Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

O amor por quem eu sou

Este texto é parte da Blogagem Coletiva proposta pela Glorinha, do Café com Bolo
Prato do dia: Auto-estima/ Amor próprio

Quem sou eu?

Lembro da primeira vez que me deparei com esta pergunta, assim, à queima roupa, quando me inscrevi no orkut. Como assim? É possível responder "quem se é?"

Eu estava grávida, numa fase em que tudo são incertezas. Hoje entendo quando amigas grávidas ou recém mães definem-se como "a mãe do fulano". Chega uma hora que não sabemos mais mesmo... Tudo é tão diferente. Sonhos mudam, ideias então, nem se fala. As prioridades são outras... É um novo eu emergindo, menos eu do que o anterior, por que o outro ser torna-se maior que o EU.

Via meus amigos entrando no orkut, definindo todos aqueles campos, com suas preferências de filme, comida, atividades, paixões... O que gosta nisso e naquilo? E pior, as comunidades. Pessoas cheias de preferências, de comunidades do tipo amo, adoro, odeio, faço... E eu? Quem era eu naquele momento? 

Entendam a fase: Eu era uma veterinária em crise profissional, que tinha acabado de pedir demissão e fui fazer curso de editoração eletrônica. Estagiava numa produtora de vídeo, onde meu chefe me colocou no atendimento... e grávida! 

E esta não foi minha primeira grande crise não. Nesta eu já estava escolada. A primeira foi na época em que eu me formava. Já se vão mais de 10 anos... Até aquele momento eu era cheia de mim, cheia de certezas e convicções. Se me perguntassem quem eu era eu diria: Uma veterinária muito bonita, com muitos amigos, um futuro profissional brilhante pela frente e um namorado que me amava muito. Tudo muito, tudo ótimo, tudo estável e agradável. Vida fácil e boa. Ainda nem tinha me formado e o dono da empresa onde eu estagiava me ofereceu emprego. Eu pedi que ele aguardasse dois meses, o que faltava para eu me formar, e então assumiria o cargo. Estava radiante, achando que eu já colheria TUDO o que tinha semeado... Eu não sabia nada sobre semeadura... hehehe

Então de repente, o namoro acabou e meu ex começou a namorar outra na própria faculdade (acho que mesmo antes da gente terminar); a proposta de emprego desapareceu, por que formada eu ganharia mais do que como estagiária. Nesta crise toda eu tive um distúrbio hormonal e fiquei gordinha e cheia de espinhas. As espinhas que não tive na adolescência, chegaram aos 25 anos. 

Eu não suportava me olhar no espelho. Minhas roupas não cabiam em mim. Meu pai me cobrava emprego, já que tinha me formado. Minhas amigas, a maior parte delas ainda não tinha se formado, saíam e eu não podia mais acompanhar. Algumas vezes elas decidiam me bancar, para que eu pudesse ir. Hoje consigo me sentir querida pelo gesto, na época, sentia-me péssima, eu não tinha como retribuir na outra semana ou no outro mês... 

Acabei optando por ficar em casa. Os primeiros finais de semana foram péssimos. Eu estava impedida de sair. Aos poucos fui aprendendo a aproveitar minha companhia. Ficava no meu quarto, ouvia música, lia e escrevia. Descobri novas faces em mim, e gostei! 

Gostei da minha escrita, das minhas reflexões. Nesta fase busquei o Centro Espírita, onde conheci o Vi. Me amei naquele trabalho, fiz novos amigos, que me achavam doce, suave. E amei esta nova Tati. Ainda gordinha, ainda com espinhas... Fui me tratando.

Trabalhei com coisas que não gostava muito. Até vendedora de produtos veterinários eu fui, representando laboratórios. Nesta função descobri outras coisas boas em mim, outras características desconhecidas. E também muitos dos meus defeitos apareceram, fui aprendendo a lidar com eles...

Fui percebendo que quanto mais faces e talentos descobrimos que temos, melhor lidamos com as fases de transição, de mudança. Por que há em que se identificar. Quando somos rígidos demais, focados demais, do tipo: "Sou uma pessoa que..." a chance de frustração, de deprimir, de arriar, são maiores. A vida não é estável, é mudança. E temos que ser cíclicos e mutáveis.


Demorei a chegar nesta definição:




Esta foto faz parte de um presente
que o Vi fez para mim. E amo!
 "Venho tentando responder esta pergunta há muito tempo. Às vezes sou calma e tranquila, muitas vezes uma tempestade! Sou alegre e animada, em certos momentos tensa, ansiosa, deprimida... busco respostas às minhas questões, e nisso sou incansável. A cada dia uma nova Tati emerge em mim, e quanto mais Tatis eu me torno, mais eu gosto de ser quem sou!"

E quando descobrimos, e aceitamos nossas novas faces, fica mais fácil se amar. Com qualidades e defeitos. Como posso ter certeza? Não posso. Sei que nesta nova guinada, a transição está sendo menos sofrida. É só a experiência de uma menina, que sonha e busca se conhecer.


Ainda quero chegar ao proposto por Renato Russo: "provar para todo mundo, que eu não precisava provar nada para ninguém". Estou bem longe ainda. Desde que soube que este era o tema da blogagem desta semana, não parei de cantar esta música. A letra fala muito sobre auto-estima e amor próprio. Quer ver? Por que a auto estima e o amor próprio passam, invariavelmente, pelo auto conhecimento (pelo menos para mim!)



Beijos a todos,
Tati.



35 comentários:

Renata disse...

Minha amiga,acho que a gente só aprende a se gostar e nos dar a verdadeira importancia, depois que passamos esse tempo com o nosso eu, nos fazendo companhia, descobrindo quem somos nós de verdade, aprendendo a apreciar o que antes parecia defeito...e tendo a convicção de que antes de ser a mulher do fulano, ou a mamãe do beltrano, nós somos a R.,T.,P., nós somos antes de tudo uma identidade.

Já votei em voce,
E acho que voce merece muito!
Abraço,
Bom dia!

Chica disse...

Gostei muito de tuas colocações e saber nos aceitar em cada fase é preciso e legal!beijos e já votei...]chica

Beth/Lilás disse...

Bom dia, Tati!
Que beleza sua análise sobre si mesma e sobre o tema proposto para hoje!
Pelo que senti, sua auto estima elevou-se e hoje em dia está em harmonia consigo mesma. Ótimo, mantenha-se assim!
E, claro, acabei de votar nesta pessoa bacana, otimista e querida.
beijocas cariocas

Denise disse...

Ah, Tati, teria muito para dizer...são textos assim, que a cada parágrafo nos detemos numa reflexão, que nos prendem, nos tomam, envolvem e deliciam!

Uma experiência de menina – grande: a Tati de hoje, que não está definida, porque “A vida não é estável, é mudança”. Não adianta ser rígido e bater pé, ser “cheia de mim, cheia de certezas e convicções”...a gente trabalha no que não gosta, faz coisas que não gosta, aprende sem gostar (desde a comer legumes!), mas um dia entende esse aspecto dos defeitos, das características desconhecidas que são, no fundo, as sombras que mostrarão o que gostamos, as faces que são reveladas através das sombras que gelam a alma da gente...o sol que passa a aquecer-nos, pq somos um ser que precisa ser integrado, aceitando as dicotomias e as divergências que nosso espírito vivencia consigo mesmo.
Amar-se “apesar de”, aceitar nossas imperfeições, transitar pela vida despido de certezas, disponíveis para as mudanças...apaixonar-se pelo processo de mudança e não desviar-se mais desse caminho: uma possibilidade real, utopia são afirmações definitivas. Ilude-se quem se nega e se diz feliz!

Adorável o texto – despertou-me algumas tantas considerações pessoais, obrigada pela chance de questionar-me, ainda que em particular...

Beijos querida, já votei mas vou fazendo isso sempre através do meu blog – linkar ajuda!...rs

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Foi muito bom seu post! Você teve épocas difíceis, mas fez destas épocas oportunidades de crescimento. E hj tem auto-estima. Uma auto-estima sólida, por se conhecer, saber o que pensa, o que gosta, o que é.

E claro, conte com meu voto! Que seu sonho se realize, de verdade!
bjs e boa sexta

Macá disse...

Tati
Acabei de ver a homenagem da Regina Coeli pra você. Que bacana heim? Eu até comentei no post dela, que estava acostumada aqui nos blogs onde passeio, ver a Mila e a Glorinha comentando sobre o sonho de ser escritora. De repente, você, chega assim, começa a escalar a montanha, sem medo, com a certeza de que vai chegar lá! Achei maravilhoso isso. Bem próprio do tema de hoje. Autoestima/Amor próprio. Continue assim, nós estaremos aqui torcendo por você e pelas outras também, claro.
beijos

Cantinho She - Sheila Mendonça disse...

Minha querida, simplesmente sensacional! Nossa como eu me encontrei nesse seu texto e isso, confesso, me tranquilizou um pouco, fiquei mais tranquila em ver que tudo que passei, passo e ainda passarei faz parte do ser humano... obrigada pela reflexão pessoal que acabou me causando, e parabéns pela mulher guerreira que é, batalhadora e forte... te admiro muito!
Beijo, beijo! ;)
She

Meru Sâmi disse...

Tá bom, quando sair daqui eu voto!

Oi, menina!
Que maratona saudável, hein!...
Que bom que no final, tudo não passou de a verdadeira faculdade, não?
Estamos vivos, e a vida é isso desafio a todo instante. Do contrário, como iríamos evoluir?
Parabens por ter conseguido perceber-se, não como vítma, mas como inserida num contexto, com um propósito que só a Deus cabe conhecêr.

Beijos.

pensandoemfamilia disse...

Olá Tati

Viver é sempre estar diante dos desafios, suas confrontações possibilitaram esta escalada que ainda há muito a seguir.
Que belo e confiante sorriso.Ele nos dá o testumunho do que vc é hoje, para além do que escrevu.
Bjs, carinhosos

Fefa disse...

Nossa, Tati! Até me arrepiei quando li seu texto: me identifiquei tanto, mas tanto! Tantas coisas em comum. Tantos caminhos e descobertas parecidas... Nem sei o que te falar. O meu "eu" gordinho com espinhas, o final da faculdade, o relacionamento perfeito, o fim dele, a necessidade de se redescobrir, aprender a se gostar, chutar o balde... " A cada dia uma nova Tati emerge em mim, e quanto mais Tatis eu me torno, mais eu gosto de ser quem sou!" É...! Adorei o texto! Valeu mesmo!!! Votei em você! ah, e la no blog listei vc numa blogagem coletiva (especialmente depois de ler esse post achei q seria uma reflexao legal: o que é magico para vc). E vi que vc e a outra Tati lá do blog se encontraram! Muito legal. Beijocas!

disse...

Tati, que forma de se entender linda!!!Adorei! Um aprendizado diário essa blogosfera. Bjosss

Misturação - Ana Karla disse...

Tati uma história e tanto!

A auto estima está no nosso amor próprio.

Parabéns.
Xeros

Bordados e Retalhos disse...

Taty, adorei esse texto também. Quantas vezes nos sentimos assim. E verdade que quando estamos grávidas ficamos confusas, não sou mais eu, agora sou a mãe de fulano. Outro dia fui na Rádio que trabalhei por 10 anos e onde meu filho estagia agora. Tempos que não ia lá. Sempre fui muito conhecida nesse meio e todos sabem (acredito eu) quem é Giovanna Valfré (olha minha autoestima em alta rsrsr). Quando cheguei no estúdio de gravação o técnico me perguntou: vc é a mãe do Vinícius Valfré? Achei ótima a pergunta e respondi: "sim, mas até outro dia ele era o meu filho". As coisas estão mudando. Fui a mae dele, depois que me destaquei muito pelo meu trabalho no Rádio e na Defesa dos Direitos Humanos e outros, ele era o meu filho, agora volto a ser a mãe. Acho que é um ciclo. Graças a Deus, posso dizer orgulhosa (apesar dos pesares) que sou a mãe dele e ele pode dizer com orgulho (espero) que é meu filho. Mas querida, ontem nem entrei no seu blog eu acho, ou entrei so pela manha, por causa de um trabalho que estou envolvida demais aqui no Cedoc. Então vi agora o link. Já fui lá e votei. Achei fantástica essa ideia. Adorei. Quero ser convidada para a noite de autógrafos. Inspire-se na Glorinha que não desiste da sua luta pelo livro. Bjs querida e muita boa sorte.

Manuela Freitas disse...

Olá querida Tati,
Já disse e repito gosto muito de ler o que escreves sobre a tua vida e a vida.
A vida é assim uma coisa imprevisível, num momento temos grandes certezas e depressa estas certezas caiem como chuva aos nossos pés e, outras vezes se passa o contrário. Vamos vivendo e vamos enfrentando coisas novas, desafios à nossa auto-estima, aí é que o nosso amor-próprio tem que aparecer, para conseguirmos dar a volta.
Já votei e se deixarem voto mais, vc é bacana, vc merece, vc é uma pessoa linda e tão autêntica!
Beijinhos,
Manú

Glorinha L de Lion disse...

Oi Tati, adorei seu texto, cheio de verdade e sinceridade. Me lembrei da minha filha, a Thaís, que após uma desilusão amorosa, tb ficou assim, ela que tinha uma pele de pêssego, cheia de espinhas com vinte e dois anos! Imagina uma menina linda, ex modelo da agência Ford, com o rosto cheio de espinhas com pus! Foi duro, mas ela, melhor que ninguém pode contar como deu a volta por cima...auto conhecimento Tati é a chave pra autoestima. acho que foi o que aconteceu com vc...bela estória de superação. Belo post! Ah, e é claro que ao falar em fotos não estava falando de vc, mas daquelas misses que colocam ao lado do blog, de cima a baixo, fotos das próprias, em várias poses. Eu mesma, coloco fotos de mim e da minha família...não foi pra vc nem pra nenhuma das minhas amigas. Beijão.

Françoise disse...

Amiga Tati,

Conhecendo um pouquinho mais da sua história, fui colocando algumas ideias no lugar pensando no meu tempo de adolescente que não foi nada fácil pois temia em me entender.

Com seu jeitinho mostrou tirar proveito de momentos confusos da vida. Soube plantar e hoje colher bons frutos....

Lindo texto!
Abraços.

Lúcia Soares disse...

Tati, só hoje vi seu pedido de voto. Já votei, viu? Com muito gosto.
E coloquei sua chamada lá no blog. Não custa nada, você merece e vamos torcer!
Tati, a maturidade acaba com muito "ranço" que tivemos de coisa principalmente de infância.
Hoje me abri mais um pouco, mas não tive intenção de ser coitadinha.
Tenho amor próprio bem elevado, mss autoestima varia um pouco. Tem dias que me acho "o máximo", tem dias que me acho "um horror".
Como diz do Didi, "vareia". E acho que é normal, ninguém é bambambam o tempo todo.
Beijos!

orvalho do ceu disse...

Olá,Tati
Ótimo dia para a gente refletir sobre nossa conduta pessoal.
A INTEGRAÇÃO do nosso ser é processo que vale a pena!
Harmonia e abraços fraternais
Ser o que se é, eis a questão!

Françoise disse...

Tati, não sabia que seu blog participa para virar livro. Amei a ideia e é claro que já votei viu?
Estarei torcendo,
Beijos

Thaís leão disse...

Tati!Nossa histórias são mt parecidas mesmo!
Mas a gente aprende nessas horas o que não aprendemos na fase boa,né?
O que não mata fortalece.
Parabéns pela superação, pra vc e pra mim!hehe!
Beijos

Isadora disse...

Minha amiga e o que é a vida se não uma gangorra. Com altos e baixos, com certezas e dúvidas, com acertos e erros e nós nesse eterno sobe e abaixa tentando nos mantermos mais no alto que no baixo, é olha que já é muita coisa, pois nào é fácil.
A infância tranquila, não é garantia de adolescência tranquila e essa se por sua vez é tranquila não é garantia de sermso adultos mais tranquilos.
Em cada etapa de nossas vidas temos nossas alegrias e angústias, mas talvez, a maturidade do passar dos anos nos ajude nessa longa caminhada onde tentamos nos conhecer um pouquinho mais em cada esquina.
Já votei, votei de novo e vou mais uma vez!
Beijos

Cris França disse...

Tati, é bonito te ler. obrigada pelo carinho, já votei e voto de novo viu, sou fã da bela pessoa que vc construiu. bjs

Nilce disse...

Oi, Tati

Como sempre seus textos nos mostrando a verdade, a sua sinceridade.
Também acho que nossa vida é cheia de fases altas e baixas e nada como nós mesmos para superá-las.
Muitas vezes uma "mãozinha", um "empurrãozinho" é bem vindo, e então é aí que a vida nos proporciona os melhores momentos.
Parabéns mais uma vez.
E vamos votar...

Bjs no coração!

Nilce

Socorro Melo disse...

Tati,

A nossa vida é um processo de contínua aprendizagem. E parece-me que mais aprendemos com as adversidades, os sofrimentos. O amadurecimento, o autoconhecimento, é uma descoberta constante, é como uma caixinha de surpresas, e é tão bom quando vamos nos descobrindo e gostando delas (das surpresas).

Um grande abraço
Socorro Melo

C@urosa disse...

Olá querida amiga Tati, adorei seu texto, uma bela blogagem e tem música de qualidade para encantar os nossos ouvidos, parabéns, muita paz
e harmonia em sua vida.

forte abraço

C@urosa

Yoyo Pizy disse...

Tati querida
Assim como você já passei por muitas crises que em alguns momentos levaram minha autoesima para o pé. Já me descobri várias mulheres em uma só mulher, já sofri, já duvidei, já me ergui muitas vezes e acho que é isso que chamamos viver.
Bjo no core

ELA disse...

Ufa! Quantos acontecimentos, hein?! E muitas transformações, como não poderia deixar de ser.

A face da escritora deve ter sido mesmo uma grande descoberta, cultive-a.

Vivi uma fase de muito reflexão também e, assim como vc, acredito verdadeiramente que essa fase me aprontou pra vida e para o que considero pequenos sucessos na minha rotina.

A aceitação através da consciência é uma ótima escolha, nisso muitos de nós concordamos.

Um abraço Tati,
Michelle Siqueira

diariodumapsi disse...

Que delícia de texto! Aliás como tudo que você escreve. Profundo, sensível!
Gd beijo Tati e um ótima fim de semana ao lado de quem você ama.

Ana Maria Braga disse...

Que texto bom para se refletir!! Tudo passa e amaduremos com as dificuldades. Obrigada pela visita e eu tb vou ficar freguesa do teu blog. Me aguarde!! Bjs e otimo final de semana.

Lianara **Lia** disse...

Oi Tati!

Amei seu texto! Gostei das suas reflexões tão sinceras e sensíveis!

Parabéns!!

Beijos
Lia

Blog Reticências...

Fátima disse...

Tati querida, acredito que hoje ,para escrever esse txto, acabou por olhar com outros olhos fatos antes sem grande importância, ou pelo menos mudou o ângulo ou o referencial para melhor analisá-los não é.
Auto conhecimento e crescimento, isso realmente nos leva a aproximação para a auto estima, a superação em cada uma das fases vividas, nos leva cada vez mais a adquirírmos confiança em nós mesmos , e aí descobrimos que todos temos, cada um a seu modo e critéio, muito a ser valorizado e admirado , senão por nós ao menos pelos outros.
Muito bom conhecer um pouquinho mais da Tati virtual.
Beijinho.

p.s. Já votei, farei mais vezes, combinado.

Meru Sâmi disse...

Oi, Tati,
Agradeço o seu comentário, menina!
E, claro que pode postar a mensagem de Pai Tomé! Eu fico agradecida, pois estará ajudando a semear as sementes saudáveis que nossos Guias e Mentores, sempre trazem.
Tenho certeza que ele com o imenso Amor que sente, irá olhá-la amorosamente com carinnho. Principalmente por ser uma oferta espontânea.

Que Pai Tomé a encha de inspiração, e que Deus a cubra de bençãos!

Beijos

Line disse...

Depois desse post, voto em você quantas vezes você quiser!

Cheguei aqui pelo blog da Fefa, e adorei seu post! Me identifiquei muito mesmo, e admiro a sua capacidade de expressar algo tão complexo de forma tão simples e tão clara.

Para mim, for um presente ter encontrado essa música do Legião, ela me remete a tempos tão bons da minha vida...

Abraços e bom fim de semana!

Fatima disse...

OiTati!
Que post bonito!
Gostei mesmo!
Agora vou lá votar em vc!
Bjs.

Astrid Annabelle disse...

Oi Tati!
Cheguei...desde ontem que leio seus comentários nos blogs das amigas comuns que temos e penso em vir aqui... como pode perceber levou horas!rsss
Já votei e vou votar mais, pois gosto muito da sua escrita,viu?
Eu fico quieta só lendo...mas estou sempre por perto observando. Adorei seu post de hoje, a superação e às conclusões que chegou...ótimo!
Foi muito bom passar por aqui; volto para casa mais feliz! Sem precisar provar nada p'ra ninguém!rsss
beijo gostoso.
Astrid Annabelle