Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Para que lado eu vou?







Hoje minha vida me lembrou este livro...


Feijão e o Sonho é um romance do escritor brasileiro Origenes Lessa. Conta a história de Campos Lara, um poeta pobre e sonhador (como todo poeta). Ele não é nada prático, o que traz muito sofrimento à sua esposa, Maria Rosa, que precisa trabalhar muito para lidar com as despesas da casa. No final do livro o casal sonha com o futuro de seu filho. A mãe deseja para o filho uma profissão estável: engenheiro, advogado. O filho parece com o pai, quer ser poeta! "E isso o enche de orgulho, esquecendo todo o drama e o sofrimento que palmilhou durante toda uma existência, exatamente por dedicar-se à poesia, uma atividade sem qualquer compensação financeira, num país de analfabetos."  (Wikipedia).

Por que falo nisso agora? Eu vivo este momento liiiiindo. E nesta fase estou numa bifurcação. Há um caminho com campos de feijão, para serem cultivados, colhidos e servidos no prato, e há um caminho repleto de flores para serem admiradas. Eu prefiro o caminho das flores, só que chegará a hora do jantar, e flores, à exceção das capuchinhas, não se comem. E mesmo estas, não enchem barriga... 



Eu posso vender flores, e com isso comprar feijão. E foi sobre isso que a Meru Sami falou na sua postagem de Auto estima, ela hoje vende flores!

Pais não gostam desta vida insegura. Pais gostam de filhos com estabilidade financeira. Por que assim, podem descansar em paz. Foi desta forma, que recebi este e-mail:

Tati

(...)

Estude e se dedique pois seu futuro está aqui.
Ser escritor, no Brasil, é passa-tempo, é hobby.
O único escritor que se mantém com os direitos autorais é o Paulo Coelho, mais ninguém. E, olha que temos bons escritores que vendem bem.
Corra atrás do sonho mas viva com os pés no chão. Sem dinheiro para comprar o feijão, teu filho fica com fome. Esta é a realidade. Não abandone o sonho mas, esteja atenta aos chamados da vida adulta, viver de sonho é bonito quando se tem lastro para sustentar.
Ser pai, às vezes, é chato mas necessário.
Forte abraço.
Estude para o concurso, Deus te favoreceu com esta brilhante cabecinha, vez por outra complicada... rsrsrs
Que o Grande Arquiteto do Universo te ilumine e guarde.
Pereira:.

Este é o meu pai. Um pai sempre presente e que estabeleceu cotas de votos por dia. Está se dedicando, por que sabe que isso me fará feliz. Também teme por meu futuro, por que no nosso país, ganha dinheiro o jogador de futebol, a mulher-qualquer-fruta, que mostra tudo, não esconde nada, só o cérebro, o político corrupto (pleonasmo?), e os funcionários públicos. E de carona com estes últimos, os cursinhos preparatórios para concursos!

Eu quero outro caminho, eu não nego que tenho um pouco de medo dele. Fugi dele a vida inteira, por medo de não ter feijão na mesa. Li este livro adolescente, acho que de propósito nos dão. Para desencorajar mesmo... Ou será que não? Por que Campos Lara pode ter passado por todo aquele sofrimento, ou ter incutido tanto sofrimento à família, que não foi tanto assim, mas seu filho escolhe o mesmo caminho! Se melhor era ser como a mãe, por que o filho não decidiu ser operário?

Eu nem sei bem o que estou escrevendo hoje aqui. Eu sei que meu pai está certo, e o diz por amor, também sei que lutar por nossos sonhos é preciso. E que chegou a um ponto que está difícil conciliar, não apenas o tempo, mas minha condição. Quando estou escrevendo, sonhando, meu lado pé no chão tira férias, e vice versa

Outro dia, assim que saiu o edital, o Vi sentou comigo na cama e me perguntou: "É isso mesmo que você quer? Por que eu vejo outro caminho para você. Te vejo mais feliz escrevendo." E eu o amei ainda mais neste dia. E tive certeza que tenho um marido que me ama não pela aparência, pelo vestido ou pelos sapatos trocados, mas por quem eu sou em essência. Ele me enxerga! O Vi também está certo. Eu sou muuuuito mais feliz escrevendo. É algo que faço sem esforço, sem dor, sem pesar, o dia inteiro, a vida inteira. 

E aí me lembro de uma frase atribuída a Buda: "Sua tarefa é descobrir o seu trabalho e, então, com todo o coração, dedicar-se a ele."

Agora eu pergunto: Qual o meu trabalho? Que caminho eu sigo? Queria que alguns escritores, que vivem disso, passassem por aqui e me dissessem: fica tranquila, é possível viver de livro no Brasil. Eu não sei se eles existem. Se existem, não frequentam meu blog. Frequentam? Então esta pergunta é retórica, não terei respostas externas. As respostas precisam vir de dentro.

Quer saber o que descobri sobre mim? Eu quero viver de escrever! Eu tenho filho para sustentar. Eu preciso de flores, para me sentir feliz. Eu preciso de feijão, para alimentar minha família. Eu não sei que caminho seguir... O que eu quero ou o que eu devo? Por que sempre optamos pelo que devemos e não pelo que queremos? Em que momento estes caminhos se juntam? É possível não nos frustrarmos sendo só responsáveis e não sonhadores? Então por que sou assim, tão sonhadora? Para que servem tantos devaneios e ideias se não posso segui-los a ponto de me sentir plena?

Neste momento, com aval do marido, tendo muito em direção ao sonho, e voto, voto, voto. Meu pai me chama à realidade... Vou ver, buscar uma forma de conciliá-los. HELP-MEEEE!!! 

Sinto que hoje o dia será duro. Lá estão as Tatis em intenso conflito... Não falei que era assim?

Publico este texto temerosa. É mais forte do que eu, neste momento. Não sei como será interpretado...

Beijos a todos,
Tati.

28 comentários:

Cris França disse...

Tati

bom deixa eu dizer em que acredito, faça o que for fazer, faça bem feito o melhor que puder, com o máximo de você o dinheiro será então a consequência do trabalho e não o seu objetivo.
boa sorte nas tuas reflexões. bj grande

Fala Mãe! disse...

Tati querida! Sabe que eu também sempre tive uma escritora dentro de mim e sempre tive medo de expor esse lado. Guardo comigo contos e livrinhos que nunca mandei pra ninguém e apenas alguns amigos leram. Tenho medo porque no Brasil parece é mais fácil um escritor vim de outra área, tipo da pesquisa para conseguir um espaço nas prateleiras, e onde estão as novas caras da literatura brasileira? difícil pensar em alguém né? já os estrangeiros... Independente disso, sou uma pessoa a favor de todos os sonhos, por mais difífeis que sejam, só acho que a gente não pode traçar uma linha radical onde a gente acabe perdendo outras oportunidades boas e bacanas porque não são exatamente o que a gente planejou. Li um livro faz um tempinho que talvez seja interessante nessa fase da sua vida, é a história de ljulia child, minha vida na frança (não é o Julie&Julia) Gostei muito do livro. beijo querida e felicidades do seu caminho.

Taia Assunção disse...

Esse é o papel dos pais, nos chamarem a realidade ainda que esta não seja o que desejamos. Só você para decidir junto dos seus. De todo modo jogue sementes de flores em tudo que fores fazer. Dará tudo certo. Beijocas!

japeri disse...

Anja,

Te acompanho e entendo sua angústia. Ela faz parte da vida de quem busca sua essência e quer crescer andando a seu encontro.

Não posso decidir por você mais entendo que a frase de Buda "Sua tarefa é descobrir o seu trabalho e, então, com todo o coração, dedicar-se a ele" me parece adequada e até necessária quando estamos caminhando entre a dúvida e o medo de seguir. Penso que esta frase deve guiar seus passos.

Se você é o sonho, que tenta força para lutar por belo e lindo sonho de liberdade eu, de minha parte, me esforçarei para ser o feijão de melhor qualidade e suprir a você ao Bê e a mim.

Te amo e estou com você seja lá qual for sua decisão.

Beijos e que seja de Paz seus Pensamentos e Sonhos

Mirian disse...

Filha, li o lindo recado de seu pai e me emocionei Esse é o homem que eu amo, que ama a família, que já perseguiu um sonho e no final...Não digo que não se deva correr atrá dos sonhos..." navegar é preciso, viver não é preciso...". Porém, ele está com a razão. Sei que você quer o melhor´para seu filho, e isso tem um custo. Mas uma coisa não invalida a outra. Você não precisa deixar de escrever (e sonhar), para seguir uma carreira iniciada tão brilhantemente, e também tão sonhada! Não abandone um sonho antigo por um novo. Dê um jeito de sonhar junto. Com sua cabecinha privilegiada sei que você pode. Peça a Deus que lhe dê força, e ao Espírito Santo que ilumine seu pensar! Pense no hoje, sem se esquecer do ontem e principalmente do amanhã! Amo você.

Mirian disse...

Desculpe, mas voltei. Não dá prá sossegar esse coração de mãe angustiado. Estou muito preocupada e tensa. Não consigo entender esse conflito. Será que você não está fugindo para o sonho mais uma vez? Não faça isso,filha, olhe a vida de frente e acredite em você. Não é possível que só você não veja o que todos nós vemos. Sua grande inteligência e capacidade. Você acha que passou em primeiro lugar para o mestrado da Fiocruz ( com dois pontos de vantagem para o segundo colocado) por sorte? E concluiu seu mestrado, apesar de todos os obstáculos, por sorte? E o Willian, acreditou tanto em você por ilusão? Você pode e deve tentar. Não é obrigada a conseguir, nçao cobramos de você que vença sempre, mas que nunca deixe de tentar! Coragem! O ombro da mãe está aqui prá amparar você, mas o coração angustiado da mãe pede com carinho: reflita com calma, vença seus medos e vá de peito aberto. Você quer, você pode. Amo muito você!

Marliborges disse...

Tati, amada,
Isso você vai ter que resolver. Peça ajuda ao Espirito Santo, peça clareza e discernimento. E tenha fé. Chegou a hora.
Bjsssssssss

Bordados e Retalhos disse...

Tati, o recado do seu pai é somente uma forma de protegê-la. Mas acho que o fato de vc estar escrevendo aqui todos os sentimentos que estão mexendo com vc já é um bom caminho. Adoreio Feijão e o Sonho. Inclusive na década de 70 adaptaram para uma novela. Os personagens principais eram Nívea Maria e Claudio Cavalcanti. Era eu uma criança nessa época, mas sabe que percebi, que apesar das dificuldades ela era feliz com aquele marido sonhador. Não vai ter jeito, em algum momento terá que fazer escolhas e as consequencias dessas escolhas terá que assumir. Espero que dê tudo certo querida e para mim você já é uma grande escritora. Bjs

Juliette disse...

Oi,

Acho que seus pais tem razao...faca sua carreira e continue, tambem, se dedicando a escrita. Se um dia voce escrever algo muuuito, muuuito bom, com certeza nao faltarao editoras querendo publicar e o sucesso vira...mas pelo sim, pelo nao eu garantiria primeiro um porto seguro.

PS: meu teclado nao tem acentos

Juliette

Flávia Batista disse...

é... enfrentar a realidade não é fácil. Principalmente quando o que a gnt quer, não condiz, ou não é facilmente adaptável, à realidade... mas eu sou o tipo de pessoa que acredito que a gnt deve seguir nossos sonhos e que se formos bons no que fazemos, teremos sucesso. MAs é preciso batalhar para isso...

bjss

VELOSO disse...

Amiga passo por seu drama com quadrinhos que infelismente quase não tem campo de trabalho no Brasil vem tudo pronto enlatado dos EUA isso também no cinema hoje já desencanei e procuro curtir apenas o prazer de desenhar! Mais que o fim do caminho é o próprio caminho! CONTINUE ESCREVENDO POIS ESCREVER É VIVER!
Aproveite o dia!
Em tempo curti todos os livros do Origenes Lessa principalmente os infantis que é como eu gostaria de conseguir me comunicar com as pessoas!

pensandoemfamilia disse...

Oi Tati gostaria de contribuir com suas reflexões, mas estarei falando sob meu ponto vista como mãe, que sou, profissional, pé no chão, mas também sonhadora. Penso que precisamos ter sonhos para que um dia possa virar realidade, mas não temos como ficar flutuando e deixando a vida passar. Há momentos em nossas vidas que temos que ponderar. Vc poderia conciliar os dois lados? Vc pode abrir mão de ganhar dinheiro? São duas perguntas bem objetivas que pode ajudar sua decisão neste momento.
bjs

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Tati, pense comigo.
Vc AINDA (por enquanto, até o momento) não é uma escritora com livros publicados. E está aí, viva e vivendo. Então! Se você se tornar uma escritora, o que vai mudar? Se mudar alguma coisa é pra melhor, já que hoje vc não é ainda uma escritora e vive bem.

Talvez o feijão tenha que ser colhido um pouco mais lentamente que o normal para que as flores possam ser plantadas e germinar. Tente equilibrar na medida do possível o feijão que te alimenta o corpo e o sonho que te alimenta a alma. E que o sonho vire...um grande pé de feijão!

(Deu saudades do livro, li qdo era moleque... )
bjs

Bia Pessoa disse...

Tati..
O importante é ser FELIZ!
Por que teimamos em esquecer disso constantemente??



Grande abraço!

Bia

Beth/Lilás disse...

Tati querida!
Agora entendi porque você pediu para que a poesia de C.Meirelles fosse para você neste dia. Claro, que é, você realmente precisa dela para entender melhor este momento!
Vou lhe contar uma coisa, simplesmente não sei que palpite dar-lhe, pois vivo este mesmo dilema com meu filho que largou a Engenharia agora e voltou para casa, quer correr atrás de seu sonho de produção musical e eu e o pai já falamos tudo isso que os seus lhe falam, mas sinto que só ele poderá resolver este conflito em sua cabeça e o mesmo será com você. São adultos e querem fazer a escolha do que lhes é sinônimo de felicidade e, quem somos nós, nesta altura da vida, para não deixá-los viver esta esperança, este sonho.
O que disse a ele posso dizer para você, ou seja, não dá para conciliar as duas coisas, afinal tanto a música quanto a literatura são duas artes e poderiam ser exercidas com outra profissão, estou errada?!
Bem, que Deus ilumine seu espírito e sua cabeça para esta decisão.
um grande beijo e abraço carioca

Marliborges disse...

Tati, querida, voltei.
É que, não adianta, tenho que dar um conselho de mãe. Paciência.
Eis meu conselho: se você tem dinheiro para se sustentar e financiar o sonho de ser escritora, vá em frente. Mas se você não tem, dê um jeito de conciliar o sonho com o trabalho; se não puder conciliar, trate de ganhar dinheiro primeiro. Com dinheiro na mão você poderá realizar muitos sonhos. Tenho experiência própria. Veja: sou professora e advogada. Numa época de minha vida, precisei fazer escolhas. "Sonhava" ser professora de crianças. (pura fantasia, pois eu queria ganhar dinheiro, viajar, conhecer o mundo e sendo professora seria mais difícil). Então, dei o fora e fui advogar, montei uma sociedade de advogados e estou lá até hoje. Já realizei vários sonhos, graças a Deus, meus e dos meus filhos, passeios, viagens cursos, etc. Coisas que meu marido sozinho teria que trabalhar bem mais para realizar, mas que, juntos conseguimos. E não quero mais ser professora de crianças, estou muito bem assim.Rsrs. Portanto amiga, não perca as oportunidades: cabeça nas estrelas, mas os pés no chão. Amei as palavras do teu pai. Essa é a realidade. Bjsssssss

Isadora disse...

Tati, minha amiga, antes de tudo não pude deixar de rir com os sapatos trocados!
Difícil, amiga, pois é a sua vida e também a vida daqueles que estão do seu lado.
Acho que isso deve ser muito conversado entre vocês, afim de pesarem prós e contras e verem juntos qual o caminho pode ser seguido nesse momento.
Nem sempre o que é bom pra gente é bom para nossa família ou o contrário, mas muitas vezes as pessoas estão disposta a sacrifício, em nosso favor.
Converserm e ponderem muito. Afinal se você for atrás do sonho e não for bem isso sempre se pode voltar. E se for do jeito imaginado é só seguir.
Um beijinho e que aconteça o que for melhor para você

Françoise disse...

Tati,

Li o texto, os comentários de seus familiares e fiquei emocionada. Não quero agora dar nenhum palpite, emano todos os meus bons pensamentos a você para que encontre o melhor caminho,
Com minha admiração,


* Já votei hoje cedo tá, vou lá de novo.
Bjos
Fran

josi stanger disse...

Tati... perguntas difíceis, respostas incertas...
Eu desejo de coração que vc escolha a realização como pessoa... o feijão nunca faltará na mesa, e as flores no vaso muito menos. Seja qual vor a escolha lá no futuro você poderá olhar pra tras e ver quem nem sempre encheu a barriga, mas sempre teve um vaso florido sobre a mesa. E teu filho será feliz pelo simples motivo de ter visto a tua alegria... Eu falo um pouco por mim... pois desisti de ter uma certa segurança profissional pra ficar com as crianças, vendo o quando o meu marido trabalha eu me angustio mas sei que não há outra solução por enquanto e acho que nem me enquadraria mais... e também, ... acho que não quero... faço meus freelas e assim ajudo ele, administrando a casa da melhor forma possível... Boa sorte na sua decisão... Tati que Espírito Santo te ilumine.
um beijinho
josi

Yoyo Pizy disse...

Amada amiga,
Imagino o dilema que você está vivendo e adoraria poder ajudá-la, mas infelizmente, tudo que podemos arriscar é um palpite aqui, outro ali e no fim será você mesma quem terá que decidir.

Já fui uma pessoa muito impulsiva, corri atrás de muitos sonhos e me desiludi bastante.Deixei de sonhar, correr atrás dos meus objetivos? Claro que não! Sou apenas mais cautelosa, hoje em dia, vou com menos sede ao pote, consciente de que algo pode sair diferente do esperado.
Acho que escrever é totalmente viável, mas acho que enquanto você não for uma escritora bem remunerada e reconhecida (eu já te reconheço) poderá conciliar o trabalho com a escrita. A não ser,claro, que você tenha condições financeiras para jogar o resto para o alto e se dedicar somente aos livros.

Desculpe se não era exatamnte isso que você esperava ouvir, ou melhor, ler.É que sou mãe e entendo bem o seu pai, a preocupação dele.

Quando minha filha mais velha estva prestes prestar o vestibular para a FUVEST, ela teve uma "crise" e anunciou que NÃO faria Engenharia, como havia decidido e como todos nós esperávamos...Disse-nos que faria Filosofia, que ela amava de paixão. Coube a mim e ao meu marido, a dolorosa tarefa de conversarmos longamente com ela, para ter certeza se era isso mesmo que ela queria, se estava consciente que não conseguiria bancar os seus sonhos, entre eles o sonho de conhecer o mundo, com um salário de professora de filosofia(o que mais faz um filósofo nesse país??) além do mais, ela não odiava a Engenharia, etc,etc, transitava muito bem entre as áreas de humanas e de exatas. Demos um tempo para que ela pensasse melhor, para que refletisse bem e depois desse tempo ela optou pela Engenharia mesmo. Hoje tem uma vida, traqnuila financeiramente, é reconhecida na empresa onde trabalha e gosta muito do que faz: É pesquisadora e desenvolve novos produtos para a indústria química, viaja bastante e conhece vários países(com recursos próprios) como tanto sonhava e assim vai levando a vida. Pensa que ela desisitiu de fazer outras coisas das quais tanto gostava? De jeito nenhum! Está cursando o terceiro ano de Ciências Sociais, pois após esse tempo, chegou a conclusão que não era bem a a filosofia e sims a sociologia, sua maior paixão.

Espero que você também reflita e faça aquilo que for melhor para você, levando em consideração todos os prós e contas da sua decisão, seja ela qual for, pois na verdade só conheceremos as consequências dos nossos atos depois que as decisões são tomadas.
Seja como for, saiba que estarei(não apenas eu como muita aqui na blogosfera) torcendo por você. Enquanto isso, vamos a mais um voto,rs
Bjo no core

Nilce disse...

Oi, Tati querida

Quisera eu ser sua mãe e poder sustentá-la para que realizasse seu sonho, agora. Mas acho isso imprudente e vc se sentiria irrealizada mais tarde.
Perdi alguns sonhos por precisar estudar e ir à luta, conseguir emprego fixo, seguro. Aí vieram as Faculdades dos filhos e o tempo se foi. Mas o teu sonho não tem tempo como o meu tinha.
Você é muito nova ainda, tem apenas um filho, um marido maravilhoso (o que não era o meu caso na época), pode construir teu futuro e o dele primeiro, o que acho mais prudente.
Fiquei muito emocionada com o conselho do seu pai. Ele te ama muito, tem experiência de vida e quer vê-la feliz.
Que Deus te abençoe sempre!

Bjs no coração!

Nilce

Bruno Costa disse...

Os caminhos se juntam quando nós juntamos. Bom, parece fácil...
Estou numa situação parecida. Descobri o prazer de escrever a muito pouco tempo. Formei-me em psicologia a muito menos tempo. Agora não sei mais. A psicologia pode me dar trabalhos de que goste e me sustentar. Eu acho... Mas na escrtita me sinto mais pleno. Agora, vou tentar trabalhar em algo que não me tome todo o tempo, para também ter tempo de escrever. O tempo vai dizer se posso me sustentar com o quê. Alguns forma assim, tornaram-se escritores quando foi possível. Outros foram mais teimosos. A verdade é que não se sabe. E que também não há emprego e estabilidade esperando os engenheiros, médicos ou psicólogos. Boa sorte para nós! E aproveita o teu marido! rs Pode ser um instrumentos de ajuda.
Forte abraço.

Teresinha Ferreira disse...

Olá Tati,
Espero que você consiga realizar seus sonhos...Que a esperança permaneça...Temos que ter paciência e perseverança...Sempre...
Bjs mil

Glorinha L de Lion disse...

Tati querida, cheguei agora e já vi que vc foi aconselhada por pessoas que te querem muito bem. Acho que se eu hj tivesse um trabalho remunerado não estaria passando o sufoco que venho passando. Tem como viver nas nuvens sim, Tati, e manter um pé, só um, no chão. Eu não posso te dizer faça isso ou faça aquilo. Só acho que vc é muito jovem, tem uma vida maravilhosa pela frente...há tanto ainda o que acontecer na sua vida. eu, como mãe,e principalmente, como escritora também, acho que se deve sonhar sim, mas não tem como abdicar do feijão. Vc pode conciliar as duas coisas. Porque não? Eu estou conciliando agora a doméstica, a mãe, a amante, a cozinheira, a lavadeira com a escritora...Sabe lá o que telefone tocando na sua orelha no meio de um poema? Ou ter que levantar depois de cair em prantos pq acabou de escrever um capítulo que mexeu demais com a gente, pra fazer o jantar. Eu concilio, tu concilias, ele concilia. Hehehe...E só mais uma coisinha, pra te lembrar: Carlos Drummond de Andrade, o nosso maior poeta, era funcionário público...Beijão querida! Luz pra vc!

Cantinho She disse...

Minha querida, eu concordo com Buda, foque nisso e achará o seu caminho... beijo, beijo Tati! ;)

Lúcia Soares disse...

Tati, cada um que falou aqui o fêz muito bem.
Não desista dos seus objetivos, vai conciliando aqui e ali. Vai conseguir.
Bj

teca.campos disse...

Querida,
Dúvidas! Que coisa mais maravilhosa elas são. Sempre encaro um dilema como esse como renovação. Vou te dizer uma coisa, aos 40 e tantos (ai, tô ficando velha..haha) fui fazer Gastronomia, porque isso é o que me dá prazer. Juntei o pé no chão (ser professora) com o sonho (ser uma chef). Deu muuuuiiiitttooo certo. Então, acho assim, seja a escritora que você é e a profissional competente que você também é. Mas primeiro e acima de tudo querida, seja FELIZ. O que te faz feliz, Tati? Responda a pergunta e um mundo vai se abrir. Prometo que essa é a solução. Meu pai costumava dizer: "Não importa o que você faça, faça bem. O resto é consequência. E sabe do que mais? Ele tinha toda razão. Amo você.

estela campos disse...

Querida,
Dúvidas! Que coisa mais maravilhosa elas são. Sempre encaro um dilema como esse como renovação. Vou te dizer uma coisa, aos 40 e tantos (ai, tô ficando velha..haha) fui fazer Gastronomia, porque isso é o que me dá prazer. Juntei o pé no chão (ser professora) com o sonho (ser uma chef). Deu muuuuiiiitttooo certo. Então, acho assim, seja a escritora que você é e a profissional competente que você também é. Mas primeiro e acima de tudo querida, seja FELIZ. O que te faz feliz, Tati? Responda a pergunta e um mundo vai se abrir. Prometo que essa é a solução. Meu pai costumava dizer: "Não importa o que você faça, faça bem. O resto é consequência. E sabe do que mais? Ele tinha toda razão. Amo você.