Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

Mostrando postagens com marcador senta que lá vem a história. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador senta que lá vem a história. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 7 de julho de 2011

A geladeira que queria mudar de vida

daqui
Era uma vez uma geladeira branca e feliz como muitas geladeiras. Ela morava em uma casa também feliz, e servia a uma família há muitos anos. Por suas prateleiras passavam muitas delícias. Ela sabia que era importante para a família e trabalhava com afinco, dia e noite. 

Mas um dia a geladeira foi desligada. Passou alguns meses em um depósito no período de mudança da família. Naqueles meses ociosos a geladeira deu para pensar! E como pensou... Coisas divertidas e outras nem tanto, lembranças de sorrisos ou caretas das crianças ao abri-la. E foi então que uma ideia brotou:
- Depois de tantos anos de trabalho no setor de serviços seria muito interessante mudar de ramo... Eu queria mesmo é fazer parte da indústria do entretenimento! Já pensou que vida divertida!! Sem contar que o turno é mais curto. Terei mais horas de descanso... É acho que preciso mudar o rumo de minha vida!

E foi assim, com estas ideias mirabolantes, que a geladeira branca, e já não tão feliz, foi religada na casa nova. Mas agora já não funcionava tão bem. E de noite, no silêncio da casa, ouviam-se seus suspiros e lamentos, lá na cozinha. Ela ainda acendia luz, armazenava alimentos, resfriava, mas já não com tanta alegria. E nestes novos tempos a vontade de mudar de vida tornava-se mais forte. E se perguntava: 
- Mas o que posso eu fazer? Só sei resfriar... Como posso trabalhar com entretenimento assim?

Foi mais ou menos nesta época que uma propaganda de ringue de patinação foi presa em sua porta por um imã. A geladeira, agora apenas branca, já não feliz leu o folder e acendeu a luz:
-  É isso!!! Eu posso ser uma máquina de neve! Claro! E posso continuar trabalhando para a família. Eles tem três crianças que gostariam de brincar com neve. Eu serei muito mais feliz como brinquedo! Estarei na industria do entretenimento. Eles me ligarão na hora de brincar, farei parte da diversão e das gargalhadas da família, e depois poderei descansar tranquilamente no meu canto. Perfeito! Mas... como os farei perceber que sou ótima máquina de neve?
E foi então que a geladeira começou a produzir gelo incessantemente. Era cansativo, ela sabia, mas valeria à pena quando eles a descobrissem. Congelava, nevava, criava camadas e mais camadas de gelo. Seu congelador ficava até pequeno de tão congelado. Uma beleza de trabalho!
daqui
A mãe da família dedicava mais tempo do que nunca à sua geladeira, o que a fazia sentir que seu dia de mudar de vida estava chegando. Elas nunca estiveram tão próximas! 

Só que um dia, a mãe da família, muito chateada, comentou com o pai da família:
- Esta geladeira precisa ser substituída. Ela está congelando demais. Vai estragar os alimentos... Está no mínimo e ainda congela...
daqui

E a geladeira, numa tentativa desesperada de mostrar que podia ser máquina de neve, congelava ainda mais. Até que, enfim foi desligada. Uma nova geladeira foi instalada em seu lugar. E a velha geladeira branca, que um dia fora feliz, seguiu em um caminhão, rumo ao ferro velho. No ferro velho foi desmontada e suas peças separadas para venda. E seu sonho de tornar-se máquina de neve jamais pôde ser realizado.
Moral da história 1: Se você deseja mudar o rumo da sua história, tenha certeza que o que você deseja fazer faz algum sentido (e tem mercado).

Moral da história 2: Se decidiu que é isso mesmo, então mude! Mas mostre seus talentos a quem possa se interessar por eles. 

Moral da história 3: Estou ficando tempo demais dentro de casa! O que rendeu uma história de fundo doméstico muito non sense, mas também rendeu um post! Saudades de passar por aqui.

Acho que é mesmo hora de lançar mão dos carnês das Casas Bahia ou Ricardo Eletro e procurar uma nova e branca amiga. A nossa quer mesmo virar máquina de neve...

Beijos a todos, beijos com muuuuita saudade!!!
Tati.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

O desafio das perguntas em resposta

Minha ideia essa semana era não entrar no blog. Na verdade, mal tenho ligado computador, mas hora do almoço, enquanto preparo uma gororoba gourmet para a ocasião, vim alimentar o vício e encontrei este delicioso convite da Isa, do Tantos Caminhos (Ih... pelos termos utilizados sinto que estou com fome). Daí vou tentar responder no tempo em que meu macarrão com epa cozinha, ok?

Isa, amei o desafio! Além de responder as perguntas, pedem que a gente escolha 5 para desafiar, então lá vai:

1- Karine - Blog da Ká
2- Tati - Vida Bicultural
4- Edu - Olhar o tempo

Ops... Viraram 7 (nunca escondi que sou péssima em matemática). Sintam-se à vontade para responder ou não, entendam apenas como um carinho que quis fazer a vocês. Esse desafio consiste em fazer um autorretrato (esquisita a grafia após a reforma ortográfica, né?), baseado em questões prévias e, desafiar quem o ler, a proceder de modo igual.

1 – Se me dou bem com a minha sogra?
Muito bem. Ela tem gênio forte, como eu, mas cada vez que penso em me chatear me lembro que ela fez e educou muito bem o Vi,  fico grata e relevo.  Sempre são coisas bobas. Ela é carinhosa e atenciosa com o Bê. E me trata com respeito e carinho também.  Além disso ela cozinha super bem! hahahaha

2 – Qual o seu desafio?
Vencer minhas variações de humor. Aprender a amar sem questionar/ racionalizar. Isso eu ainda não sei não... Dominar meu jeito controlador de ser... Ih... É coisa demais...

3 – O que diria a seu chefe se ganhasse na Loteria?
Obrigada pela oportunidade que me deu e por tudo que aprendi aqui. Bóra fazer um churrasco? É por minha conta!  Te trago uma lembrancinha da volta ao mundo.

4 – Que farias se descobrisses que alguém te está mentindo?
Já descobri. A princípio é horrível e a gente tende a se afastar. Depois pensa, tenta entender o outro lado, pesa o valor que esta pessoa tem em nossa vida. Eu fiz assim. Claro que a confiança ficou abalada, mas a amiga ainda é muito querida para mim. E não pretendo jogá-la fora, mesmo tendo ressalvas.

5 – Se tua casa sofre um incêndio e apenas podes salvar uma única coisa, que salvarias? Por que?
Vou pensar em coisas, não em pessoas, ok? Caraca!!! Meu computador, uma forma de salvar muitas imagens, projetos, mensagens, cartas, etc. Mas... nossa! Deus nos livre de algo assim... 

6 – Entras num local com muita gente, que fazes?
Procuro a porta de saída. E só respiro lá fora!

7 – Vês um recipiente meio cheio ou meio vazio? Por que?
Depende do período do mês. Pós menstrual, meio cheio. Pré-menstrual, vazio. Não me orgulho nada de ser governada por hormônios, só ainda não sei como deixar o cérebro no comando.

8 – Encontras uma Lamparina Mágica. Que três desejos pedes?
Ser mais decidida e determinada (pode contar como um?); Uma fonte de desejos eternos e a paz mundial, claro, por que não sou miss, mas acho este um desejo digno.

9 – O que te levou a criar um blog?
Inicialmente era um exercício de exposição, para ter coragem de expor meus sentimentos. Este objetivo eu já alcancei e até superou expectativas, me mantenho por que me apaixonei pela tarefa e pelos amigos que fiz por aqui. Me tornei eternamente responsável... (ops... acho que acordei meio miss...)

10 – Se fosses um dinossauro, como te chamarias
TaT-Rex

11 – Você mudaria algo no seu passado?
Se fosse possível, sim. Já que não é, busco usar os erros passados como lição, tentando não repeti-los

12 – Qual é o teu Sonho?
Ui! São muitos.  Sou uma eterna sonhadora. Sonho coisas possíveis e impossíveis, grandes e pequenas... Ser escritora é um que vocês já conhecem. Ser professora eu não sei se sabem. Ter mais tempo com o Vi e o Bê. Conhecer Fernando de Noronha... Quantas linhas eu posso usar aqui?

13 – O que de mais vergonhoso fizeste?
Olha, eu sou uma pessoa tímida, então, até coisas banais me soam vergonhosas, para completar, sou desastrada, já paguei muito mico por aí, não fosse o suficiente, tenho pavio curto, sou estressadinha, etc etc, o que me mete em muita encrenca, então... Não dá para eleger uma pisada de bola só.

14 – Se fosses um animal, qual serias?
Ah, essa eu já contei. Seria uma onça brava. Mas se pudesse escolher, queria ser um golfinho.

15 – O que nunca farias por dinheiro?
Mais fácil me perguntar o que eu faria por dinheiro. Eu sou cheia de brios para muitas coisas. Não confundam com preconceitos, coisas contra as quais eu luto bravamente, odeio de todo tipo. Já me demiti de muito emprego por não concordar com a política da empresa. Tenho meus valores e amor próprio, não passo por cima de nenhum dos dois. Ok, nunca passei fome. Neste caso, não sei como seria. Eu faço por dinheiro o que eu faço por amor (e não estamos falando de sexo, que fique bem claro! kkk).

16 – O quê ou quem é capaz de tirar-te do sério?
Ah, essa é fácil. Tudo e todos! kkkk Eu sou estressadinha... Eu mesma sou capaz de me tirar do sério. Barulho me tira muuuuuito do sério, e pagar imposto é de morrer de raiva, me tira mais ainda do sério não ver este dinheiro revertido em nenhum benefício para a sociedade.

17 – O que fizeste em tua Vida de que tenhas tanto orgulho?

Lugar comum, mas... O Bê!!! 

18 – Como gostarias de te enamorar?
Como já me enamoro: Com o Vi, do nosso jeito e se possível até ficar beeeem velhinha.

19 – Com que personagem, famoso ou não famoso, gostarias de parecer-te?
Clara Luz (a fada que tinha ideias)... Tentei pensar em outra, que fosse mais fácil todo mundo conhecer, mas não consegui, só vinha a Clara Luz.

20 – O que prezas mais na Vida?
Minha família.

21 – O que significa PAZ para você?
Entender que a verdade do outro pode ser diferente da minha e que tudo bem! 
Respeitar o outro, o mundo e a si mesmo. 

22 – O que é AMOR para você?
Um caminhar para a paz. Amor mesmo não pode ter ses e senãos, tem que ser incondicional.

23- Se pudesse mudar alguma coisa no mundo o que mudaria?
Sabe a Emília, na reforma da natureza? Sou eu. Adoraria mudar muitas coisas no mundo. Mudaria o jeito que o ser humano se vê: senhor do mundo, centro do universo. O colocaria em perspectiva para perceber que vale tanto quanto qualquer outro ser ou coisa, quem sabe assim aprenderíamos a respeitar a vida? E me incluo na categoria ser humano, ok?

24. Qual seria tua opção para outra atividade profissional que não fosse a tua?
Essa eu vou copiar da Isa, e já me ofereço para sócia: Organização de Eventos. A gente vem treinando! hehehe

25 .Qual a sua melhor lembrança?

 Um dia, em casa, fazendo uma sessão de fotos do Bê para o cartão de Natal, quando ele tinha uns 9 para 10 meses. Eu queria que ele segurasse um Globo inflável, por que tinha planejado um texto sobre a visão infantil do mundo, tinha uma ideia na cabeça. E o Bê não pegava "a bola" de jeito nenhum, dava gargalhada, subia por cima de mim... A gente riu tanto, foi tão divertido, emocionante e simplório. Um dos melhores dias da minha vida. Sempre me lembro com muita emoção desta ocasião. 

Agora, tenho que propor uma nova pergunta para que a cadeia siga e novas perguntas se juntem de blog em blog…

26- Se fosse só fechar os olhos e imaginar, onde gostaria de estar agora, quando os abrisse?

É isso. Respondi enquanto almoçava uma comida que quase queimou. Valeu à pena. Adorei o desafio, Isa! Aguardo as respostas dos amigos. Se eu não te linkei, mas você quiser responder, sinta-se convidado, será um prazer ler suas respostas. E passa na Isa, as respostas dela estão ótimas! Sei que ficou um post enooorme, é que adoro perguntas! hehehe

Um beijo a todos,
Tati.


quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Macaquices e Macacadas

Lembra daquele papo sobre rasgar dinheiro... maluca... coisa e tal? Então, para variar: Senta que lá vem... Ah, você já sabe...hehehe

Sábado foi a festa da família na escola do Bê. O tema era África (por causa da Copa) e a turma dele se fantasiou de bichinhos. Podia escolher qualquer um, desde que dá África, claro. Qualquer lugar da África, entendeu? O Bê, a princípio, queria ser uma Centopéia. Agora, preciso perguntar à Taia: Há centopéias na África? ehhehehe

Após grandes negociações, passamos por leão, jacaré e chegou-se ao macaco. Perfeito! Vamos aos preparativos.

Estava fazendo contato com a costureira indicada pela escola, desde julho. Ela é mãe de aluno e disse que preferia esperar o retorno às aulas para tirar as medidas, e me tranquilizou sobre o tempo de confecção. O mês passou, os desencontros aconteceram e no sábado anterior à festa insisti e fui até a casa dela. Vimos uma das fantasias, de leão, ela tirou as medidas e me disse que entregaria o macaco na sexta. Daí, quando fui acertar a compra ela me diz: RS 120,00. Isso mesmo!! Faz sentido? Pagar 120 dinheiros numa fantasia que seria usada uma única vez? Na hora, ainda sob o choque, disse ok e fomos embora, só que aquilo me deixou descompensada. Por que outra mãe disse para minha mãe que pagou 75,00 por que era de pelúcia, e que não sendo, seria mais barato. 75 já é bastante, mas ainda vá lá... Agora, como assim? Tanto dinheiro numa fantasia? 

Quantas peças eu posso comprar para o Bê, que serão usadas mais vezes, com este dinheiro? Dá para nós 3 irmos ao cinema 2 vezes e comermos pizza depois... Dá para um monte de coisas... Passei o restante do sábado contabilizando. E olha que passamos no shopping (véspera de dia dos pais, ninguém merece...). Cada coisa que eu via e achava legal, pensava: Com o dinheiro da fantasia eu comprava 2, 3... 10!

No domingo liguei para a costureira e cancelei. Daí fiquei com uma batata quente nas mãos, ou melhor, fiquei sem nada nelas... e a festa ali, na semana seguinte. O Bê deixou claro que queria muito participar. Ainda encontramos a professora de música no restaurante, no sábado, e ela elogiou tanto a festa, que estava tudo lindo! Que seria um encanto... Por que cheguei mesmo a pensar em nem ir... Mas adooooro!!!

Este capuz é de uma artesã de Porto Alegre. Amei!
Aí surgiram as opções. Minha amiga Alê me ofereceu uma fantasia de Taz, dos filhos dela. É um macacão marrom. Ok, roupa pronta. Ela me autorizou a costurar um rabo maior, que podia ser um boá bem comprido e peludo. Mas e a cabeça? Entra meu amado e imprescindível google (como a gente vivia sem ele?)
O arco de 6,50

Encontrei uma tiara em uma loja de São Paulo. Custava 6,50. Legal! Fiz o cadastro e já partia para a compra, quando, no cálculo do frete, passava para 46,50. Ri! E continuei na busca.

Importante arrematar que não temos máquina de costura (ainda, viu, mãe?), resolverei esta questão em breve. Por enquanto, não temos. Segui nas buscas do google. A sugestão que me deram foi correr para o Saara, ok, fica na África, né gente? Só que este fica no Rio. Minha semana passada estava toda tomada. Não tinha dia livre antes de quinta, e correr o risco de chegar lá, andar em meio aos beduínos cariocas, chineses e coreanos, não encontrar nada e ter que pensar em alternativa... não era uma alternativa válida. Saí em busca de sites de aluguel de fantasia. Liguei para váááários em busca de um adorno-macacal-de-cabeça. Ninguém tinha. Quando tinha era de macaca... Imagens? Muitas! Já estava pensando em escanear o Bê e fazer no photoshop...

Foi quando encontrei Dna Ítala. Que mora do outro lado do mundo da minha cidade. Ela aluga fantasias de criança. Só a cabeça, 20. Fantasia completa, 50!

Marido ficou de buscar a tal fantasia. Tinha que deixar cheque calção. Marido esqueceu de levar talão de cheques (só não esqueceu o calção por que está preso na cabeça... ops, misturei ditados...). Tudo bem, amanhã. No final já era mesmo a quinta-feira. Rezei para o santo das fantasias glamourosas e aguardei com fé.

Marido deu a sugestão: Tati, alugar só a cabeça... e se destoar do macacão? Ok, então alugamos a fantasia toda. Bê é vaidoso até a alma, não usaria uma fantasia tosca mesmo, a gente sabe! E na festa teriam crianças vestindo mantos sagrados de 120 moedas de ouro!

Fantasia a postos! O macacão era lindo! A cabeça, mais ou menos, por isso ela mandou 2 opções: máscara e chapéu. O Bê gostou mais da máscara, só que não queria esconder o rosto, eu também não. Tudo pronto para o grande dia e...

Bê ficou doente na sexta. Caiu de tal maneira que até brincar com o cachorro doía... Final de semana de molho. O tempo também não ajudou muito. Um friiiiio...

Não tinha jeito, a fantasia precisava ser devolvida ontem (segunda). Então, vamos brincar, colocar a roupa, pelo menos para tirar fotos, para reduzir a sensação de perda... A vovó Nininha veio visitá-lo. Vi inventou uma história, que ele se disfarçaria de macaco, ela acharia que ele não estava e que tinha deixado um macaco no lugar... História surreal, que ele a-do-rou! Enquanto o Vi buscava a mãe, eu arrumava o neto. Que quando se viu com aquela roupa e um rabo enoooorme, esclamou: Eu estou ridículo! Quero tirar! (Ai, que ódio!!)

Se nem a avó viu a roupa... muito menos a máquina fotográfica. Ontem, a fantasia voltou tristonha para uma arara lotada de outras fantasias. E deve ter ouvido risinhos debochados das fantasias antipáticas que abarrotam uma sala de aluguéis... Pobrezinha da fantasia desprezada.

E minha conta no banco também ficou com vergonha... tanta vergonha que, dizem, está de bochechas vermelhas... Ué? Conta bancária tem bochechas? Ah, é... Então ficou apenas vermelhinha, a coitada! Mas foi só de vergonha, gente...

O Bê? Ah, está bem melhor. Já foi até para a escola, está com ótimo apetite... Ainda tossindo e espirrando, mas nada que homeopatia, colo e dengo não deem jeito.

E eu? Bem... eu estou com fama de louca, daquelas que rasgam dinheiro. Antes tivesse rasgado o cheque! kkkkkk Quanta macaquice!!!

Beijos a todos,
Tati.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

A luz do convívio


Hoje, minha querida-amiga-espelho Alê veio trabalhar aqui em casa. Foi ótimo e reduziu aquela sensação horrível de solidão. Caprichei no cardápio, que ela disse que é comida de festa. Fiz com muito, muito carinho! E ela acha até que é receita para postar aqui, só tem um porém, não sei dar receita, por que coloco um pouco disso, o tanto que tem na casa daquilo, e assim vai... Fica difícil desse jeito, né? Outro dia pego a receita original e conto para vocês, tá bem?

O que quero contar é de onde vem todo este vazio que me acompanha... Querem saber? Senta que lá vem a história...

Então, antes eu morava em um condomínio que parecia uma vila, onde fiz amigos muito queridos, uma delas, a Mônica, me ensinou a receita que fiz hoje. Lá era uma delícia. Resolveu preparar um prato e falta uma cebola? Pega na Pati. Outro dia a Ana aparece precisando de um limão, e assim vai.Tantas festas surpresa nós fizemos que um dia deixou de ser surpresa e já era festa esperada! E para cada festa, pelo menos 2 enterros dos ossos.

Certa vez, acordei, desci as escadas e recebi bom dia da minha vizinha, que tirou a cabeça de minha geladeira para isso! É que ela estava descongelando a própria geladeira e pediu ao Vi para usar a nossa. A cena foi engraçada e caímos na gargalhada!

Uns cuidavam dos filhos dos outros, minha casa vivia cheia. Tinha pipoca pelo chão e brinquedos espalhados, mas também tinha música e risadas. Muitas risadas! A Pati tem um filho, o Arthur, 6 meses mais velho que o Bê, e herdamos todo o guarda roupas. Não cabia mais no Arthur? Entrava lá em casa pela porta ou pela janela, dependia de quanto tempo nós tínhamos para prosear: roupa, sapato, casaco liiiiindo da Zara, uma infinidade de coisas. 

 Claro que tinha a parte chata. A invasão de privacidade era inevitável, e alguns, mesmo queridos, não eram muito cuidadosos. Nós, que somos tão fofos quanto reservados, nunca soubemos lidar bem com isso... Além disso a casa era pequena, e não tinha muito espaço para crescer. A gente precisava de um escritório, já que tanto eu quanto o Vi trabalhamos muito de casa e não tinha onde. Daí surgiu a ideia de mudar para um apartamento. Eu achava que seria fácil: quando quisermos silêncio e recato - casa, na hora da interação - playground. Se alguém aqui mora em prédio sabe que não é bem assim. O play, pelo menos no meu prédio, é mais frequentado nas férias e por meninos maiores. Acho que os pais não tem muita paciência de descer... E os adultos não interagem muito. Não conheço (a não ser de bom dia, boa tarde, sua obra faz sujeira) os vizinhos do meu andar!! Não sei o nome de ninguém!!  

Outro dia faltou luz no prédio. Eu sozinha... já contei que tenho medo de escuro? Então, de noite, sozinha e no escuro (o que me salvava era a luz do note, que acabaria em menos de 1 hora...). Ouvi barulho no corredor e fui até lá para ver o que acontecia. O prédio não estava totalmente sem luz, só os apartamentos. Eu não tinha como acessar meu interfone por que foi durante a obra. Minha vizinha abriu a porta, percebeu que os elevadores funcionavam, foi interfonar para a portaria. E... me deu tchau! Fechou a porta. Ficou no escuro!!! Fiquei tentando entender aquilo. Tinha luz no corredor, uma vontade enorme de puxar uma cadeira e prosear por lá. Isso aqui é impossível, corredor é local de passagem e não de convívio. Eu seria uma louca, vizinha inconveniente, se o fizesse. Entrei em casa e me recolhi à minha insignificância.

E fiquei me lembrando de uma noite de apagão, no verão de 2006, próximo à festa de 1 ano do Bê, em fevereiro, no Torino. Todos saímos, sentamos no chão ou em cadeiras e bancos e batemos papo. Não havia por que ficar trancados dentro de casa no escuro e no calor. Batemos papo, comemos biscoito. Numa certa altura a Pati teve a ideia de dar banho de mangueira nos meninos e foi uma farra! A luz só voltou no meio da madrugada, já dormíamos nesta hora. As lembranças que tenho são tão claras, tão iluminadas. Por que havia convívio, carinho, amizade.

Gosto do lugar que moro hoje. Sinto muita saudade dos amigos que lá deixei... Lá, eu não me sentia sozinha, só se eu quisesse (às vezes, nem quando eu queria...). É uma pena não ter feito amigos aqui. Quando eu me mudar, a saudade será só do espaço físico (triste, né?)

Um beijo a todos, 
Tati.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Um programa de índio, com muito amor



Dentro da Barca. Dia de muita luz!
Quem já passou por aqui, uma vez que seja, sabe o quanto sou apaixonada por família. E não tenho nenhum astro em Câncer (a não ser o astro-rei-marido...), mas tirando os elementos mais próximos: pai, mãe, marido, filho, posso dizer que tenho paixão pelos primos! Tenho ótimas tias, não tive muita ligação com avós, mas meus primos... Ainda bem que são muitos! Amo-os com amor de irmã!

No sábado uma de minhas primas me ligou fazendo um convite interessante: - Vamos a Paquetá?
Os sapecas de farra, na Barca
Num final de semana de sol lindíssimo, sem grandes compromissos, topamos! Legal! Só fui a Paquetá quando era muito pequena e já nem me lembrava mais. Animamos o Bê. E eu corri para cá, fui pesquisar a ilha e suas atrações. Vi que o tempo de Barca era de 70 minutos, e que lá, podíamos andar de Charrete, bicicleta, pedalinho, que tinha lindas árvores, lindas paisagens. Neste processo de busca encontrei o blog da Chris - Inventando com a mamãe, pelo qual me encantei, por que ela dá ótimas dicas de passeios e brincadeiras para fazer com as crianças. E é amiga da minha querida Ingrid (Desconstruindo a Mãe), então já é minha amiga!! Anotei as dicas do dia maravilhoso que ela passou por lá, organizamos o farnel com biscoitos, sucos, roupas extras, repelentes e livrinhos (lembrem-se, 70 minutos de barca!), dormimos cedo e... Dia seguinte!

As barcas tem uns horários muito espaçados: de 7h10 passa para 10h30. Morando na roça, para estar lá às 7, tinha que dormir na Praça XV, e não acho que é uma boa opção. Então, pegamos esta barca das 10h30. As crianças encantadas! Bê nunca tinha estado no Centro do Rio. Fomos de ônibus comum, e foi super tranquilo, tanto que já planejamos novas incursões ao Centro, para visitas a museus. 
A Barca estava lotada!!! E por mais que eu possa dizer que amo o povo brasileiro, prefiro dizer isso sem estar numa situação sovaco a sovaco. É, essa parte da viagem não foi bonita não... E não me julguem elitista (o que até assumo que sou) sem ter passado por uma experiência "exótica" como essa. Hahaha

Parece até que os primos são eles!
Quando descemos da Barca, segundo palavras do meu primo in law (como eu chamo o marido da minha prima?): "Era a visão do inferno". Ah, se existe um inferno, ele deve ser parecido mesmo. Paisagem? Onde? Só dava para ver gente de todo tipo, com seus frangos e farofas, andando, amontoando-se... Um horror! Vontade de pegar a própria Barca em retorno! Mas... vamos dar mais uma chance. Circulamos por ali uns minutinhos, o grupo dispersou e deu para ver que a paisagem é mesmo linda! Precisa de cuidados, mas é lindíssima!! 

Enquanto decidíamos o que fazer o Bê definiu: "Quero andar no cavalo". Ok, charrete foi a escolha. Aliás, o passeio todo pode ser visto como uma aula de meios de transportes. Só faltou o aéreo! Subimos na Charrete, com cavalos bem tratados (nem todas são) e fomos conhecer a ilha, parando onde queríamos. Na primeira parada o Bê não quis descer. O medo que a charrete fosse embora... mas depois que viu que íamos e voltávamos, desceu, fez pose, pediu para tirarmos foto dele sozinho... hehehe Aí aproveitou tudo!
  

A parte mais divertida foi a visita ao Baobá, uma árvore que, segundo o condutor da charrete, foi plantada em 1600 e bolinha. Tem uma placa dizendo que quem beija e cuida terá sorte. Li para o Bê que quis levar o amor à natureza à risca e abraçou e beijou o Baobá. A receptividade da mamãe foi tanta que ele resolveu sair abraçando e beijando TODAS as árvores que via pelo caminho. E olha que tem muitas!! heheh Só parou quando eu expliquei que algumas são usadas como banheiro por homens porquinhos... Aí acalmou... Mas foi fofo!!!
Como tudo estava muito cheio não deu para cumprir toda a agenda. Após o passeio de charrete fomos procurar lugar para almoçar. Todos famintos, apesar dos biscoitos. Essa, para mim, é a maior deficiência da ilha. Tem muitos botecos, uns locais que servem refeições com cara de sujinha, mas poucos restaurantes. Se higiene de alimentos é minha área, fica difícil comer assim. Não consigo e nem quero! Então circulamos procurando algum lugar. Achamos um restauranta ajeitadinho, com cara de limpinho, e... aguardamos na fila, claro!! Até vagar mesa, um tempão, mas tudo bem. O chato foi a comida. Não era gostosa nem bem servida, e o preço é meio salgado (pela qualidade), mas era limpa! De bebidas só refrigerante ou cerveja, não tinha uma opção de suco ou qualquer outra coisa. Bebemos água - fonte da vida!

E... Hora de voltar. Por que a barca saía 15h. O passeio foi relativamente rápido, mas chegamos bem cansados. Felizes, como podem ver nas fotos, eu reclamei por aqui, mas gostei. A oportunidade de levar o Bê numa Barca, de ver as gaivotas tão pertinho, mergulhando em busca de peixes, o passeio de charrete, o Baobá... e em especial a companhia da Sani, do Henrique e da Sofia! Sem preço!! 

Cheguei tão cansada que nem entrei no computador. Só banho, jantar e dormir. 

Hoje, quando entrei para escrever para vocês, o comentário da Chris:


Oi Tati,




adorei o seu blog. (...) E como foi em Paquetá? O dia estava lindo, né? Acho que eu não comentei no blog que eu fui durante a semana e aí as coisas são mais tranquilas.


Ok... Quem manda se informar de véspera... kkkkk Mas valeu muito! Eu iria de novo (nunca mais num domingo, é claro!!!), até por que ficou faltando o passeio de pedalinho... 

Beijos a todos,
Tati.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Como não chorar pelas fotos derramadas?

Sabe o presente dos sonhos? Meus pais nos deram: um final de semana delicioso em um Hotel Fazenda. Fomos os 5 (meus pais e nós três) na sexta e retornamos ontem, sob protestos do Bê, que queria morar lá. Já chamava nosso quarto de casa... hehehe

Para falar a verdade, eu não acharia nada ruim morar assim... Ah, não mesmo... mas, já não posso sonhar da mesma maneira ingênua do Bê. O que posso fazer é pensar em maneiras de colocar este plano em prática. Com o aval do terceiro membro do grupo, ficou mais fácil planejar.

Na chegada ao hotel meu pai sofreu uma queda (quando caminhava para o check in) e machucou mão, joelho e costela. Machucou mesmo, está, neste momento, com minha irmã, na clínica, para RX, com suspeita de fraturas... Mas guerreiro do jeito que é, passou o final de semana no quarto, entre bolsas de gelo, analgésicos e paparicos, para não estragar o fim de semana do neto, que estava mais feliz do que nunca.

No sábado ele amanheceu um pouco melhor, apesar da mão muito inchada, e circulou um pouco, mas não aproveitou tanto quanto poderia. E num acordo com o gerente do hotel, ganhou um novo pacote de hospedagem, que ele agendará em breve!

Nós aproveitamos tudo o que dá para se aproveitar: aproveitamos sorrisos e gargalhadas do Bê, que desconheceu, nestes 2 dias e meio, a existência do objeto sapato e circulou, livre e descalço, por todos os ambientes. Nunca em sua vidinha de 5 anos este menino viveu dias tão livres, e no dia dos avós estou mais grata do que nunca a este casal que se desdobra em carinhos explícitos. Eu adoraria ter tido avós assim, mas sou mais feliz por que meu filho os tem. 

Mas, até agora o título deste post não fez o menor sentido? Pois é... queria não lembrar, ou melhor, terei que ser forte, para nunca esquecer. Para não esquecer as imagens gravadas e deletadas.

Já contei alguma vez o quanto eu amo fotos? Sou enlouquecida por elas, que decoram todos os cantos de minha casa, lotam pastas de computador, e recheiam caixinhas no meu quarto. Tudo é motivo para cliques. Após a máquina digital a maioria mora no computador, mesmo que eu ainda sinta a forte necessidade de imprimi-las e distribuí-las por locais onde os olhos alcancem muitas vezes no circular pela casa. Só que a gente fica meio louco e fotografa de tudo um pouco. Filma de tudo um pouco, e muitas das fotos que tenho no computador não valeriam revelações. São interessantes por não custarem nada, nem mesmo espaço. 

Lá, no Hotel Fazenda, estavamos tirando as fotos mais lindas. Momentos gloriosos e simples demais. Cenas de carinho, de identificação, de contato com a natureza, brincadeiras de mãe, filho, pai, avós. Bê acarinhando meu pai machucado, Bê conhecendo e fazendo carinho em um Touro Bondido (como ele chama), nós cheios de dengo na piscina, na ponte do lago, dando pão aos patos, Bê em seus saltos acrobáticos de uma raiz de árvore exposta, enfim, uma infinidade de momentos lindos e fofos, que saíram lindos nas imagens, como nem sempre consigo. 

Daí que fui ao banheiro, e no retorno, olhos tensos do Vi: "Tati, fiz uma besteira". Gelei! Cadê o Bê? Ok, está no parquinho, inteiro, sem choro... Qual será a besteira? "Apaguei TODAS as fotos". Como assim, apagou? 

Sim, meu marido, que tem mania de mexer onde não deve, e ainda enfia a mão em cumbuca, achou que uma foto não tinha ficado boa e resolveu apagar. E neste processo, errou uma teclinha e APAGOU TODAS AS FOTOS!!! Naquele momento eu queria pedir o divórcio, eu queria gritar e sair correndo, eu me arrependi de não ter levado a máquina ao banheiro comigo... Por que diabos alguém precisa apagar uma foto de um cartão com mais de um giga de memória? Por que alguém se expõe a este tipo de risco?

Peguei a máquina e tentei de todas as formas um botão que restaurasse. Não existe, pelo menos na minha máquina, um espaço como o do Windows, uma pasta lixeira que possa ser restaurada. Eu quis chorar... Eu fiquei algum tempo (e nisso acabei com o estoque de bateria que ainda restava) tentado trazer os momentos vividos de volta. O filme do Bê com o touro Bondido. Eu não tinha mais energia... Então, olhei para o Vi, arrasado ao meu lado, levantei, sacudi a poeira e falei: Vamos tentar viver novas histórias. Que bom que temos estas na memória. Que bom que, pelo menos, vivemos o momento. Fiz isso tranquila? Não! É uma espécie de um luto, e quem já perdeu uma máquina, um HD, um computador, sabe do que estou falando. Não é frescura não... E como no luto, como quem perde um ente querido e assim fica com medo de amar, eu também tive dificuldade para novas fotos, então as que vocês vêem por aqui foram as poucas tiradas após o fatídico acidente, e por falta de inspiração, não ficaram tão legais...

A princípio tentei reproduzir momentos já vividos, mas há um ditado que eles não retornam, assim como a flecha lançada e a palavra dita, não tem? Pois é, descobri que não dá. Alguns poucos novos momentos foram fotografados, os demais, apenas vividos (a melhor parte da coisa, diga-se de passagem). E voltei para casa com aquela esperança vã, dos que não se conformam com certas dores. Eu tinha em mim a esperança de localizar, em algum ponto oculto da câmera, as fotos apenas escondidas, como nas brincadeiras do Bê, que me deixam aflita, quando ele se esconde bem escondido sob um edredom ou atrás de algum móvel e não dá um sorrisinho ou grunhido que seja. Mas elas não estavam lá. Foram perdidas. Podem estar num arquivo de memória, que pesquisarei se é possível recuperar. Tenho que pesquisar.

Aproveitamos o fim de tarde de sábado, a noite e todo o dia seguinte, mas meu sonho nesta madrugada, foi com as fotos. Me diz, como não chorar pelas fotos derramadas? Pela perda de um auxiliar de memória tão intenso como fotos e vídeos podem ser? Ainda não sei responder a estas perguntas... Ah, não sei... 

Alguém conhece um técnico destas coisas, de recuperar memórias (de HD, máquinas, etc)? Alguém, por favor, pode me dizer que há luz no fim do meu túnel? 

Mas para encerrar de forma leve, a certeza é de que novos passeios como este serão vividos, que, com ou sem foto, o Bê merece mais momentos assim. Foi um final de semana inesquecível, fotografado com o coração. Obrigada, pai e mãe, vocês são sem igual!! Amo, amo, amo!!

E com o marido está tudo bem, caso alguém fique curioso. Errar é humano, eu sei que ele também está sofrendo com o que aconteceu, e espero, não faça NUNCA MAIS algo assim... (Será?)

Beijos a todos,

Tati.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Sou comodista: Nunca gostei de acampar

Eu preciso dizer, com todas as letras, estou de saco cheio!!! Desculpem a onda "desabafo" que este humilde blog vem seguindo, é que está duro de aturar...

A obra da minha casa é uma reforma, mas não é minha reforma. Vou explicar. A obra é do meu prédio, que é uma construção de mais de 20 anos, com tubulações antigas. Meu vizinho de baixo está reformando seu apartamento. Para ele trocar seus encanamentos, precisa também trocar os meus. Isso é enervante, por que ouço toc, toc, toc de marretas em tempo integral, seja na minha própria cozinha, seja na cozinha de baixo. Além disso, estamos vivendo esta situação de acampamento e ontem comi minha última lasanha congelada. Hoje descobri que aquele pão chamado suissinho (não sei se existe na Suíssa, sei que o francês não existe na França) fica bom quando o descongelamos em 30 segundos de microondas. E café, só nescafé, que está salvando meus índices cafêmicos (nível de cafeína no sangue, para os leigos). 

Ontem cantei para marido aquela música, num agudo muito agudo: "Lava louça no banheiro, que agoníííaa!!" Já fizeram isso alguma vez? E num banheiro que não há como lavar há uma semana? De lascar! Eu sei que é uma melhoria para meu apartamento, e não desembolso nada diretamente, tudo é pago pelo condomínio, até o acabamento, mas é desgastante, ainda mais quando não nos programamos para tal. O Bê está de férias e nós, presos. O ideal seria o contrário, que ele estivesse em aulas e nós em férias (?).

Até ontem eu estava segurando a onda, por que estava acabando. Aliás, quinta passada também estava acabando, aí, no fim do dia vem o administrador do condomínio (coitado, nada fácil seu trabalho de conciliador), todo sem graça, dizer que precisavam quebrar NOVAMENTE nossa cozinha. Então hoje de manhã, quando eu me preparava para o confronto final, achando que amanhã seria dia de faxina... eles interfonam dizendo que há mais um cano a ser quebrado e que a obra prosseguirá, por mais alguns dias...

Não aguento mais!!! Bê está em crise alérgica, tendo que tomar Decongex para conseguir dormir (que Dr Luis - pediatra-homeopata, não me leia); uma sacola de roupas foi passear na casa da minha mãe, conhecer as instalações de sua máquina de lavar, já que a minha está em férias coletivas junto com o fogão, o tanque e etc. AAAAAAAAAAAAAAAAhhhhhhhhh

Liguei ontem para meu chefe, muito sem graça, para dizer que um trabalho que tem urgência, será feito para a próxima semana, e não é o único trabalho que tenho para fechar. Como faço? Preciso de silêncio... Vergonha... Ele não gostou nada, claro. Esta semana ainda passou, agora, como direi a ele caso não tenha onde trabalhar semana que vem? Surreal!!! O Vi também tem faltado trabalho, hora sai mais cedo, hora chega mais tarde, tem dias que nem vai mesmo... tudo para tentar resolver as coisas daqui, por que pedreiro é machista e não gosta de tratar com mulher, e eu sou mal humorada mesmo, acho que os deixo assustados... hehehe

Que sacooo!!! Quero cuidar da minha casaaaaa e da minha vidaaaaaaa!!

Espero que você não tenha chegado até aqui, mas se chegou, desculpe o aluguel dos olhos-ouvidos-ombro-lenço... Tá dureza!

Beijos a todos,

Tati.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

O que me fez blogueira?

Amigos, good news (ou não): A NET ainda não desligou a internet, mas eu já liguei para lá e nossa assinatura está cancelada. Espero não ter problemas com isso depois... O bom é que podemos manter contato! EBA!!!

E para retornar, sem ter partido, vou postar um selinho que recebi da querida Ingrid, do Desconstruindo a mãe. O selo pede que eu responda a esta pergunta:

Por que me tornei blogueira?

Me expresso melhor por palavras escritas. Já falei antes sobre isso, né? Preciso escrever para desembaralhar meus sentimentos, por que minha mente é uma grande bagunça. Chamo de vulcão cerebral e está em erupções constantes, uma barulhada de pensamentos que não param nunca. Quando escrevo, eles se alinham e consigo entender o que me chateia, o que me entristece, e até para onde quero ir, ou o que não quero mais... 

Sonho um dia ser escritora, por que não há nada que me dê mais prazer no mundo. Seria maravilhoso poder viver do talento de que mais me orgulho e que, para mim, é um grande prazer. Sou capaz de passar dias inteiros escrevendo. Tenho muitos cadernos escritos, agendas e diversos arquivos no Word. Fora todas as cartas que já enviei Brasil e mundo a fora, para os amigos que tenho espalhados. 

Um dia, numa busca no google, por ideias para a festa do Bê, caí no blog da Lu Brasil, nesta festa. Foi meu primeiro contato com este universo. Comecei a acompanhá-la, apresentei-a à minha amiga-espelho. Chegávamos a comentar coisas do dia-a-dia da Lu Brasil e quem estava perto pensava que era uma amiga em comum... hehehe Um dia apresentei a Lu Brasil para minha mãe. Ela me perguntou: por que você não tem um blog? Ops... Sei lá... Não gosto de expor meus sentimentos... Não gosto que leiam o que eu escrevo...

Opa, opa, opa... Se eu não gosto que leiam o que escrevo, como posso querer ser escritora? Nesta fase estava enviando meus primeiros originais de um livro infantil para editoras e recebendo múltiplas recusas. Peraí, algo tem que mudar! Então comecei o blog. Precisava expor o que sentia e aceitar a critica, o olhar do outro, a interpretação. Foi um exercício difícil que me impus.

Claro que de início não contei para ninguém. Era um espaço secreto! Era aberto, mas só eu sabia da existência. Também não expus meus sentimentos de cara. Postei um poema do Fernando Pessoa, meu poema favorito. Aos poucos fui transcrevendo textos antigos, de arquivos word, para o mundo virtual. Um dia contei para poucos amigos. Tinha uns 3 ou 4 leitores (mãe, amiga, marido... kkk). O blog chamava-se Cartas ao vento.

Quando fiquei trabalhando direto em casa a solidão bateu forte. Passar o dia inteiro sozinha, todos os dias, era duro demais. Nesta fase comecei a procurar novos blogs, fui sendo descoberta por alguns, e fui formando meu grupo de amigos. Então percebi que Cartas ao vento não dava mais. Eu queria muito ser lida! 

Daí, pensando e pensando me dei conta que esta sou eu. Eu sou curiosa demais, estou sempre perguntando e, mais que isso, me perguntando. Desde sempre sou assim. Quando era criança, perguntava à mãe, à tia, à professora. Na faculdade, perguntei aos mestres, aos colegas de profissão com mais tempo de jornada, nas buscas espirituais perguntei aos padres, aos monges, aos gurus, aos espíritos... Em todas estas buscas perguntei aos livros... Chega uma hora que não há mais quem responda. Neste momento o que tenho são apenas perguntas em resposta. E elas acumulam-se na minha mente, me confundem, me sufocam. A única maneira de detê-las - e não de respondê-las - é escrevendo. E por isso estou aqui!

Sejam sempre bem vindos. Sua presença, palavra, sorriso, carinho, palpite... me faz feliz!


Além de responder, devo indicar 4 amigas. Vou naquelas que não sei por que escolheram blogar, ok? Acho que ouviremos (leremos) boas histórias. 

1) Isadora - Tantos Caminhos
2) Denise - Tecendo Ideias
3) Sheila - Cantinho She
4) Irene - M@mirene e A Vitrine de Sonhos (enviei para o M@mirene)

Tenho curiosidade sobre as histórias de outras amigas, mas era para indicar 4... 

Beijos a todos,
Tati.






quarta-feira, 30 de junho de 2010

Da arte de perder tempo: Estaremos fazendo isso com você


- Chefe, vou precisar faltar amanhã, talvez não consiga retornar no dia seguinte também...
- Algum problema?
- Nada de grave. Preciso solicitar reparos no meu telefone e estarei à disposição do "disque-oi-tu, tu, tu...": Discarei 9, depois os últimos dígitos do meu CPF, em seguida recitarei o alfabeto musicado, então repetirei a data do meu aniversário plantando bananeiras. Nesta hora um atendente virtual dirá que não entendeu e me solicitará que repita os dados na ordem inversa e me transferirá para outro departamento. Então ouvirei uma musiquinha que já foi bonita e hoje é irritante... aguardarei heróicamente, na vã tentativa de ser atendida, até que, de maneira surpreendente, a ligação cairá. Se eu já tiver um protocolo, ligarei de novo e o digitarei, se não tiver chegado nesta fase começo o jogo todo de novo... Isso pode durar só o dia de amanhã ou estender-se por mais um. Quando eu conseguir que um atendente de carne, osso e gerúndio me atenda farei um escarcéu, ameaçarei contato com a Anatel e pode ser que eu resolva... ou não... 
- Tá liberada por uma semana. Depois, traga atestado de saúde mental, se estiver ok pode voltar ao trabalho.

Isso tudo é para dizer que ficaremos sem internet por uns dias. Resolvemos trocar de NET (por que ser um NET é quase morar na Sibéria...) para Oi FIXO e nem sei se estou satisfeita. O atendimento da NET é fácil, rápido e tranquilo, infelizmente precisava usá-lo com mais frequência do que gostaria... ô linha de telefone para dar problemas... 
O fixo da Oi (ex Telemar, ex Cetel) assim como o VELOX, são mais estáveis que os mesmos serviços da NET, mas o atendimento... sofrível!

Hoje instalaram o telefone fixo, mas não estou conseguindo CONTRATAR o oi conta total... Isso mesmo! Se comprar um serviço deles já é tão difícil fico imaginando da hora de solicitar reparos... Ligo para o 0800-285-3131, chama duas vezes, depois fica mudo. Já tenho o número do pedido, por isso não quero tentar pelo site... 

Solicitamos o cancelamento da NET, que se extinguirá à meia noite de hoje. Até que consiga o Velox estaremos sem internet, isso significa, sem blog... snif, snif... 

Espero que seja rápido, até por que internet aqui em casa é instrumento de trabalho de dois e lazer do terceiro.

Mais uma vez, volto logo, me aguardem!! Já vou com saudades...

Beijos a todos,
Tati.

domingo, 27 de junho de 2010

Um bezerro na mala... (A saga da viagem - parte 1)

- Mãe, traz um bezerro na sua mala?

Este pedido me soou tal qual o do pequeno príncipe: "Desenha-me um carneiro?" e pensei que seria preciso uma solução tão criativa quanto a de Saint Exupéry. Lembram-se? Ele desenhou uma caixa com buraquinhos e disse que o carneiro estava lá dentro. Assim o pequeno príncipe sossegou.

Pois bem, meu pequeno príncipe fez este pedido na véspera da viagem, enquanto o colocava para dormir. Eu estava a caminho de um hotel fazenda, perguntei se o bezerro podia vir numa foto. Ele foi taxativo, assim não servia... Alguns dias para pensar na solução? Ledo engano, muito pouco tempo para pensar... A viagem foi de muito trabalho e pouquíssimo lazer.

Primeira ligação de casa, antes do embarque: "Mãe, não esqueça do meu bezerro, hein!" Ligação da noite, marido conta: "ele estava brincando e me perguntou o que bezerro come?..." Ai, estou perdida!!!

Eu tinha uma encomenda, e no último dia, já bem cansada, dei uma fugida. Consegui recrutar duas amigas, que me acompanharam em minha missão: Encontrar o bezerro! Fomos caminhando até a fazendinha, que ficava dentro do Hotel Fazenda, mas mais de 1km de distância da área que habitávamos: quartos, anfiteatros, restaurante...  

Chegamos à pequena "fazendinha": algumas cabras, cabritos e um bode, dois leitõezinhos, uma búfala, alguns cavalos um boi (que finge que era touro, tá?) e um pequeno cabritinho preto, muito bebê. Mas e o bezerro? Não tinha nenhum... Ai, e agora?
 

Comecei a criar a história (estória, na verdade), com a ajuda da Alê (mãe de 2 tem grandes idéias!!). Claro que tive que adaptar. "Quem não tem bezerro, caça com cabrito", ou qualquer coisa assim...

Demos mamadeira para os leitõezinhos e para o cabrito-bebê. Tiramos fotos! Montei um touro (não me desminta, por favor!!!).

No aeroporto procurei um bezerro: de brinquedo, de chocolate... o que fosse. Vira copos é pequeno, mas nem tão pequeno assim, só que tínhamos muito pouco tempo. Acabei encontrando um livrinho que falava sobre os bichinhos da fazenda e o que eles comiam. Tinha vaca, tá valendo!! E dei sequência ao plano.

Cheguei em casa e contei que não tinha bezerro, mas que tinha cabritinho. Que o convidei para vir comigo, mas ele queria ficar perto da mamãe dele, então agradeceu e mandou um presente, e entreguei o livrinho. Ele ficou tããão feliz que o cabrito deu o presente! Perguntou: "Quem foi mesmo que me deu o presente?" E adorou a resposta. Questão resolvida!!!

Este é o primeiro capítulo da viagem. Tem muuuitas histórias. A vontade de contar tudo para vocês era tanta que eu não largava meu caderninho e anotei várias. Não contava de encontrar o Bê dodói. Ele ainda está com febre, mas melhorando. Hoje pediu para dormir com o pai e eu corri para cá. Tanta saudade...

Em breve tem mais! Não me abandonem, tá bem?

Beijos a todos,
Tati.