Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Coisas sobre meus NÃOS na moda


A Isa, em seus Tantos Caminhos, me indicou para um selinho, que inclui contar 9 coisas sobre mim. Eu acho isso mega difícil pelo seguinte: Meu blog só conta coisas de mim. Como selecionar mais 9 coisas assim, de uma só vez? 

A outra brincadeira foi uma indicação da Eliane, em sua Casinha, e a proposta é dizer meus 7 nãos da moda. Eu já tinha lido esta brincadeira no blog do Alexandre - Lost in Japan. E ele o fez de uma forma tão engraçada que nem me atrevi a pensar no assunto, jamais seria tão divertida como ele foi naquela oportunidade. Se não leu, leia e gargalhe

Para aproveitar as duas indicações, falarei sobre 9 coisas sobre minha maneira de lidar com meus NÃOS da moda. Vou tentar, está bem? Se não gostarem procurem o SAC do Perguntas em Resposta. Lá uma atendente treinada em gerúndios irá transferir sua ligação indefinidamente entre os muitos departamentos enquanto você ouve valsas lindas convertidas em um som eletrônico até que você passe a odiar música clássica e peça, por favor, que eu coloque o Rebolation para escutar... brincadeirinha...

Vamos lá:
1- A primeira coisa sobre mim é que não sou nada ligada em moda. Eu uso o que gosto, e isso não tem tempo definido. Dura o tempo que a peça de roupa durar ou o tempo que durar meu apreço por ela. É, às vezes enjôo de algumas coisas... Seria capaz de usar roupas com tecido de cortina se achasse bonitas e confortáveis. Ou se fossem feitas por uma tia que canta tão bem!

2- Até pouco tempo atrás, quando acontecia uma catástrofe no Brasil, eu fazia uma limpa daquelas no guarda-roupas. A última foi para Santa Catarina. Nesta ocasião, doei coisas que vocês nem podem imaginar, inclusive mochilas e bolsas de viagem. Legal, né? É, o problema é que não posso renovar meu guarda-roupa na mesma intensidade, portanto, na primeira ocasião em que precisei de uma mochila, um boné, uma determinada blusa, casaco... Eles já não me pertenciam mais! Torço para que tenham feito a alegria de algumas pessoas... Agora estou um pouco mais seletiva... 

3- Eu coleciono vestidos.  Ah, nada de mais colecionar vestidos, né? O que tem isso? É que estes vestidos que eu coleciono não são de tecido, na verdade são, eu é que não os tenho no guarda-roupa. Não entendeu nada? Eu explico: Tenho uma mania maluca de colecionar FOTOS de vestidos. Um tempinho livre, uma ocasião especial, whatever, lá vou eu para google imagens com as palavras-chave que me levem aos vestidos desejados. Pode ser por modelo, por ocasião e até por cor, não importa. Vejo um monte, gosto de vários, salvo em pastinhas... Tenho pastinhas nos pendrives e no HD. O estranho disso tudo é que nunca confeccionei nenhum dos modelitos. Ainda não achei a tal da costureira... 

4- Eu jamais usaria calça saruel. Acho que é quase unanimidade isso. O que me deixa cabreira: como pode sobreviver um item que todos dizem que não usariam? 

Foto retirada da internet
 e modificada por mim
5- Tenho pernas grossas (gorda é o... piiiiiiiii) e não é qualquer coisa que me cai bem, então cuido muito desta escolha. Algumas coisas que acho lindo, em mim sei que seria ridículo. Esta moda de short com meia calça, por exemplo... estou fora! E tenho visto cada coisa feia por aí... Acho que cada um deve usar o que gosta, só que as pessoas deveriam conhecer melhor seus biotipos, né? O fato de achar lindo não significa que ficarei linda usando...

6- Unhas verdes ou azuis. Sei lá, acho estranho. Me sentiria marciana ... Ah, nestas horas sou tradicional. Esmaltes vermelhos ou rosas. Aí, todas as possibilidades! Mesmo sendo fã da Fiona, prefiro ser Cinderela!

7- Saia Balofê... ops, Balonê... hehehe Pelo mesmo motivo dos shorts com meia calça. Eu me sentiria uma cúpula de abajour ... Estranho demais... Coisa para pouquíssimas!

8- Qualquer coisa que custe mais que um salário mínimo. E não é por que ganho pouco não (ok, também é). O principal é que acho meio desaforo. Me assusto com os editoriais de moda da Nova ou da Cláudia. Pior ainda na Vogue ou Marie Claire. Quantas de nós, mortais, pode dar 900 moedas numa blusinha que faz par com uma calça de 700, sapato de 1500 e bolsa de mais sei lá quanto... E há ainda os acessórios... Com o valor de uma produção compra-se um carro! Ah, fala sério...

9- Blusa branca com sutiã preto. Tá, podem dizer que é moda. Para mim, o que é feio quando não é moda continua sendo feio quando é. E isso é horrível!!! Tétrico, medonho!!

10- Para finalizar os Nãos da moda vou colar da Eliane: Nada de pele de bichos. E nisso incluo roupas com estampa de bicho. Um detalhe acho lindo! Tenho lenço, bandana, bolsa, sapato... e teria mais coisas se pudesse, agora sair por aí com calça, blusa, vestido, máscara de onça, zebra, girafa, elefanta... estou fora! Pior ainda se forem peles verdadeiras. Acho mórbido!

11- Finalizando coisas sobre mim (já foram mais de 9, né? Olha que texto gigaaaante...). Eu não ligo para como as pessoas se vestem. Acho que cada um expressa sua personalidade à sua moda. E isso deveria ser o significado de "moda". Seu estilo, sua maneira de ser. Sou despojada, simples, bem Tati. Gosto de cores e estampas, não necessariamente juntos. Amo saltos, usando-os com parcimônia. E se pudesse escolher (um dia poderei) só andaria de vestido! Tem uma amiga dos meus pais que me chama de Tati-vestidinho... por que será, né? hehehe O que não significa que abriria mão da deliciosa calça jeans, daquelas com boca mais larga um pouquinho, disfarçando a grossura das pernas. Essas skinning não me agradam nem um pouco. Odiaria ser a mulher-kibe!

Eu não vou oferecer a ninguém não, tudo bem? Quem achar legal e quiser repetir a experiência pode até desmembrá-la: 9 coisas sobre você; 7 nãos da moda. Ou bate no liquidificador  e faz essa vitamina aí! hehe

Beijos a todos,
Tati.

Casas e lares


Incrível que ontem eu escrevia aquele texto sobre meu lar. Sobre tornar a casa de outro, a nossa casa. 
Hoje pela manhã, entrei no Agenda Ilustrada, da querida Macá, com uma postagem com este título: O que é uma casa? Foi instintivo, o primeiro blog que eu queria entrar, queria mesmo ler. Imaginei coisa bem diversa.
E saí de lá aos prantos, rosto melado de tanto chorar, choro com soluços... Que história mais linda!

Então minha postagem de hoje, ou pelo menos, de agora, não é minha. É da Macá. Visitem-na, conheçam, apaixonem-se. E emocionem-se com o texto de seu marido, que ela reproduziu na íntegra e conta a história de todos nós ao contar detalhes que são só deles.

Aos que já passaram por aqui, corrijo, o Júlio é marido da Macá e não cunhado... ops... Corrigido, amiga!

Agora dá licença que vou me recompor. Muita emoção!!

Beijos a todos,
Tati.

sábado, 28 de agosto de 2010

A lógica infantil

Instalação criada para o Pré-II,
com foto de cada aluno! 

Hoje foi a feira de ciências da escola do Bê. Uma festa linda, muito caprichada, como são todas por lá. A gente vê que eles investem em cada detalhe. E sabe de uma novidade? Nada a mais nos é cobrado por isso!! Sim, isto é uma novidade para mim! O stand da turma do Bê era uma instalação, simulando uma caverna da pré-história. O tema era o lixo da pré-história. As paredes da caverna eram forradas com desenhos deles, em papel pardo, o chão, forrado com folhas secas. Lindo demais! Seguem as únicas fotos que conseguimos tirar...

Chegamos na festa às 9h. Vários estandes montados, muitas famílias reunidas. Bê, logo de cara, encontrou o André e o Matheus, dois dos novos amigos. Agora ele está mais enturmado e resolvemos deixá-lo um pouco mais livre, para que pudesse dar intensidade ao relacionamento... hehehe

O lindo desenho do Bê.
Claro que conhecendo nosso anjinho como conhecemos demos espaço, não asas! Ficamos com os 4 olhos ligados nele, numa estratégia friamente calculada de cada pai num canto do salão, cuidando de um ângulo de 90º. Até que ele foi para uma parte mais externa, onde muitas crianças brincavam sob uma grande rampa que leva ao ginásio. É um espaço vazado, tornando-se um túnel tão chamativo quanto perigoso. Detestei a brincadeira, não vi modos de evitá-la. Era o que faziam os coleguinhas da mesma idade. Ai, mãe super protetora, né? E por que não ouvi meu feeling?

Não demorou muito, numa das travessias, Bê calculou mal a saída, levantou antes da hora e deu com a cabeça na quina de concreto do túnel-rampa. Abriu a cabeça. Sangue demais, susto demais, choro demais... Havia uma ambulância do corpo de bombeiros a postos para situações como esta, três bombeiros muito atenciosos prestaram primeiros socorros. A enfermeira localizou um corte e indicou irmos para o pronto-socorro. Óbvio que iríamos mesmo, né? 9h30 da manhã. meia hora após chegar na festa, saíamos correndo, tremendo, enlouquecidos...

Chegamos ao PS, com Bê no meu colo, o sangramento tinha diminuido, ainda assim mãos, rosto, tudo sujo. Entramos direto para a emergência. Coisa boa esse PS infantil na emergência. Nem carteirinha ou nome da criança - ou do PLANO - foram solicitados. Tudo isso foi feito depois. Em primeiro lugar, cuidar do ferimento. Quando Vi entrou, após ter estacionado, Bê já estava sendo atendido, com limpeza iniciada. Tudo muito rápido, primeiro mundo! Pais muito satisfeitos com o atendimento nota 10. Dois pontos na cabeça e um rapazinho muito corajoso depois, solta a pérola:

- Ah, não gostei de entrar direto! Eu queria ficar lá fora esperando... Eu nem vi desenho!

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Aquilo que é o castigo de qualquer pai, ficar na sala de espera séculos, é a melhor parte do atendimento para ele: momento em que assiste desenhos do Cartoon (que não tem aqui em casa) e interage com outros melequentinhos... O que seria do PS infantil sem a troca de bactérias? 

Gente, fiquem tranquilos, passado o pânico, a tremedeira e a sensação de ter tomado uma surra ou corrido uma maratona... agora já está tudo bem. Se não estivesse eu não estaria aqui contando para vocês e rindo, né?

Beijos a todos, ótimo final de semana.
Tati.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Juma Marruá domesticada

Esta é minha participação na blogagem coletiva (ou terapia de grupo?) proposta pela Glorinha do Café com bolo, emoções e sentimentos.

Prato do dia: Raiva

Eu sempre fui a estressadinha, brigona, mal humorada do grupo. Isso desde que me lembro, ou desde que me contam... Ué, não é assim que você me vê? É que eu mudei! Um pouco... hehehe

Quando eu era criança brigava muito, e em geral meus oponentes eram meninos e mais velhos. Por que eu era corajosa mesmo! Me achava com isso... que feio...

Minha irmã era folgada, mexia com os outros, quando eles vinham tomar satisfação eu me colocava na frente e comprava a briga. Dia seguinte minha irmã já brincava novamente com seu desafeto enquanto eu, me tornava sua inimiga mortal, para sempre!

Por ser assim tive alguns apelidos como Mônica (e achei engraçado saber que a Beth chama a Glorinha assim), Juma Marruá (por que virava onça), entre outros. Todos nesta faixa...

As pessoas tinham medo de mim. Até minha mãe dizia isso. Meus berros eram mesmo assustadores! E até despedi uma empregada (aos 8 ou 9 anos de idade), por que favoreceu minha irmã em uma disputa, na qual ela estava errada, mas era fofa, né? Muitas coisas aconteceram ao longo dos anos. A maioria reforçava este meu estereótipo, do qual não gosto nada nada. É ruim ser a chata, zangada da história.

Demorei a entender algumas coisas. Já ouviu uma frase assim:
"O feliz agrada, o infeliz, agride". Conhece? Acho que existe um lado positivo na raiva, quando ela mobiliza a pessoa para mudar uma situação. Eu tenho uma amiga ultraquerida que usa a raiva a seu favor. Eu não sei fazer assim. Eu sou uma escorpiana que, como o animal, me enveneno nestas horas. A raiva, em mim, só faz mal. Sou lutadora, gosto de exigir meus direitos, muitas vezes apelo por exigir minhas vontades. Sou uma criança mimada, sei disso. E quero crescer neste sentido. Quando algo não me agrada, ou quando invadem meu espaço (motivo que mais me enfurece) eu tomo satisfação. E o faço com meus pais e com a corja de Brasília. Não tenho limites para isso. Vou em busca das minhas respostas, dos meus interesses. Que fique claro que respeito o espaço dos outros, e justamente por isso exijo que respeitem o meu. Eu não sou uma pessoa invasiva, folgada. Não costumo ser assim. Na adolescência meu fígado era uma bomba, puro veneno, muita raiva, uma menina com fumacinha sobre a cabeça.

Quando entrei para a faculdade, meus horizontes se alargaram. Lá eu era mesmo muito feliz! E as pessoas gostavam de mim, por que eu era sorridente, amiga, participativa, animada! Ainda não sei explicar muito bem o que faz toda a diferença. A liberdade, talvez. 

E fui mudando. Muita coisa ainda aconteceu neste período. Eu não me tornei um anjo de candura, entendam bem. Fui só melhorando aos poucos. E se tiver que me definir em um dos 7 pecados, infelizmente, o meu é a Ira. Não gosto nada disso, entendam bem. Não sou barraqueira, odeio espetáculos, na rua não me exponho assim, não exponho quem está comigo. É uma coisa mais interna. Só não deixo de exigir o que acho que me é devido. E o faço com, e por, justiça.

Quando me formei a música que minha turma escolheu para mim foi "Rindo à toa" do Fala Mansa. E isso foi surpresa para minha família, que me achava carrancuda.

Muito tempo ainda e muitas tempestades depois eu conheci o Vi. Me apaixonei, fui correspondida. E o Vi é a pessoa mais doce que conheço. Eu ainda era impetuosa demais, mais raivosa do que gostaria de ser, e muito impulsiva nestes meus rompantes.

Uma vez, numa discussão (em que eu discutia sozinha), estávamos sentados à mesa e eu empurrei uma caixa que estava na minha frente. Claro que não era esta minha intenção, mas a caixa encostou no cotovelo do Vi, que estava apoiado à mesa. Foi sem querer, no entanto, doeu.

Se fosse eu, tinha gritado um palavrão bem alto e rancoroso, e brigado mais ainda. Sabe o que ele fez? Gemeu um ai, que foi mais para ele que para mim, colocou a mão no cotovelo magoado e baixou a cabeça. Ele encerrou o ciclo de raiva ali. Eu me senti mal naquele momento, muito mal mesmo, por que não tinha motivo para grandes discussões (não faço mais ideia de qual era o motivo da peleja) e eu magoara o meu amor. Recuei, pedi desculpas. E hoje tomo muito mais cuidado ao agir, não apenas com o Vi, com todos.

Se eu ainda escorrego? Muito mais do que gostaria. Sei, entretanto, que estou melhorando. E isso me consola. O caminho é longo e árduo. Hoje eu sou muito mais feliz, e por isso é mais fácil agradar. Não sou infeliz, só que não sei lidar muito bem com frustrações e contrariedades (não falei que sou mimada?), nestas horas acabo deslizando até o comportamento que conheço melhor. A PNL tem me ajudado também. Existem técnicas que nos ajudam a mudar comportamentos inadequados, que não nos agradam. Ao sentir raiva, posso respirar fundo, pensar em coisas boas, olhar o lado da outra pessoa, entender que não fez por mal, etc. Tem muitas maneiras de mudar um padrão ancorado. Eu me esforço!
Meu professor de PNL, inclusive, dizia uma frase assim: "Sentir raiva é como tomar veneno e querer que o outro morra." E não é mesmo isso? O mais envenenado da história é o raivoso!

Que vocês não me abandonem depois de uma confissão como essa. Assumirmos certos defeitos, aqueles que mais nos machucam, é bem difícil e eu pensei, repensei. Escrevi há dias e venho ajeitando... preocupada de como este texto será recebido. Abrir nossa alma de maneira escancarada é assustador! Que o carinho que tenho recebido por aqui não deixe de acontecer. Olhar uma pessoa além das projeções que fazemos, e enxergá-la como realmente é, pode ser um balde de água fria. Mas esta sou eu!

Uma Juma Marruá domesticada ainda pode virar onça.

Beijos a todos,
Tati.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Era fácil ser Platão com Sócrates como tutor...


Fico me perguntando onde foram parar os grandes tutores. Não estes dos famosos EADs, nem aqueles das monitorias, mas os tutores de vida mesmo. Que acompanhavam os passos de seus discípulos (finge que você não sabe que Sócrates odiava o termo discípulo, tá bem?)

Ontem eu tive uma reunião com aquele que posso chamar de Mestre, com maiúscula. Foi meu professor na graduação e o procuro sempre que o caldo desanda ou que a dúvida aperta. Tivemos uma conversa ótima, agradável, sobre a minha vida. Ele estava ali para isso naquela hora. Ele se dispôs, como um amigo. Amigo profissional, não aquele amigo com quem a gente senta numa mesa de bar, nem daqueles que convidamos para o almoço. Há mais reverência e menos descontração. Nem por isso é menos agradável. Ele me disse que estou no caminho certo. Ouvir isso de alguém que admiramos como profissional e como ser humano é incrível! Muda o dia e o rumo da prosa.

Foi bom, voltei renovada para casa. Ele não me disse claramente qual o próximo passo, fez as perguntas que eu tenho que me responder, sem impor suas vontades e ideias pessoais. Por que o que é bom para o outro pode não ser o melhor para mim, por mais que este outro pense que me conhece. Ofereceu-se para me ajudar a abrir alguns caminhos, iniciar os contatos. O que pode ser a diferença entre um sim e um não.

Saí de lá com algumas diretrizes e bases, com um sorriso leve, de quem aliviou o fardo. Algumas questões desanuviaram. Simples assim. Com ele tratei de uma parte da minha vida profissional. Não entrei em outras questões, não há espaço para tanto. Ele não é meu tutor, é um profissional requisitado, atarefado, bem resolvido, que atendeu uma aluna, sua eterna aluna e aprendiz. 

Gratidão em meu coração, leveza em minha mente. Muitas coisas a resolver, a colocar em prática. Quando eu for a profissional que imagino que serei, quero me lembrar deste dia, destas ocasiões, das palavras do professor Serra-Freire que tão fundo me marcaram, não apenas ontem, nos últimos 14 anos. Quero poder oferecer a oportunidade que ele me deu, de ouvir conselhos exclusivos. De poder dizer a alguém: Você está no caminho certo. Segue em frente! E mudar o astral desta pessoa.

Hoje há tanto a digerir e tanto a aplicar... Que os passos dados me levem ao destino ansiado. 

Beijos a todos,
Tati.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Doce como só boas lembranças podem ser

Olá queridos amigos,

Vou contar uma coisa meio atrasada... mas eu avisei à Mari sobre isso, então, tudo bem, né?
Vocês se lembram que eu ganhei o concurso de melhor frase que a Bonfa e a Mari promoveram? Era um concurso de dia dos pais. A Mari tem um trabalho delicioso, quase a fantástica fábrica de chocolates. Ela produz presentes e lembrancinhas em brigadeiro... Isso mesmo!

Em seu Atelier ela e o marido produzem brigadeiros dos mais diversos sabores, e tudo é feito com muuuuito capricho (e agora já posso dizer, é uma delícia... eu senti o cheiro... kkkkk). Hoje ela e o marido vivem disso e tem muuuuitas encomendas, Graças a Deus e ao talento dos dois.

A Bonfa (Kátia Bonfadini) tem um blog muito interessante, além de contar, de uma forma ótima, as viagens que faz com o marido, a Kátia prepara festas incríveis, cheias de design e criatividade, e posta tudinho. Os temas são ótimos, tudo é motivo: festa de outono, festa chá com amigas, festa de aniversário de casamento.... Uma infinidade de coisas. E também tem as promoções mais divertidas, como quando lançou uma para sabermos quantas vezes a Pretinha - cachorra dos seus pais- buscava uma bolinha. Um barato!

Da parceria entre estas duas mulheres blogueiras surgiu a promoção do dia dos pais. Tinha que fazer uma frase explicando por que meu pai merecia ganhar o presente - LIIIIINDO- que a  Mari iria produzir em seu Atelier. Eu me propus a participar. Foi logo que voltamos da viagem ao Hotel Fazenda, onde, quem está sempre por aqui sabe, meu pai se machucou e segurou a onda para não estragar o final de semana do neto. E eu contei esta historinha. Ok, não foi bem uma frase que eu fiz, mas... você já recebeu um comentário meu? Sabe então que não sei ser resumida, né? Twitter? 140 caracteres? Tô fora!!! kkkk

Então, ganhei. Não só eu, mas 3 participantes ganharam. E a Mari me enviou o presente. Teve ainda a delicadeza de me pedir uma foto, para inserir no porta retrato que fazia parte do prêmio. Óbvio que mandei a foto que ilustrava o texto, né?

E sábado chegou o presente! Na manhã do Grande Encontro. Tem dias que são mesmo ensolarados, né! O Vi foi com o Bê na administração. O Bichinho numa euforia só. Entrou no apartamento agarrado na caixinha. Ele que quis abrir. Eu, mãe maluca que sou, deixei. Com tesourinha e tudo. Tá certo que a tesoura era sem ponta, né? 

 
A Mari colocou tanto amor ali dentro, coisas que só alguém que lida diretamente com chocolate é capaz de fazer (é muita serotonina num corpo só!). Abrimos a embalagem para namorar o brigadeiro. De cara o Bê já devorou o primeiro. Deu uma pazinhazinha para mim e outra para o Vi. O suficiente para muitos Uhmmmms... O resto nós babamos e fotografamos.

Tornei a guardar, tentando refazer o embrulho, para entregar ao meu pai no domingo. E foi o Bê que entregou! Ele disse que não é brigadeiro, é doce de leite de brigadeiro (??? Coisas do Bê!!). Acho que por que não é enroladinho... 

Meus pais amaram, acabou que o presente é dos dois, né? O porta retrato já está na sala da minha mãe. É lindo, de muito bom gosto. E combinou com a foto, com o fundo da foto. Mas quando entregava o Bê fez questão de dizer: o doce é meu, hein!
 

O segundo brigadeiro, adivinha quem comeu? Claaaaro, foi a sobremesa do Bê. Que dispensou sorvete e morango, duas coisas que ele ama. Só não ama mais que doce de leite de brigadeiro... eheh

Queria agradecer muito à Mari e à Kátia por esta oportunidade de presentear dois dos meus amores assim. Por este prêmio derivar de uma frase que escrevi e emocionou, me dá confiança para seguir no concurso BlogBooks, e também a deixa para pedir: votem mais um pouquinho? Não há limites, posso dizer que chegamos a dar 20 votos num só fôlego. 

Obrigada aos amigos que não apenas estão votando como divulgando, isso não tem preço! Me fazem muuuuito feliz.

Um grande beijo a todos,
Tati.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

A música do Manoel

Olá amigos queridos,
Hoje mais uma do Bê. Esta, confesso, me tirou o fôlego de tantas gargalhadas!!! Foi difícil retomar... kkkk

Domingo de tarde, fazíamos trabalhinho da escola e o Bê começou a cantar: "Manuel.... Ma-nuEL...

Eu, toda prosa, pensei: "Nossa! Meu filho cantando Ed Motta, que avanço, depois de um período rebolation... Quer dizer que há salvação para seus ouvidos! Que bom! (tudo pensamento, ok?)
Então resolvi cantar, para ajudar a desenvolver a letra:

"ManuEL, foi pro céu...
Manue-el foi pro céu"

(ok, não é uma letra assim... mas melhor que rebolation, certo?)

Fui terminantemente interrompida por um brado:

- Mãããe, não é esta música. É a ooutra música do Manuel...

Eu, com cara muito surpresa:

- Ah, é? Ué... Não conheço outra música do Manuel...

E o Bê, do alto de todo seu conhecimento musical, me olha de cima e diz:

- Aquela assim, ó:
Manue-el,  tênis pé, Manue-el..." E finaliza com o slogan: - "Anda sempre com você!" (propaganda do Tênis Pé BARUEL!!!

E como diria o próprio: É para rir de rir (morrer de rir!).

Resolvi deixar para vocês a escolha de qual Manoel assistir. E para amigos como a Tati, que não conhecem nenhum dos dois, seguem as "explicações" hehehe





Beijos a todos,
Tati.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

http://universomutum.blogspot.com/

Fala para mim, não tem horas que dá vontade? Mas, amigos (e FAMÍLIA!), fiquem tranquilos que é só um grito de ansiedade. Nada que eu planeje concretizar. Os estudos vão fortes e agora já estou até voltando a me sentir entusiasmada. Mas que dá medo, ah isso dá...

Obrigada por todo o carinho e pelos votos dos amigos. Hoje (mais uma vez) me emocionei por aqui, com a solidariedade e o abraço desta rede de amigos.

Quero as flores no vaso, como disse a Josi, mas quero isso de barriga cheia! E meu feijão tem sonho, pode acreditar, mas fala sério, a pessoa espera ANOS por um concurso, meses e meses pela liberação do edital, certeza de que suas esperanças estão ali e então... UMA vaga!!! Ah, é de querer fugir, né não?!

Acho que amanhã estarei menstruada e tudo se resolve, num passe de mágica. Quem disse que eu não era dominada por hormônios? Eu nunca neguei isso...

Beijos a todos e, por favor, não parem de votar!!

Beijos a todos,
Tati.

Para que lado eu vou?







Hoje minha vida me lembrou este livro...


Feijão e o Sonho é um romance do escritor brasileiro Origenes Lessa. Conta a história de Campos Lara, um poeta pobre e sonhador (como todo poeta). Ele não é nada prático, o que traz muito sofrimento à sua esposa, Maria Rosa, que precisa trabalhar muito para lidar com as despesas da casa. No final do livro o casal sonha com o futuro de seu filho. A mãe deseja para o filho uma profissão estável: engenheiro, advogado. O filho parece com o pai, quer ser poeta! "E isso o enche de orgulho, esquecendo todo o drama e o sofrimento que palmilhou durante toda uma existência, exatamente por dedicar-se à poesia, uma atividade sem qualquer compensação financeira, num país de analfabetos."  (Wikipedia).

Por que falo nisso agora? Eu vivo este momento liiiiindo. E nesta fase estou numa bifurcação. Há um caminho com campos de feijão, para serem cultivados, colhidos e servidos no prato, e há um caminho repleto de flores para serem admiradas. Eu prefiro o caminho das flores, só que chegará a hora do jantar, e flores, à exceção das capuchinhas, não se comem. E mesmo estas, não enchem barriga... 



Eu posso vender flores, e com isso comprar feijão. E foi sobre isso que a Meru Sami falou na sua postagem de Auto estima, ela hoje vende flores!

Pais não gostam desta vida insegura. Pais gostam de filhos com estabilidade financeira. Por que assim, podem descansar em paz. Foi desta forma, que recebi este e-mail:

Tati

(...)

Estude e se dedique pois seu futuro está aqui.
Ser escritor, no Brasil, é passa-tempo, é hobby.
O único escritor que se mantém com os direitos autorais é o Paulo Coelho, mais ninguém. E, olha que temos bons escritores que vendem bem.
Corra atrás do sonho mas viva com os pés no chão. Sem dinheiro para comprar o feijão, teu filho fica com fome. Esta é a realidade. Não abandone o sonho mas, esteja atenta aos chamados da vida adulta, viver de sonho é bonito quando se tem lastro para sustentar.
Ser pai, às vezes, é chato mas necessário.
Forte abraço.
Estude para o concurso, Deus te favoreceu com esta brilhante cabecinha, vez por outra complicada... rsrsrs
Que o Grande Arquiteto do Universo te ilumine e guarde.
Pereira:.

Este é o meu pai. Um pai sempre presente e que estabeleceu cotas de votos por dia. Está se dedicando, por que sabe que isso me fará feliz. Também teme por meu futuro, por que no nosso país, ganha dinheiro o jogador de futebol, a mulher-qualquer-fruta, que mostra tudo, não esconde nada, só o cérebro, o político corrupto (pleonasmo?), e os funcionários públicos. E de carona com estes últimos, os cursinhos preparatórios para concursos!

Eu quero outro caminho, eu não nego que tenho um pouco de medo dele. Fugi dele a vida inteira, por medo de não ter feijão na mesa. Li este livro adolescente, acho que de propósito nos dão. Para desencorajar mesmo... Ou será que não? Por que Campos Lara pode ter passado por todo aquele sofrimento, ou ter incutido tanto sofrimento à família, que não foi tanto assim, mas seu filho escolhe o mesmo caminho! Se melhor era ser como a mãe, por que o filho não decidiu ser operário?

Eu nem sei bem o que estou escrevendo hoje aqui. Eu sei que meu pai está certo, e o diz por amor, também sei que lutar por nossos sonhos é preciso. E que chegou a um ponto que está difícil conciliar, não apenas o tempo, mas minha condição. Quando estou escrevendo, sonhando, meu lado pé no chão tira férias, e vice versa

Outro dia, assim que saiu o edital, o Vi sentou comigo na cama e me perguntou: "É isso mesmo que você quer? Por que eu vejo outro caminho para você. Te vejo mais feliz escrevendo." E eu o amei ainda mais neste dia. E tive certeza que tenho um marido que me ama não pela aparência, pelo vestido ou pelos sapatos trocados, mas por quem eu sou em essência. Ele me enxerga! O Vi também está certo. Eu sou muuuuito mais feliz escrevendo. É algo que faço sem esforço, sem dor, sem pesar, o dia inteiro, a vida inteira. 

E aí me lembro de uma frase atribuída a Buda: "Sua tarefa é descobrir o seu trabalho e, então, com todo o coração, dedicar-se a ele."

Agora eu pergunto: Qual o meu trabalho? Que caminho eu sigo? Queria que alguns escritores, que vivem disso, passassem por aqui e me dissessem: fica tranquila, é possível viver de livro no Brasil. Eu não sei se eles existem. Se existem, não frequentam meu blog. Frequentam? Então esta pergunta é retórica, não terei respostas externas. As respostas precisam vir de dentro.

Quer saber o que descobri sobre mim? Eu quero viver de escrever! Eu tenho filho para sustentar. Eu preciso de flores, para me sentir feliz. Eu preciso de feijão, para alimentar minha família. Eu não sei que caminho seguir... O que eu quero ou o que eu devo? Por que sempre optamos pelo que devemos e não pelo que queremos? Em que momento estes caminhos se juntam? É possível não nos frustrarmos sendo só responsáveis e não sonhadores? Então por que sou assim, tão sonhadora? Para que servem tantos devaneios e ideias se não posso segui-los a ponto de me sentir plena?

Neste momento, com aval do marido, tendo muito em direção ao sonho, e voto, voto, voto. Meu pai me chama à realidade... Vou ver, buscar uma forma de conciliá-los. HELP-MEEEE!!! 

Sinto que hoje o dia será duro. Lá estão as Tatis em intenso conflito... Não falei que era assim?

Publico este texto temerosa. É mais forte do que eu, neste momento. Não sei como será interpretado...

Beijos a todos,
Tati.

domingo, 22 de agosto de 2010

O que as crianças aprendem com a TV...

Bê: - Mãe, quando eu tiver 9 anos você me dá um PSP? (play station portátil)
Eu (crente que posso educar): - Filho, para ganhar seu PSP precisamos poupar. Você tem que guardar as moedinhas no seu cofrinho... 

Blá, blá, blá de mãe que ainda não aprendeu a lição que tenta ensinar (por que não disse a ele pague parcelado em 240 meses no seu carnê/cartão/etc... que é como ainda faço?). Enquanto acho que ensino, também acho que aprendo ... relevem!

Mas a surpresa mesmo veio da resposta do Bê:

-Ah, mãe. Eu prefiro ganhar na roleta... -referindo-se aos programas de desenhos do SBT - 4002-8922, a dança do japonês que vai dar play station 3... - e fez a dancinha, com uma careta impagável!

Eu mereço... 

Agora, será que precisamos de censura (ou recomendação de idade) para programas infantis? Logo eu, que não gosto nem de bingo... kkkkkkk

Claro que a gente não telefona para o programa. Mas dê eu um mole daqui há pouco tempo para ver... Afinal, ele já sabe discar números (não tem mais disco, né?) e sabe de cor o número, com a dancinha do japa-aliciador de menores... deixa só ele ligar nome à pessoa... hehehe

Colégio interno? kkkkkkkk

Beijos a todos,
Tati.


A Desvirtualização Carioca

Enfim nosso grande encontro aconteceu!

Primeiro foi uma ideia lançada, de forma despretensiosa. Na sequencia eu, Isa e She nos unimos para organizar e tornar real aquilo que já desejávamos há tempos. Foi um fase ótima, a dos preparativos. Definir como contactar os amigos, quais seriam as regras (e se teriam regras), a escolha dos lugares possíveis...

Quando a Isa me ligou a primeira vez fiquei tão emocionada! Ouvir sua voz, materializá-la! E ela ligou só para isso mesmo. Disse que queria conhecer minha voz! heheh E rimos juntas, já nos sentindo tão próximas.

Então foi a vez da She. Eu estava na casa da minha mãe, e aquele momento foi grande também. Conversamos e rimos. Coisa boa saber que amigos estão aí, para serem feitos, basta nos aproximarmos, de braços abertos.

Uma fase de muita troca de e-mails, de papinhos pelo gtalk, de risadas, e da She rindo de mim. Ela acha graça até das minhas bobeiras mais sem graça! eheheh

Por estas coincidências da vida ela ganhou minha promoção. Marcamos um encontro no Centro, para definir o local e aproveitar para entregar o presente. A Isa não podia ir... Uma pena... Ainda assim o almoço foi ótimo, divertidíssimo. E foi neste dia que conhecemos o Bistrô do Paço, dentro do Paço Imperial. Dona Lúcia, sua proprietária, é um doce de pessoa, muito solícita, e a comida é uma delícia. O ambiente é agradável e descontraído. E representa bem o Rio, por estar dentro de um ponto  histórico e turistico. Perfeito! Era tudo que queríamos. 

Para oferecer um carinho em forma de mimo/ presente, aos amigos presentes, Isa investiu nas lindas violetas, que enfeitaram uma mesa ao lado da nossa. E eu, que ando me sentindo crafter prá caramba, inventei um canudinho, que a Glorinha apelidou de diploma de blogueira! hahaha.  A She ficou com a parte mais difícil, montou e administrou planilha, contactou os blogueiros interessados em participar, insistiu nas confirmações... Reservou nossas mesas... Chegou muuuuito mais cedo, ontem, para que tudo estivesse em ordem para o grande evento.
 
O dia demorou a chegar, mas chegou. Foi maravilhoso! A ansiedade era tanta... Sempre dá um friozinho na barriga. E se não gostarem de mim? E se ficarem decepcionados? Ah, sei lá, né? E se o papo não fluir?

Que nada! Foi um sucesso! Nos encontrávamos e vibrávamos. Cada um que chegava era uma festa.
Fotos da Beth
O papo rolou solto, as gargalhadas também. E as fotos estavam em todos os momentos. Coitado do Alexandre, nosso garçon, com máquinas penduradas pelos braços e um monte de mulher falando, rindo, mudando de posição... Uma farra!!
  

Não éramos muitos, só que a algazarra era tanta que até parecia. Talvez por que cada um de nós tenha levado consigo parte dos seus amigos e seguidores. Por que ali não era apenas a Isa, a She, a Tati, a Glorinha, a Beth, a Chris, a Cíntia e o Lis. Eram o Cantinho She, o Tantos Caminhos, o Café com bolo, o Mãe Gaia, o Inventando com a mamãe, o Meu Cantinho, o Metamorfose Blogguistica e o Perguntas em Resposta. Cada um com sua história. Muitas histórias, diga-se de passagem!
 

Sentimos falta de alguns amigos que não puderam estar presentes. Não percebemos o tempo passar. Foi uma tarde mágica e divertida. Nos despedimos com a promessa de novos encontros. O tempo passa rápido demais. Quando vimos era hora de partir...

E a exclamação da She disse tudo: "Levamos tanto tempo preparando... e acabou!"

Amiga, não acabou não. Este foi só o primeiro capítulo!

Daí chego em casa, precisando acompanhar a votação. Entro no e-mail e alguns comentários lindos. Entro no blog e encontro 2 surpresas, da Fefa e da Tati. Eu nem sei explicar... Nem sei se agradeci direito à Tati e à Fefa... Eu estou perdida no meio de tantas manifestações de carinho. É bom demais sentir-se especial! Vocês tem feito isso por mim.

E já que estamos neste clima todo... vota mais uma vez? hehehe Obrigadaaaaaaaaaaaaaaaa

Beijos a todos,
Tati.

sábado, 21 de agosto de 2010

A véspera do Natal da minha vida


Ontem, em meio às visitas aos blogs amigos, li o texto da Meru Sâmi. Ele juntou-se ao mundo de informações que me atingem neste momento. Ótimas informações, diga-se de passagem.

Nesta fase está difícil me concentrar em outra coisa. A votação vai alta. Eu, online, votando, votando, votando. Recebia comentários dos amigos dizendo: Votei! Ía lá e lá estava(m) o(s) voto(s) dos amigos. Meu coração já não cabia em mim.

A Regina Coeli fez um texto lindo. Mais uma vez chorei. Esta semana foi repleta de choro, choro de alegria. De criança em véspera de Natal, vendo um lindo e grande pacote com seu nome, um laço de fita vermelho, caprichado... É esta a sensação... 

O texto da Meru Sami dizia assim: 

"A melhor forma de você saber se uma coisa é boa e certa, é você refletir se nela está todo o seu amor e, veja se ela preenche o seu coração a ponto de você não querer mais nada. Se assim for, essa coisa é boa e certa.
Quando você escolhe fazer aquilo que lhe preenche de tal forma, você se sente segura e sua auto-estima cresce. Você é feliz."
( Pai Tomé - da Meru Sâmi

Isso para ela contar o momento em que abriu mão de seu trabalho regular, estável, para seguir seu sonho, por uma mensagem recebida de seu sábio Pai Preto Velho. 


Esta semana meu sonho se desdobrou como nunca. A caixa já está sob a árvore, e tem meu nome na etiqueta... 

Não sei em que momento me perdi da minha verdadeira vocação, em que momento de minha vida passei a acreditar que era somente um hobby, um lazerEscrever é minha forma de interagir com o mundo, não sei quem eu seria sem palavras e letras. Por que não escolhi isso na hora de optar por uma profissão? Não sei, tenho outros talentos também que, de alguma forma, prevaleceram naquele momento. Ainda está em tempo de mudar o rumo da minha vida. E me realizar.

Lembro de algum tempo atrás, eu sempre cansada. Trabalhando 6-8 horas no computador e dizendo, estou tão cansada... E o Vi falando: "Não te entendo. Quando estou trabalhando eu nem sinto o tempo passar. Eu não fico assim, cansado como você. Para você, algumas horas de trabalho são tão desgastantes... Você precisa ir ao médico, tomar umas vitaminas..."

Hoje eu sei, o Vi teve a sorte de encontrar o que gosta. Um anjo-amigo um dia deu o chacoalhão, falou: "Cara, você faz todos esses cursos, vive grudado num computador... O que está fazendo aqui? Você tem que trabalhar com isso". Ele se deu conta, correu atrás e faz o que gosta. Acorda às 3h da manhã, quando tem um projeto extra, para não se atrasar para o trabalho. Faz uma viagem de duas horas para ir, mais duas para voltar. Está cansado, mas ama o que faz. E faz bem!

Eu amo escrever. Eu passo um dia inteiro em meio a palavras, entre ler e escrever, e não me canso. Este é meu lazer favorito. É também minha válvula de escape. É o talento que as pessoas descobrem em mim assim que me conhecem. Sou a escritora de cartas e cartões oficial da família. Tem um evento? Tati, escreve para mim? E eu escrevo, as pessoas se encantam. Sempre se encantaram... Como não vi antes que este era meu caminho? Que isso podia ser profissão?

Agora a chance está muito perto. Preciso de votos, muitos votos. Não tenho mais vergonha de pedir, por que pode mudar o rumo da minha história. Meus pedidos podem estar sendo atendidos neste momento. E eu preciso de você, preciso sim!

Obrigada Denise, Macá, IsaLúcia, Tati, Fefa e todos os amigos que passaram por aqui, deixaram recados de estímulo, votaram, colocaram recadinhos em seus computadores para não esquecer de votar todo dia (né, Eliane?)... Vocês não existem, e me fazem muito feliz.

Meus pais estabeleceram metas diárias de votos. Ontem, antes de dormir, via o velocímetro marcando mais e mais votos... Que bálsamo, que alegria me invadiu. Sei que concorro com blogs maiores, mais visitados e mais antigos do que o meu. Vejo também uma movimentação, um cuidado comigo que me comove. 

Então é isso, peço mais uma vez que votem. Espero não me tornar chata ao pedi-lo, entendam a ansiedade de uma crianças vendo brigadeiros ao alcance das mãos. Se puderem, divulguem aos amigos, levem o selo, enfim... o carinho que acharem que dá, já é uma ajuda que se soma...

Um grande beijo a todos,
Ótimo final de semana e...

QUE NOSSOS SONHOS SE REALIZEM! 

Tati.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

O amor por quem eu sou

Este texto é parte da Blogagem Coletiva proposta pela Glorinha, do Café com Bolo
Prato do dia: Auto-estima/ Amor próprio

Quem sou eu?

Lembro da primeira vez que me deparei com esta pergunta, assim, à queima roupa, quando me inscrevi no orkut. Como assim? É possível responder "quem se é?"

Eu estava grávida, numa fase em que tudo são incertezas. Hoje entendo quando amigas grávidas ou recém mães definem-se como "a mãe do fulano". Chega uma hora que não sabemos mais mesmo... Tudo é tão diferente. Sonhos mudam, ideias então, nem se fala. As prioridades são outras... É um novo eu emergindo, menos eu do que o anterior, por que o outro ser torna-se maior que o EU.

Via meus amigos entrando no orkut, definindo todos aqueles campos, com suas preferências de filme, comida, atividades, paixões... O que gosta nisso e naquilo? E pior, as comunidades. Pessoas cheias de preferências, de comunidades do tipo amo, adoro, odeio, faço... E eu? Quem era eu naquele momento? 

Entendam a fase: Eu era uma veterinária em crise profissional, que tinha acabado de pedir demissão e fui fazer curso de editoração eletrônica. Estagiava numa produtora de vídeo, onde meu chefe me colocou no atendimento... e grávida! 

E esta não foi minha primeira grande crise não. Nesta eu já estava escolada. A primeira foi na época em que eu me formava. Já se vão mais de 10 anos... Até aquele momento eu era cheia de mim, cheia de certezas e convicções. Se me perguntassem quem eu era eu diria: Uma veterinária muito bonita, com muitos amigos, um futuro profissional brilhante pela frente e um namorado que me amava muito. Tudo muito, tudo ótimo, tudo estável e agradável. Vida fácil e boa. Ainda nem tinha me formado e o dono da empresa onde eu estagiava me ofereceu emprego. Eu pedi que ele aguardasse dois meses, o que faltava para eu me formar, e então assumiria o cargo. Estava radiante, achando que eu já colheria TUDO o que tinha semeado... Eu não sabia nada sobre semeadura... hehehe

Então de repente, o namoro acabou e meu ex começou a namorar outra na própria faculdade (acho que mesmo antes da gente terminar); a proposta de emprego desapareceu, por que formada eu ganharia mais do que como estagiária. Nesta crise toda eu tive um distúrbio hormonal e fiquei gordinha e cheia de espinhas. As espinhas que não tive na adolescência, chegaram aos 25 anos. 

Eu não suportava me olhar no espelho. Minhas roupas não cabiam em mim. Meu pai me cobrava emprego, já que tinha me formado. Minhas amigas, a maior parte delas ainda não tinha se formado, saíam e eu não podia mais acompanhar. Algumas vezes elas decidiam me bancar, para que eu pudesse ir. Hoje consigo me sentir querida pelo gesto, na época, sentia-me péssima, eu não tinha como retribuir na outra semana ou no outro mês... 

Acabei optando por ficar em casa. Os primeiros finais de semana foram péssimos. Eu estava impedida de sair. Aos poucos fui aprendendo a aproveitar minha companhia. Ficava no meu quarto, ouvia música, lia e escrevia. Descobri novas faces em mim, e gostei! 

Gostei da minha escrita, das minhas reflexões. Nesta fase busquei o Centro Espírita, onde conheci o Vi. Me amei naquele trabalho, fiz novos amigos, que me achavam doce, suave. E amei esta nova Tati. Ainda gordinha, ainda com espinhas... Fui me tratando.

Trabalhei com coisas que não gostava muito. Até vendedora de produtos veterinários eu fui, representando laboratórios. Nesta função descobri outras coisas boas em mim, outras características desconhecidas. E também muitos dos meus defeitos apareceram, fui aprendendo a lidar com eles...

Fui percebendo que quanto mais faces e talentos descobrimos que temos, melhor lidamos com as fases de transição, de mudança. Por que há em que se identificar. Quando somos rígidos demais, focados demais, do tipo: "Sou uma pessoa que..." a chance de frustração, de deprimir, de arriar, são maiores. A vida não é estável, é mudança. E temos que ser cíclicos e mutáveis.


Demorei a chegar nesta definição:




Esta foto faz parte de um presente
que o Vi fez para mim. E amo!
 "Venho tentando responder esta pergunta há muito tempo. Às vezes sou calma e tranquila, muitas vezes uma tempestade! Sou alegre e animada, em certos momentos tensa, ansiosa, deprimida... busco respostas às minhas questões, e nisso sou incansável. A cada dia uma nova Tati emerge em mim, e quanto mais Tatis eu me torno, mais eu gosto de ser quem sou!"

E quando descobrimos, e aceitamos nossas novas faces, fica mais fácil se amar. Com qualidades e defeitos. Como posso ter certeza? Não posso. Sei que nesta nova guinada, a transição está sendo menos sofrida. É só a experiência de uma menina, que sonha e busca se conhecer.


Ainda quero chegar ao proposto por Renato Russo: "provar para todo mundo, que eu não precisava provar nada para ninguém". Estou bem longe ainda. Desde que soube que este era o tema da blogagem desta semana, não parei de cantar esta música. A letra fala muito sobre auto-estima e amor próprio. Quer ver? Por que a auto estima e o amor próprio passam, invariavelmente, pelo auto conhecimento (pelo menos para mim!)



Beijos a todos,
Tati.