhor sorte com a NET. Eu, até agora, aguardo a instalação do Velox que foi prometido para dia 09, adiado para dia 12 e hoje, quando liguei para saber, fui informada que - automaticamente- passaram para dia 19. Sim! Eles são muito modernos...

E hoje, com menos de 15 dias de telefone ligado, ele ficou mudo.MU-DO!! Liguei muito irritada, com tanta raiva que tremia. A atendente, bem treinada para ser simpática, mas sem qualquer treinamento para prestação de serviços, me informa que terão até as 20h de amanhã para consertar. Fala sério!!!!Liguei para cancelar! Claro que ficaram fazendo aquela ciranda já conhecida pelos assinantes desta idônea empresa. E, pasmem. Não posso cancelar por que a instalação não foi feita! Preciso "desbloquear" o serviço para, então, poder cancelar. É ou não é surreal!

Agora estou em busca da Anatel. E como tenho muitos e muitos protocolos colecionados nestes 15 dias como "cliente", vou também em busca de um advogado. Está na hora de devolver o nariz redondo para os verdadeiros palhaços!

Estou cansada!

Beijos a todos,
Tati.