Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

Mostrando postagens com marcador crescendo e aprendendo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador crescendo e aprendendo. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Somos todas, somos uma - Noções pessoais sobre o feminismo


Imagino que, sendo mulher, as questões feministas te avassalam de alguma forma. 
Sim, já fui daquelas que temiam o feminismo. E não entendia por que. Claro, há as questões sobre a forma como o feminismo é mistificado na sociedade machista e patriarcal, entretanto sendo uma pessoa questionadora seria simplista e ingênuo achar que era só este o fator. Eis que agora me percebo e quanto mais assumo a vida e a liberdade, mais me dou conta.
O feminismo me diz que sou livre, que posso ser o que eu quiser, que toda mulher tem os mesmos direitos que os homens. Isso contraria as noções sobre mim que me foram passadas quando criança, quando fui criada dentro de uma redoma de cuidados, com estigmas de frágil e delicada representando a feminilidade. A força da mulher relacionada à dedicação aos demais, aos pais, marido, filhos. Como romper com estas amarras que me libertam da responsabilidade por minhas próprias escolhas? 
É preciso estar muito determinada para assumir-se feminista. É preciso ter raça, é preciso ter gana sempre! 
Numa época convivi com um grupo de feministas, elas (sim, elas) se articulavam em um grande grupo de trabalho ao qual eu jamais fui incorporada. As participações estavam relacionadas à representação de organizações ou experiências. Eu não fazia parte. A experiência de ser mulher simplesmente não me habilitava a estar lá. E olha, se há uma coisa que representa a experiência de ser mulher é a dificuldade em participar das organizações e experiências. Em tempos de crise somos as primeiras a serem cortadas. Não nego que eram mulheres poderosas, porretas! Queria muito ter tido a oportunidade do convívio.  Naquela época não me reconhecia naquele espaço. Eu era feminista, só não sabia disso. Se soubesse o que sei hoje teria batalhado por meu espaço. Agora teria bons argumentos. 
Foi durante a gravidez do meu segundo filho que comecei a despertar para esta potência. E entendi a expressão que diz que certas portas só se abrem por dentro. Foi exatamente assim! Ouvindo, refletindo e... de repente... um clique. A porta estava aberta, escancarou-se aos poucos. Fui entendendo, me apropriando e sim, SOU FEMINISTA! COM ORGULHO E ARDOR! COM ÔNUS E BÔNUS! Quanto ônus... Fica difícil tolerar aquelas famosas "só uma piada", "só uma brincadeira". Perceber as correntes que nos prendem não é tarefa leve, mas é necessário nos movimentarmos ainda assim, ou principalmente por isso. Salve Rosa Luxemburgo! 
Nesta caminhada um pequeno grupo de mulheres se juntou, se reconheceu. Juntas temos trilhado um caminho tão bonito, que diria utópico se não o estivesse vivenciando na prática. Somos quase 20, apoiamos as dores e conquistas umas das outras. Somos uma aldeia! Não há disputas, não há hierarquia (há algo mais patriarcal do que a noção de hierarquia?). Somos acolhedoras, presentes, há delicadeza e verdade no convívio, no apoio. Com elas tenho vivenciado a experiência da empatia, da sororidade. Não são abstrações teóricas. São a práxis. 
Há muito a absorver, entender e incorporar melhor as noções de feminismo interseccional, que grupo de mulheres brancas que somos, ainda que nos sensibilize e também seja assunto de pauta, segue nas aspirações teóricas. Cadê representatividade? 
Quero finalizar dizendo que estas mulheres tem me dado suporte, e eu a elas. Tenho aprendido a amar aquilo que entendia como fraquezas femininas como parte do que sou, e muitas vezes, minhas fortalezas inexploradas. A maternidade é uma vivência plena com nossas reflexões em conjunto. Com o acolher dos prantos e risos. 
Toda mulher é feminista, algumas não sabem ou não estão dispostas a arcar com a força de sua própria liberdade. Suas asas estão podadas. E não é possível empoderar ninguém. Cada mulher empodera a si mesma. O que podemos é mostrar, pelo exemplo, que é possível viver um outro padrão. Aos poucos, cada uma no seu tempo e do seu jeito, vão se chegando. 

We can do it! 

Tati


quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Tudo é uma questão de como se fala...

Às vezes, coisas que parecem ruins ou negativas, podem transmutar-se em ótimas situações. Tudo depende de como as encaramos e das palavras que usamos.
daqui

Ontem esqueci de mandar lanche para o Bê. Coisas de uma mãe que nunca precisou se preocupar com isso. Filho sempre no integral, e desde o início do mês mudou de rotina...

Quase 15h (horário do lanche), me dou conta! Liguei correndo para a escola, que graças à Deus é uma escola pequena, e pedi ao funcionário - e nosso amigo- que liberasse o lanche que eu pagaria na saída. Ufa! Situação resolvida, mas a mãe, né? Mãe se acha uó quando isso acontece...

Então hoje de manhã Bê resolve abordar o assunto.

- Mãe, ontem achei que você tinha esquecido meu lanche!
- Poxa filho, desculpa! Já pensou. Eu tinha esquecido, mais aí liguei... blá, blá, blá.
- Daí a Laura (amiguinha fada de turma) disse para eu ver que você podia ter deixado pago. Eu perguntei, mas por que ela faria isso? E a Laura respondeu "São surpresas que as mães fazem". E abriu um sorriso maravilhoso e agradecido pela surpresa inesperada.

Fiquei apaixonada! Que desfecho maravilhoso para uma trapalhada materna. Nada como as crianças de hoje em dia para mudar o rumo das histórias, né?

Agora aprendi mais uma. Vez ou outra farei uma "surpresa de mãe". Problema resolvido!

Beijos a todos, acho que estou voltando!!!

Tati.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Há 6 anos ele sorri, e o mundo gira


Inevitável não pensar em tudo que vivemos juntos. No primeiro dia, na clínica, aguardando o resultado e nos perguntando: "somos dois ou três?" e rindo nervosos. Inevitável lembrar que neste dia, no carro, de volta para casa, a ideia de chamá-lo de Bernardo, caso fosse menino, já se fez presente. E cada enjoo, cada momento de ansiedade, o medo de não ser capaz de amar como dizem que as mães devem fazer. O medo de não ser capaz de dar conta... Então tudo muda! Ele nasce, um medo maior ainda, o parto antes da hora, a bolsa estourada na cama, durante a madrugada, e a prece silenciosa, suplicando que seja xixi, que eu não tenha mais controle sobre esfíncters, mas que meu bebê esteja protegido. Lembro perfeitamente do caminho para a materidade, o silêncio da madrugada na cidade, o silêncio de um casal apreensivo, a dor das contrações, a dor do medo... A história de um quase ariano que tornou-se aquariano. Então a entrada, o quarto sem mala, sem plaquinha na frente da porta. Aguardar o amanhecer para ligar para a família. Como fazê-lo? Três dias tão penosos, mas a preocupação de sorrir, de parecer calmos. Os dois na mesma situação, cuidando um do outro. Quando penso nestes três dias me dou conta do valor do meu casamento. Era um momento em que podíamos assumir uma posição de exigir cuidados, estávamos - os dois - frágeis. Mas fomos fortes, um pelo outro. Os dois por ele, nosso pequeno que chegava apressado. Sede de vida! 

Então o parto, a frase que me desarmou: "Está tudo bem. Ele não será transferido". Sim, ele não iria para a UTI neonatal. Nasceu forte como um urso, um Bernardo, é este o significado de seu nome. Não podia ser mais apropriado.

Os primeiros meses são cansativos, assustadores, tudo é novo, são tantas primeiras vezes. Nós não nos conhecemos. Visitas proibidas no primeiro mês favoreceram o entrosamento, aumentaram minha super proteção. O laço é forte. Choros, cólicas, icterícia, refluxo. Primeiro sorriso, descobriu os pés, sustentou a cabeça, balbuciou palavrinhas. Olhar o homem que eu amo como pai, seus cuidados com o filho tão amado. Trocar fraldas, não saber o que fazer, não saber como agir. Fingir que sabe, tentar, na prática. Não há escapatória. Primeiros passos, primeiras palavras, brincadeiras, carinho, descobrir que seu sorriso é meu maior tesouro. Amigos por perto, amigos que chegam mais perto! Voltar a trabalhar. O primeiro dia longe é uma entrevista de empregos: Unhas por fazer, cabelo mal cuidado, leite no sutiã, saudades do pequeno, aos cuidados da vovó Mirian. Certeza do amor que existe e que parece que sempre existiu, como se seu lugar em nossas vidas estivesse marcado desde sempre. 

O primeiro aniversário, uma festa especial, perto do carnaval. Nada de Mickey ou Circo, é preciso ser criativo. Ele não é uma criança convencional. Seu primeiro aniversário foi um baile de carnaval, uma festa à fantasia - O Bloco do Bê-. Que barato foi organizar cada detalhe, as madrugadas em par montando centros de mesa e lembrancinhas, o apoio das amigas-vizinhas para montar a mesa LINDA, o estandarte, as Barbies  e Kens de toda a vizinhança usando fantasias. Mais um dia marcante, para uma coleção que inclui momentos simples: olhares, carinhos, a imagem de mãozinhas tão pequenas, de dentes apontando, de chorinhos, gargalhadas, gritinhos. Um pé gordinho bem ali, bom de apertar e morder. Olhar para aquele lindo bebê e descobrir que seu sorriso ilumina o mundo!

Cada conquista: primeiro dia de aula, seus 7 atchins tão queridos, a Montanha Russa, seu cheiro, o calor de tê-lo nos braços, o calor da febre, as noites sem dormir. As noites em que, ao dormir, ele seguia ao meu lado, nos sonhos, sua primeira formatura e o olhar de orgulho e confiança que nos emocionou, a maneira linda e divertida como este menininho descobre e interpreta a vida, o tanto que me ensina, que me motiva a ser uma pessoa melhor. Dois, três, quatro, cinco... seis anos! São muitas histórias. Dores e alegrias que reforçam o amor. Um vínculo que não sei explicar.

Há dias tento escrever este texto. Não sai. Nada explica, nada da conta de tanto sentir. Mas como passar direto? Como não tocar no assunto? Dia 18/02 é o aniversário do Bê, é nosso aniversário como pais e também é aniversário da nossa família. Tudo já tinha começado, mas depois que ele chegou eu entendi que nada fazia sentido antes de sua presença. Tudo é muito mais agora. 

FELIZ ANIVERSÁRIO, MEU AMOR!
 
Eu não soube escolher as palavras certas, mas eles souberam. No aniversário de 1 ano escolhi esta música para acompanhar o clipe do DVD. Então ela virou cantiga de ninar, um momento especial entre nós e virou a "nossa música". Não consegui importar o clipe do aniversário. Segue com um You tube emprestado. Estaremos ausentes, a sexta feira é dele! 




Beijos a todos, 
Tati.




sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Como se diz eu te amo?

A Teresa Cristina (Acolher com amor) e a Gilmara (Diário de uma psi), duas amigas muito queridas, sugeriram uma blogagem coletiva com o tema: Como se diz eu te amo.  Se quiser participar, é só escrever seu texto e avisá-las. Decidi participar na última hora, quero contar um episódio de ontem, que pode exemplificar bem o que é dizer eu te amo, sem usar as palavras (more than words). 

A Mari - Mãe Polvo- fez uma postagem com o bolo de caneca que ela fez com o Pedro. Eu e Bê estamos de férias e resolvi fazer com ele também. Foi uma farra na cozinha. Sempre é. Adoramos fazer bolo juntos, mas nunca tinha feito algo assim. Fiquei na dúvida da receita da Mari, por que não tinha fermento. Fui ao google, vi outras receitas, misturei a dela com a do google e fiz a minha (para quem me conhece, sabe que é minha maneira normal de lidar com receitas). 3 minutos de microondas e voilá!

Voilá? Voou mesmo... Um prato de microondas repleto de bolo! Na caneca? Ah, sim, por toda ela! Dentro?... É... também sobrou um pouquinho nesta parte... rsrs
O que fazer? Eu podia chorar, podia raspar tudo e jogar fora, sem nem mostrar para o Bê, mas... por que perder a oportunidade de rir da gente mesmo? Então eu trouxe o prato do microondas para fotografar, e minha máquina até colaborou - a debochada. O Bê esboçou um chorinho, daí falei para ele: "vamos rir, filho?" Quero que ele aprenda agora o que estou levando mais de 30 para aprender... A não se cobrar tanto, a não tentar ser perfeito, a aceitar os erros e aproveitar o que tiver de melhor neles. Principalmente, a não sofrer tanto! E enquanto eu baixava as fotos para mostrar para vocês, eis que um garotinho puxa sua cadeira e, colherinha em punho, começa a COMER o bolo, isso mesmo, raspando do prato do microondas. Disse que estava uma delícia!! kkkkkkk
 

Aquele episódio, que podia ser o fim, o bolo definitivamente não deu certo, e podia ser visto apenas como trabalho extra e frustração, tornou-se um momento divertido. Acho que a gente teve mais oportunidade de rir do que se ele tivesse ficado perfeitinho na caneca. 
Isso faz com que a gente não queira um bolo lindo na próxima vez? Claro que não, mas não estragamos nosso dia, nossa tarde, nosso momento por um evento fora do planejado. Fiquei feliz por conseguir mostrar ao Bê aquilo que ainda tento aprender. E ele entendeu tão bem o recado que no final estava me ensinando (para variar!). 
A lição filosófica? A vida pode ser bela mesmo sobre o leite,ovos,açúcar e farinha derramados! Ah, se pode! E num momento em que estou me reerguendo, e que a presença do Bê tem sido crucial, consegui me superar- por amor- em presença e atenção (não está sendo fácil e natural, mas é verdadeira), e recebi, em troca, o amor mais lindo que se pode desejar. Ao olhar para meu filho, seu sorriso, suas poses para as fotos, curtindo a brincadeira, entendi que ele estava dizendo: "Vamos, mãe, vale à pena. Pode ser gostoso, mesmo que não seja perfeito!". Meu filho sabe as melhores maneiras de dizer EU TE AMO, e aquece meu coração.

Beijos a todos,
Tati.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Novas ideias sobre velhas questões

 Ontem a Jaci (Pandora) fez um texto importante. Ela mostrou o outro lado de uma discussão que disfarça-se de visão intelectual e libertadora, mas esconde um manter a velha ordem. Confesso que ainda não tinha olhado de frente para este lado da questão. Falo sobre a notícia amplamente veiculada da censura às obras de Monteiro Lobato, como de conteúdo racista.

Nasci branca, filha de pai e mãe brancos. Sou uma pessoa comum e mediana, daquele tipo que passa desapercebida na massa, que sente-se representada num filme ou comercial. Meu cabelo é liso e castanho, minha origem é italiana. No Rio, sou do grupo naturalmente aceito. Não posso discorrer sobre o que é preconceito ou discriminação, não a sofri na pele. Qualquer inferência seria pura especulação. 

Ainda assim, nunca gostei de piadas preconceituosas, não importa o tipo de preconceito: o bêbado engraçado, o mal falar da sogra, contra pobre, negro, gays, mulheres burras (?!). Tudo isso só serve para reforçar estereótipos  e diminuir a auto estima, dificultar a colocação destes grupos como iguais e sua auto aceitação. SOMOS IGUAIS, INCLUSIVE EM NOSSAS DIFERENÇAS!



Li a obra completa do Monteiro Lobato quando criança e não percebi nada disso. OPA! Aí está o problema. Estas questões já são tão naturais que sequer as percebemos! Somos capazes de dar risada de uma piada sobre o negrinho ou a bichinha. Não devíamos achar graça. Pense bem: São visões de mundo que se perpetuam ao tornarem-se corriqueiras. 

Se eu olho um casaco de pele e vejo beleza, glamour, eu posso consumi-lo um dia. Se vejo cadáveres, jamais terei coragem de colocá-lo em meu corpo. Assim também é o preconceito. Não podemos olhar e ver com naturalidade. Não posso andar na rua e interpretar a negrinha como possível empregada da minha casa, a bichinha como um ser afetado e que só pensa em seduzir qualquer bofe que passar. Negros, e gays, são cidadãos. Exercem suas profissões, constituem família, pagam contas, impostos... O Bê outro dia queria pintar um desenho e escolheu o lápis cor de pele. Como assim?! Sabiam que na caixa dos lápis um rosa clarinho tem este nome? E a pele marrom? amarela? bege? vermelha? preta? Quantas cores de pele nós temos? Mostrei para ele. Em casa já temos diferenças: O Vi é pardo! Onde ele aprendeu esta cor-de-pele? Na escola! Imagine para os amigos de outras tonalidades? Ele nasceu branco por acaso, podia nascer de qualquer cor. Meu sogro é bem escuro. Conversamos e ele entendeu, mostrei, no próprio livro didático, imagens de muitas crianças em uma festinha, cada uma de uma cor. Espero que tenha levado a nova visão para a escola. O Bê é bom nisso! Não dá mais para fingirmos que não vemos. Errei em uma coisa, não fui à escola conversar. Mea culpa

Ainda não tenho uma opinião formada sobre o assunto (obras de Lobato), por que é tudo muito recente e nunca tinha pensado sobre isso. Agradeço quem levantou o tema, só de debatê-lo já é enriquecedor. Pode ser que notas de rodapé resolvam a princípio, nem sempre são lidas, não tem grande importância no livro; a mim soam como cala-boca para a polêmica. Pena... Tirar as obras de circulação não parece fazer sentido. A esta altura, século XXI, obras proibidas também soam como retrocesso. Mas não acho que SÓ por que ele é Monteiro Lobato, SÓ por que tem suas obras em evidência por tanto tempo, não deva ser revisto. Se fosse assim, Einstein jamais questionaria Newton. Quem ousaria? Desta forma ainda acreditaríamos que tudo é absoluto. Gente, não podemos mais acreditar nisso! A teoria da relatividade nos provou o contrário. E isto não é só na física, só no caderno ou no laboratório. É na vida. Vamos olhar as diversas perspectivas e opiniões. 

Recomendo a leitura desta Caixa de Pandora, da Jaci. Não vamos definir nossas posições antes de pensar novos ângulos e possibilidades. Vamos enriquecer o mundo e não empobrecê-lo. Adoro a possibilidade de sacudir o óbvio e encontrar novas visões.

Falando nisso, ainda não dei a resposta que o Bê me pediu, mas AMEI a resposta da Leci Irene, e seguirei por este caminho. Obrigada por todo o carinho na postagem sobre o Bê. Não sabem o prazer que me dá compartilhá-lo com vocês. Aproveitei para homenagear o melhor amigo do Bê, Arthur. Amizade que nasceu antes que eles tomassem consciência de quem são. E amam-se e respeitam-se como são, pelo que são.

Beijos a todos,
Tati.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Que tipo de pergunta é essa?

Manhã fria, de chuva forte. 7h15, o Vi teve uma viagem (de um dia) e saiu mega cedo de casa, antes das 6h e eu fiquei com cólica (dia frio = cólica forte!). Resolvi não levar Bê para escola e passar a manhã juntinhos. Ele acordou, sentou ao meu lado aqui no sofá, ficou encaixadinho enquanto eu tentava colocar as leituras em dia, toda zen ouvindo o vídeo das lanternas japonesas do Alexandre... e lançou (do nada):

- Mãe, por que o existir existe?
- Ãh? Hein? Como assim?
- Por que existe o existir?

À queima roupa?! Eu só tomei 2 xícaras de café e um ponstan... Como se faz uma pergunta destas aos 5 anos e como podemos respondê-la? Lanço para vocês, por que eu fiquei com cara de tacho.
Afinal, existe resposta para isso? Será que a próxima é "Qual o sentido da vida"? Fala sério... Não estou pronta para este garotinho, não...

Beijos a todos,
Tati.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Você faz parte

A Gaspas do Acuadoiro falou (escreveu) sobre este assunto, que muito me interessa. O texto dela, bom e divertido, falava sobre a reutilização de embalagens, em especial as de isopor. Ela dizia que, se voltamos com 8 sacolas do mercado, ao menos 2 serão lixo das embalagens. Concordo e me entristeço.

Há pouco mais de 1 ano meu condomínio entrou num programa de coleta seletiva. A ONG Reviverde* esteve aqui, fez palestras de conscientização para moradores e funcionários, traçou estratégias para nossa realidade, esclareceu dúvidas.

Apesar de me considerar consciente e comprometida, só após a instituição da coleta seletiva comecei a me dar conta da quantidade de lixo que produzimos. Precisamos entender que, mesmo havendo possibilidade de reciclar, isso não é o ideal. O importante é o reduzir. Eu não sou do tipo consumista, mas há itens complexos. Por exemplo, isopor não é reciclavel. Era neste tipo de embalagens que eu costumava comprar ovos. A partir da coleta seletiva mudei um hábito de consumo. Agora, aqui em casa, só caixa de papelão. E sou radical: Se não tiver deste tipo no mercado, não compro! E sei que ainda faço muito pouco. Tem tanto que preciso mudar...

Outra coisa que passei a fazer é pesar, na hora, os frios. Assim eu levo para casa somente um saquinho plástico. Ok, ainda não é o desejável, entretanto é o possível. Dispenso as bandejinhas de isopor, daqueles que já estão prontas e arrumadinhas. 

Carne ainda não deu, está sempre preparada na tal bandeja. Eu as separo, e apesar de não andar muito arteira, vez ou outra também faço das minhas. Guardo-as para bandeja de tinta, quando pintamos peças em MDF. 

Morro de pena de jogar fora embalagens (inclusive, de rolos de papel higiênico, que não servem para absolutamente nada, a não ser manter o rolo durinho). Há coisas que para reutilizar precisamos gastar tanto produto de limpeza, que é despejado pia abaixo, com litros de água, que me questiono o que é melhor. Enquanto não descubro a resposta, talvez você saiba (daí, me conta), vou aprendendo como fazer, testando alternativas, abrindo mão daquilo que é possível. Simplificando! 

Simplificar a vida só pode nos fazer mais feliz. Meu celular não é último tipo, mas ele liga e recebe ligações. Me conecta com o mundo. Enquanto funcionar, não troco. De 1998/1999, quando tive meu primeiro aparelho, até hoje, tive 4 aparelhos, e gostaria de dizer que tive menos. Não entendo esse comichão, esta necessidade de consumo na contra-mão da realidade do nosso planeta. Espero, de verdade, que as pessoas percebam para onde estamos caminhando e mudem nossas vidas. Dependemos uns dos outros muito mais do que nos damos conta. E isso não inclui tanto TER. 

Chega! Tem tanto para falar, mas já escrevi demais. Hoje não estava no script tudo isso. A Gaspas mexeu comigo, sem perceber. Segue um clip que eu amo, um video antigo do Discovery Channel.


Um beijo a todos, ótimo final de semana (se estiver no Brasil, ótimo feriadão).
Tati.

Deixei o link para o instituto, assim, se você é do Rio e seu prédio/ condomínio ainda não instituiu a coleta seletiva, entre em contato. Eles são ótimos!


sexta-feira, 29 de outubro de 2010

As maneiras de Deus falar comigo

Você já ouviu falar em Abraham-Hicks? Não vou entrar em detalhes, é confuso e longo, mas deixo o link para as explicações. Para entender o que vou contar basta saber que são uma energia, um grupo de espíritos/ mentores, que manifestam-se através da médium Ester-Hicks.

Um dia os descobri e fiquei encantada. No Brasil, há uma mulher, Cláudia Giovani, que traduz os textos deles. Eu me cadastrei, há bastante tempo, num newsletter que ela envia. Fazia tanto tempo que não recebia que havia esquecido. Mas hoje, chegou. E a citação de Abraham que ela trouxe caiu como luva. Entendi que era um telegrama endereçado a mim. Vou tomar jeito e assumir a direção. AGORA! Mas antes de fazer isso, vim compartilhar estas ideias com vocês. Vai que a mensagem atinge mais gente?

Então me despeço deixando a mensagem, que apesar de óbvia nem sempre a gente se lembra. Diz que as coisas caem do céu sim, mas para isso você precisa jogá-las para cima! :)

"Minha criança, eu nunca farei para você o que você pode fazer por si mesma. 
Nunca irei roubar-lhe a oportunidade de você se mostrar a sua própria habilidade e talento. 
Sempre a verei como a criadora capaz, efetiva e poderosa que veio para ser.
E estarei atrás, aplaudindo-a, como seu mais ardoroso fã. Mas não farei para você aquilo que veio para fazer para si mesma.
Qualquer coisa que precise de mim, peça, estarei sempre pronto para elogiar ou assisti-la, estarei sempre aqui para encorajar seu crescimento, não para justificar minha experiência através de você."

E aí? O que achou? 

Não pretendo sumir. Vou apenas reduzir este período e me dedicar ao que preciso - e quero!-. Preciso trabalhar mais! Esta semana foi intensa, com 3 festas lindas, repletas de amor e positividade. 

Um grande beijo a todos,
Tati.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Blog Action Day 2010 Water - Água

"Louvado sejas, meu Senhor, pela Irmã Água, que é muito útil, humilde, preciosa e pura!" (Francisco de Assis)

Hoje é um grande dia! Vi no blog do Alexandre (Lost in Japan) um chamado e o aceitei. O Blog Action Day (blogactionday.change.org) é uma blogagem coletiva mundial e com um propósito maior, falar sobre preservação ambiental. Este ano o tema é a Água, mas claro, o enfoque é em estratégias para sua preservação. A princípio pensei em abordar o aproveitamento de água da chuva, uma tecnologia cada vez mais acessível, infelizmente ainda muito distante da maioria de nós. Eu moro em prédio e não sei como trazer estas melhorias para meu condomínio. Quem sabe acompanhando outras postagens do BAD eu não encontro a resposta? Vou procurar!

Acabei optando por citar ações simples, que podemos tomar em nosso dia a dia e que fazem a diferença na preservação de um recurso natural que pode até ser renovável, mas não na medida em que o estragamos. Quando estudei, na escola, a gente aprendia que a água era um recurso natural renovável, lembram-se disso? Não está errado, quer dizer, não de tudo. O problema é que não damos oportunidade ao planeta para que se reorganize/ se regenere. Queremos tudo, e queremos agora, e queremos muito! Assim não tem renovação que dê conta...

Então vamos às ações que eu queria sugerir:

1- Verifique infiltrações em sua casa. Minha casa acabou de passar por isso. É fácil não percebermos quando a conta de água é coletiva. O ideal seria sempre o desmembramento da conta, fica bem mais fácil de controlar. Se não é possível tente manter suas tubulações em ordem e se a torneira está pingando, conserto nela! Pode até mesmo ser sujeira, sabia? Aqui em casa a torneira da cozinha esteve assim logo que terminou a obra, eu fiquei super chateada, poxa, a gente conserta o encanamento e a torneira começa a vazar? Marido abriu e descobriu que era só sujeira acumulada com a obra. Limpou e pronto! Torneira nova! E economia de água, claro.

2- Evite deixar torneiras abertas: Enquanto escova os dentes, enquanto ensaboa a louça, ou mesmo os cabelos. Não abra o chuveiro e depois prepare-se para o banho ou lembre-se que não trouxe a toalha ou whatever. Evite sempre jogar água fora.

3- Banhos mais rápidos. Não há necessidade de banhos intermináveis, não acha? Ok, sei que tem dias que é difícil resistir. Se for inevitável, pelo menos não torne isso um hábito. Habitue-se, isso sim, a cada dia reduzir um pouco o tempo do banho. Tudo na nossa vida são hábitos, por que não treinarmos novos, mais adequados à saúde de nosso planeta?

4- Nunca, jamais, em tempo algum, jogue óleo de fritura no ralo da pia. Se puder reduzir a fritura não apenas o planeta, mas também seu organismo, agradecerá. Agora, não vive sem frituras? Recolha o óleo em garrafas pet e deposite-as, depois de cheias, em qualquer local de recolhimento. Hoje em dia é bem comum locais que prestam este serviço. Siga o link do Instituto Akatu e descubra o local mais perto para você. Há inclusive algumas ONGs que recolhem as garrafas em casa, trocando por produtos de limpeza. Olha a economia aê! No meu condomínio isso faz parte do projeto de coleta seletiva, ou seja, você pode levar um projeto como estes para o seu condomínio ou comunidade e não custa nada, pelo contrário, ainda rende um dinheirinho. No caso do meu condomínio é rateado entre os funcionários como estímulo ao trabalho extra.

Não é simples? Tem muito mais coisas que podemos fazer em nosso dia a dia. Coisas que não exigem investimentos ou tecnologias, apenas interesse, empenho, amor no coração, vontade, informação. Se puder fazer mais, ensinar mais, ótimo! Cuidar da água e do planeta não é coisa de ambientalista que não tem mais o que fazer, é tarefa de todos nós. Assim como cuidar da casa deve ser tarefa compartilhada por seus moradores. Afinal, onde é mesmo que você mora?

Ah! E sabe "aquele seu vizinho" que lava o carro ou a calçada usando a mangueira? Não crie briga com ele, que tal convidá-lo para uma conversa simpática, explicando sobre o manejo sustentável da água? Pode dar melhores resultados!

Para encerrar como comecei, uma declaração de amor a esta amiga preciosa, fonte da vida e identidade do planetinha azul. E você? Quer participar? Ainda dá tempo! Inscreva-se aqui e mãos à obra. 


Um beijo azuuuuuuuuuul,
Tati.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Do estranho apetite das grávidas

Amigos queridos,

Passei rapidinho, por que hoje o dia é do Bê e não vai dar para ser criança neste brinquedo que eu adoro... Lembrei de uma historinha do Bê que me fez rir muito. Deixo como mensagem de dia das crianças:

Já faz um tempinho, a gente brincando aqui em casa, coloquei um CD para tocar chamado Casa de Brinquedos, com músicas deliciosas do Toquinho. Compramos quando eu estava grávida, como presente de dia das crianças. Coisa de pais de primeira viagem, muito apaixonados... 

O Bê adorando, falei para ele:
- Filho, este foi seu primeiro presente de dia das crianças. E você ainda estava na minha barriga!
Ele arregalou os olhos! Parou tudo, me olhou muito assustado, deu um sorriso incrédulo e exclamou:
- Você comeu o CD?!

kkkkkkkkkkk
E cadê a voz para explicar que não tinha engolido CD? kkkkkkkkkkkkkkkk
A lógica infantil é o máximo!

Beijos e ótimas oportunidades de brincar hoje, afinal, somos todos um pouco (ou muito) crianças, não é mesmo?

Tati.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Ainda não chegou minha vez

Amigos,

Desculpem. Ontem não dava para escrever uma linha. Aliás, ontem não dava para chegar perto do computador.
É... não foi desta vez, não ganhei. E vendo o vencedor entendi minha ingenuidade em achar que tinha chance. O blog vencedor é enorme e profissional. Me senti uma criança andando pela casa com roupas da mãe e se sentindo grande por que passou batom e usa salto alto, muitos números maior que seu pequeno pezinho...

Meu sonho não morreu, entendi algumas coisas, preciso pensar em outras tantas. Sou uma amadora ainda, há muito o que amadurecer, formar, preparar antes de buscar o livro. Tenho outras coisas para contar, quero ainda agradecer, agradecer muito, infinitas vezes aos amigos que apostaram em mim, que escreveram aquelas palavras loucas para votar, que estavam na torcida. Voltarei melhor amanhã, ou até hoje mesmo, não sei.

Eu estou bem. Apesar de tudo foi um dia de sorte, como levamos o Bê para fazer um exame no início da tarde, o Vi estava ao meu lado quando li o resultado e pude chorar abraçadinha com meu amor, nem chorei muito, viu Macá. Aproveitamos a tarde e vimos Nosso Lar, o que me deu um conforto a mais. Claro que ainda estou pensando no que poderia ter sido. Não sei de onde vem esta certeza, nesta hora penso no que ainda será. Estou bem, de verdade. Triste, claro, mas bem.

O vencedor é um blog imenso, de um especialista em marketing de mídias digitais, difícil competir. Eu sou uma menina brejeira que conto coisas minhas, pessoais, meus achismos. Olhando do ponto de vista editorial, realmente não tem muito apelo. E para que uma editora publica um livro se não for para vender? Vou me reestruturar, crescer. Sim, é preciso se profissionalizar. Se quero me tornar escritora, o caminho é outro, que ainda não sei bem. Hoje eu preciso pensar. Me dedicar ao meu trabalho, que é real, concreto, presente, e pensar no que desejo para o futuro. Voltarei em breve com um texto mais coerente, hoje ainda estou um pouco anestesiada. Coloquei uma música que gosto muito, desculpe aí quem não gosta de Jorge Vercilo, eu adoro e não tenho a menor vergonha de assumir. Esta música é a primeira que penso em momentos assim. O sol sempre aparece, mesmo que entre nuvens, aparece e ilumina um novo dia. Bom dia!

Não posso finalizar sem dizer, mais uma vez, e de todo o coração: Obrigada!

Um beijo a todos,
Tati.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Ingredientes soltos, traduzidos em coisa alguma...

Não sei se vocês se sentem assim, mas tem dias que sinto como se eu fosse apenas ingredientes... Sou farinha, ovos, manteiga, leite, fermento, açúcar e até chocolate. Isso não faz de mim um bolo, certo?

Hoje eu sou apenas ingredientes, e não uma receita. É possível ainda que não me torne receita de bolo e sim de pão, por que preciso ficar quietinha nestas horas, senão a massa não cresce. 

Tentei juntar letras de todas as formas. Há coisas importantes que eu gostaria de dizer, só que as frases, os argumentos, não se formam. Vou ficar quietinha, no meu canto. Em breve tudo isso passa. Sei que estes momentos só acontecem quando coisas grandes vão acontecer, quando alguns saltos se insinuam. O forno está aquecendo, o tabuleiro, sendo untado. Em breve participarei do banquete. Me ajuda a pôr a mesa? 

Neste estado, sem boas palavras que expliquem, encontrei esta música, da nova Sandy, que admiro por que é uma mulher que se reconstrói, e me identifico em muitas de suas facetas. Parece frágil, superprotegida, só que há força interior, algo que não é palpável, tangível. Está apenas ali. Em mim também!

Acho melhor ouvirem a música. Se eu continuar neste papo vão achar que estou usando drogas, ou bebendo... sei lá. Caso seja importante frisar, sou careta, careta, está bem? A confusão é apenas uma faxina mental...

Aproveitem a Sandy. Escolhi um clipe com letra, por que é a letra que interessa neste momento... pelo menos para mim! Não explica nada, mas é isso...

Beijos a todos,
Tati.

sábado, 28 de agosto de 2010

A lógica infantil

Instalação criada para o Pré-II,
com foto de cada aluno! 

Hoje foi a feira de ciências da escola do Bê. Uma festa linda, muito caprichada, como são todas por lá. A gente vê que eles investem em cada detalhe. E sabe de uma novidade? Nada a mais nos é cobrado por isso!! Sim, isto é uma novidade para mim! O stand da turma do Bê era uma instalação, simulando uma caverna da pré-história. O tema era o lixo da pré-história. As paredes da caverna eram forradas com desenhos deles, em papel pardo, o chão, forrado com folhas secas. Lindo demais! Seguem as únicas fotos que conseguimos tirar...

Chegamos na festa às 9h. Vários estandes montados, muitas famílias reunidas. Bê, logo de cara, encontrou o André e o Matheus, dois dos novos amigos. Agora ele está mais enturmado e resolvemos deixá-lo um pouco mais livre, para que pudesse dar intensidade ao relacionamento... hehehe

O lindo desenho do Bê.
Claro que conhecendo nosso anjinho como conhecemos demos espaço, não asas! Ficamos com os 4 olhos ligados nele, numa estratégia friamente calculada de cada pai num canto do salão, cuidando de um ângulo de 90º. Até que ele foi para uma parte mais externa, onde muitas crianças brincavam sob uma grande rampa que leva ao ginásio. É um espaço vazado, tornando-se um túnel tão chamativo quanto perigoso. Detestei a brincadeira, não vi modos de evitá-la. Era o que faziam os coleguinhas da mesma idade. Ai, mãe super protetora, né? E por que não ouvi meu feeling?

Não demorou muito, numa das travessias, Bê calculou mal a saída, levantou antes da hora e deu com a cabeça na quina de concreto do túnel-rampa. Abriu a cabeça. Sangue demais, susto demais, choro demais... Havia uma ambulância do corpo de bombeiros a postos para situações como esta, três bombeiros muito atenciosos prestaram primeiros socorros. A enfermeira localizou um corte e indicou irmos para o pronto-socorro. Óbvio que iríamos mesmo, né? 9h30 da manhã. meia hora após chegar na festa, saíamos correndo, tremendo, enlouquecidos...

Chegamos ao PS, com Bê no meu colo, o sangramento tinha diminuido, ainda assim mãos, rosto, tudo sujo. Entramos direto para a emergência. Coisa boa esse PS infantil na emergência. Nem carteirinha ou nome da criança - ou do PLANO - foram solicitados. Tudo isso foi feito depois. Em primeiro lugar, cuidar do ferimento. Quando Vi entrou, após ter estacionado, Bê já estava sendo atendido, com limpeza iniciada. Tudo muito rápido, primeiro mundo! Pais muito satisfeitos com o atendimento nota 10. Dois pontos na cabeça e um rapazinho muito corajoso depois, solta a pérola:

- Ah, não gostei de entrar direto! Eu queria ficar lá fora esperando... Eu nem vi desenho!

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Aquilo que é o castigo de qualquer pai, ficar na sala de espera séculos, é a melhor parte do atendimento para ele: momento em que assiste desenhos do Cartoon (que não tem aqui em casa) e interage com outros melequentinhos... O que seria do PS infantil sem a troca de bactérias? 

Gente, fiquem tranquilos, passado o pânico, a tremedeira e a sensação de ter tomado uma surra ou corrido uma maratona... agora já está tudo bem. Se não estivesse eu não estaria aqui contando para vocês e rindo, né?

Beijos a todos, ótimo final de semana.
Tati.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Juma Marruá domesticada

Esta é minha participação na blogagem coletiva (ou terapia de grupo?) proposta pela Glorinha do Café com bolo, emoções e sentimentos.

Prato do dia: Raiva

Eu sempre fui a estressadinha, brigona, mal humorada do grupo. Isso desde que me lembro, ou desde que me contam... Ué, não é assim que você me vê? É que eu mudei! Um pouco... hehehe

Quando eu era criança brigava muito, e em geral meus oponentes eram meninos e mais velhos. Por que eu era corajosa mesmo! Me achava com isso... que feio...

Minha irmã era folgada, mexia com os outros, quando eles vinham tomar satisfação eu me colocava na frente e comprava a briga. Dia seguinte minha irmã já brincava novamente com seu desafeto enquanto eu, me tornava sua inimiga mortal, para sempre!

Por ser assim tive alguns apelidos como Mônica (e achei engraçado saber que a Beth chama a Glorinha assim), Juma Marruá (por que virava onça), entre outros. Todos nesta faixa...

As pessoas tinham medo de mim. Até minha mãe dizia isso. Meus berros eram mesmo assustadores! E até despedi uma empregada (aos 8 ou 9 anos de idade), por que favoreceu minha irmã em uma disputa, na qual ela estava errada, mas era fofa, né? Muitas coisas aconteceram ao longo dos anos. A maioria reforçava este meu estereótipo, do qual não gosto nada nada. É ruim ser a chata, zangada da história.

Demorei a entender algumas coisas. Já ouviu uma frase assim:
"O feliz agrada, o infeliz, agride". Conhece? Acho que existe um lado positivo na raiva, quando ela mobiliza a pessoa para mudar uma situação. Eu tenho uma amiga ultraquerida que usa a raiva a seu favor. Eu não sei fazer assim. Eu sou uma escorpiana que, como o animal, me enveneno nestas horas. A raiva, em mim, só faz mal. Sou lutadora, gosto de exigir meus direitos, muitas vezes apelo por exigir minhas vontades. Sou uma criança mimada, sei disso. E quero crescer neste sentido. Quando algo não me agrada, ou quando invadem meu espaço (motivo que mais me enfurece) eu tomo satisfação. E o faço com meus pais e com a corja de Brasília. Não tenho limites para isso. Vou em busca das minhas respostas, dos meus interesses. Que fique claro que respeito o espaço dos outros, e justamente por isso exijo que respeitem o meu. Eu não sou uma pessoa invasiva, folgada. Não costumo ser assim. Na adolescência meu fígado era uma bomba, puro veneno, muita raiva, uma menina com fumacinha sobre a cabeça.

Quando entrei para a faculdade, meus horizontes se alargaram. Lá eu era mesmo muito feliz! E as pessoas gostavam de mim, por que eu era sorridente, amiga, participativa, animada! Ainda não sei explicar muito bem o que faz toda a diferença. A liberdade, talvez. 

E fui mudando. Muita coisa ainda aconteceu neste período. Eu não me tornei um anjo de candura, entendam bem. Fui só melhorando aos poucos. E se tiver que me definir em um dos 7 pecados, infelizmente, o meu é a Ira. Não gosto nada disso, entendam bem. Não sou barraqueira, odeio espetáculos, na rua não me exponho assim, não exponho quem está comigo. É uma coisa mais interna. Só não deixo de exigir o que acho que me é devido. E o faço com, e por, justiça.

Quando me formei a música que minha turma escolheu para mim foi "Rindo à toa" do Fala Mansa. E isso foi surpresa para minha família, que me achava carrancuda.

Muito tempo ainda e muitas tempestades depois eu conheci o Vi. Me apaixonei, fui correspondida. E o Vi é a pessoa mais doce que conheço. Eu ainda era impetuosa demais, mais raivosa do que gostaria de ser, e muito impulsiva nestes meus rompantes.

Uma vez, numa discussão (em que eu discutia sozinha), estávamos sentados à mesa e eu empurrei uma caixa que estava na minha frente. Claro que não era esta minha intenção, mas a caixa encostou no cotovelo do Vi, que estava apoiado à mesa. Foi sem querer, no entanto, doeu.

Se fosse eu, tinha gritado um palavrão bem alto e rancoroso, e brigado mais ainda. Sabe o que ele fez? Gemeu um ai, que foi mais para ele que para mim, colocou a mão no cotovelo magoado e baixou a cabeça. Ele encerrou o ciclo de raiva ali. Eu me senti mal naquele momento, muito mal mesmo, por que não tinha motivo para grandes discussões (não faço mais ideia de qual era o motivo da peleja) e eu magoara o meu amor. Recuei, pedi desculpas. E hoje tomo muito mais cuidado ao agir, não apenas com o Vi, com todos.

Se eu ainda escorrego? Muito mais do que gostaria. Sei, entretanto, que estou melhorando. E isso me consola. O caminho é longo e árduo. Hoje eu sou muito mais feliz, e por isso é mais fácil agradar. Não sou infeliz, só que não sei lidar muito bem com frustrações e contrariedades (não falei que sou mimada?), nestas horas acabo deslizando até o comportamento que conheço melhor. A PNL tem me ajudado também. Existem técnicas que nos ajudam a mudar comportamentos inadequados, que não nos agradam. Ao sentir raiva, posso respirar fundo, pensar em coisas boas, olhar o lado da outra pessoa, entender que não fez por mal, etc. Tem muitas maneiras de mudar um padrão ancorado. Eu me esforço!
Meu professor de PNL, inclusive, dizia uma frase assim: "Sentir raiva é como tomar veneno e querer que o outro morra." E não é mesmo isso? O mais envenenado da história é o raivoso!

Que vocês não me abandonem depois de uma confissão como essa. Assumirmos certos defeitos, aqueles que mais nos machucam, é bem difícil e eu pensei, repensei. Escrevi há dias e venho ajeitando... preocupada de como este texto será recebido. Abrir nossa alma de maneira escancarada é assustador! Que o carinho que tenho recebido por aqui não deixe de acontecer. Olhar uma pessoa além das projeções que fazemos, e enxergá-la como realmente é, pode ser um balde de água fria. Mas esta sou eu!

Uma Juma Marruá domesticada ainda pode virar onça.

Beijos a todos,
Tati.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Era fácil ser Platão com Sócrates como tutor...


Fico me perguntando onde foram parar os grandes tutores. Não estes dos famosos EADs, nem aqueles das monitorias, mas os tutores de vida mesmo. Que acompanhavam os passos de seus discípulos (finge que você não sabe que Sócrates odiava o termo discípulo, tá bem?)

Ontem eu tive uma reunião com aquele que posso chamar de Mestre, com maiúscula. Foi meu professor na graduação e o procuro sempre que o caldo desanda ou que a dúvida aperta. Tivemos uma conversa ótima, agradável, sobre a minha vida. Ele estava ali para isso naquela hora. Ele se dispôs, como um amigo. Amigo profissional, não aquele amigo com quem a gente senta numa mesa de bar, nem daqueles que convidamos para o almoço. Há mais reverência e menos descontração. Nem por isso é menos agradável. Ele me disse que estou no caminho certo. Ouvir isso de alguém que admiramos como profissional e como ser humano é incrível! Muda o dia e o rumo da prosa.

Foi bom, voltei renovada para casa. Ele não me disse claramente qual o próximo passo, fez as perguntas que eu tenho que me responder, sem impor suas vontades e ideias pessoais. Por que o que é bom para o outro pode não ser o melhor para mim, por mais que este outro pense que me conhece. Ofereceu-se para me ajudar a abrir alguns caminhos, iniciar os contatos. O que pode ser a diferença entre um sim e um não.

Saí de lá com algumas diretrizes e bases, com um sorriso leve, de quem aliviou o fardo. Algumas questões desanuviaram. Simples assim. Com ele tratei de uma parte da minha vida profissional. Não entrei em outras questões, não há espaço para tanto. Ele não é meu tutor, é um profissional requisitado, atarefado, bem resolvido, que atendeu uma aluna, sua eterna aluna e aprendiz. 

Gratidão em meu coração, leveza em minha mente. Muitas coisas a resolver, a colocar em prática. Quando eu for a profissional que imagino que serei, quero me lembrar deste dia, destas ocasiões, das palavras do professor Serra-Freire que tão fundo me marcaram, não apenas ontem, nos últimos 14 anos. Quero poder oferecer a oportunidade que ele me deu, de ouvir conselhos exclusivos. De poder dizer a alguém: Você está no caminho certo. Segue em frente! E mudar o astral desta pessoa.

Hoje há tanto a digerir e tanto a aplicar... Que os passos dados me levem ao destino ansiado. 

Beijos a todos,
Tati.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Ri melhor quem ri... mais tempo


Ano passado participei de um Congresso em Recife, num período que incluiu o feriado de finados. Cidade lotada!!! Não conhecia e aproveitei para visitá-la. Um dia fomos a Olinda. Que é lindíssima!! Pegamos um taxi até o alto da Sé e fomos descendo, caminhando. Era este dia, 2 de novembro. 

O governo de Pernambuco está fazendo um ótimo trabalho de estímulo ao turismo na cidade, que é muito pobre. Meninos são treinados para atuarem como guias, e conhecem todos os pontos turisticos. Fomos alertadas para tomar cuidado, por que eles se valem da esperteza e te guiam sem você pedir, depois cobram! Ai... jeitinho brasileiro... quando você vai acabar?

Muitas casas antigas, tombadas, são transformadas em atelies, com belos artesanatos da terra. Vimos coisas lindas! Outros tornaram-se restaurantes. Em muitos a sala é o ateliê e atrás é residência. Umas amigas contaram que foram comprar algum souvenir e, enquanto a mulher as atendia, um homem, atrás, sentado no sofá cortava as unhas... cena bizarra!! kkk

Mas o que quero contar, e que me faz pensar até hoje, quase um ano depois, foi uma situação experimentada lá. Muitos dos atelies estavam fechados neste dia, vários restaurantes também. Inclusive o melhor, aquele que nos fora ultra recomendado. Andamos até ele, pelas ladeiras e... fechado!! Acabamos almoçando em outro, bem gostoso também. Uma casa simples, aconchegante, limpa, decorada com arte local. Super agradável.

Andávamos muito, e tantas coisas fechadas... Existe uma casa que é de apoio ao turista. Fomos até lá, rindo, na dúvida se estaria aberta ou não. Chegando lá (estava aberta!), perguntei à atendente por que tantas casas fechadas e ela, com uma voz que dizia o óbvio:
É que hoje é fÉriado... 
- Ah, é... como não pensei nisso antes

hahaha
Dei risada por longo tempo daquela situação. Quer dizer que as casas que vendem para turistas fecham no feriado? kkkkk

Estes momentos tem cor, cheiro e som
Agora, outro dia, brincando com o Vi, tornei a falar neste assunto. E... um clique!
Peraí! Quem será que está errado? Será mesmo que a melhor forma de pensar é esta nossa, de cidade grande, de gente estressada, sem tempo para curtir família e casa, sempre lotados de tarefas, sem espaço na agenda para o que realmente importa? Como se aquela frase "o trabalho enobrece o homem" fizesse mesmo tanto sentido...

Quem enobrece o homem são os laços de amor que constrói, suas relações, a sua capacidade de distribuir alegria, de ser solidário, generoso... E quando vivemos contra o relógio nada disso é possível! A maneira como lidamos com o trabalho é atrasada, resquicios de um discurso pela riqueza do país. Como assim? Quem disse que quero acabar com minha vida para enriquecer o Brasil? Para encher os bolsos e as cuecas daqueles que viajam e aproveitam o que EU produzo de riquezas? Esse discurso precisa ser repensado. Quem o proferiu? E para quem foi proferido?

Me lembrei de quantas vezes vi alguém que gosto, relativamente próximo em uma rua, e passei direto, com medo de ser vista, por que estava atrasada. Atrasada para quê? Vou viver quando? Esperar ter 70-80 anos e dias à espera do fim? Como assim? Perder a oportunidade do abraço em uma amiga querida, da risada, do bate papo alegre... por tarefas enfadonhas?

Quantas vezes recusei encontros com amigos por estar lotada de coisas a fazer? Cadê estas tarefas? Por que elas não me deixam assim, tão repleta? Quando penso em coisas que me fazem sorrir, não penso nas tarefas. Penso nos momentos com amigos e família, nos sorvetes no fim de tarde, na água gelada do mar molhando meus pés... E por que sempre negligencio esta parte por aquelas de urgência e emergência, que descem no ralo da mente? 

Ontem eu não vi o Bê. Ele saiu dormindo para a escola, fiquei em casa, muito trabalho para fazer, só parei na hora de preparar o jantar. Quando os meninos chegaram, Bê chegou dormindo. E foi até hoje de manhã... Estou arrasada daqui. Tive pesadelos com ele que nem quero contar, por que dói só de pensar... E pelo que? Onde este trabalho todo se reverterá em boas lembranças?

Ops... De repente, o jeito de pensar daquela gente simples fez sentido em mim. Hoje, eu prefiro curtir o fÉriado. Aproveitar o tempo com aqueles que eu amo, que fazem diferença em minha vida e me fazem uma pessoa feliz! Ainda não consegui achar o ponto de equilibrio, mas estou em busca dele...

E você? Como tem vivido sua vida?

Beijos a todos,
Tati.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Pergunta difícil de responder


A pergunta só varia na introdução, na chamada do interlocutor: Já foi para mãe, professora, avó e nem sei se a mais alguém já foi endereçada. Vou dar a versão-mãe, que é a minha (o resto da pergunta não varia, tá bem?)

E a resposta, até onde sei, é sempre uma cara sem palavras esclarecedoras. Por isso a pergunta segue se repetindo. Prontos?

- Mãe, o que é meteoro da paixão?

E aí? Como se responde, de forma satisfatória para um garotinho de 5 anos, algo assim?

Beijos,
Tati.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Rebelando


Hoje estou ferida de morte!
Posso ouvir de muita gente que não devo me abalar, que não devo levar a sério ou em consideração, mas quer saber? O dia em que uma coisa dita pelo Bê não me afetar, nada mais afetará. Por que não há no mundo uma pessoa que eu ame tanto e que eu queira tanto fazer feliz. Por que o abraço de ninguém faz por mim o que o dele faz, e não há covinhas de sorriso capazes de aquecer meu coração como as dele me aquecem. Quando digo que ele tem um sorriso que ilumina o mundo, quero dizer que ilumina meu mundo, e não importa se o dia esta nublado ou com chuva torrencial... 

Então, quando ele me destrata de alguma forma, quando me recusa, me rejeita, isso acaba comigo sim! E nestas horas não sei como agir. Dá vontade de ter uma atitude bem madura: arrumar a mochilinha e fugir de casa! Dá vontade de me trancar no quarto e me acabar de chorar, de ficar de mal, de dizer "não sou mais sua amiga" e cortar dedinhos. Mas sou mãe e estas atitudes não são possíveis, não são permitidas no meu mundo-adulto-que-deve-agir-sempre-com-firmeza

Tá, então me explica, na prática, como a gente age com um garotinho de 5 anos que decide que você não é mais o brigadeiro da festa? Que diz que é chato morar com você, e que fica triste quando o busca na escola? Que faz as coisas simplesmente para afrontar. Eu sei que o motivo é este, mas não sei como fingir que ele não atingiu a meta. Ele sempre atinge! Não estou dizendo daqueles dias esporádicos em que prefere dormir com o pai. Não, não é destes dias que falo.

Já haviam me contado que tinha uma tal de adolescência da infância, nesta fase entre 5 e 6 anos, que era difícil, que contestava. Achei que entenderia, afinal, sou adulta, né? Cadê?

Podem ainda me dizer que é normal, mas não foi assim que eu vi no comercial de margarina, nem em nenhum daqueles comerciais de dia das mães, com mulheres lindas, cabelos ao vento, e múltiplos sorrisos felizes. O encantamento. Ah, saudade do olhar encantado, da certeza de ser a mãe-centro-do-mundo...

Estou aqui, com o coração apertado, questionando se tudo o que fiz até hoje foi válido. E na certeza que ser tia é muito melhor! Tia é tudo de bom: dá presente, brinca, se joga no chão, transgride regras e coloca o indicador na frente da boca em bico, numa atitude cúmplice que diz "não conte prá mamãe que a gente fez isso, tá bem?" E a tia é um barato! Tia não manda comer legume, tia não briga para fazer lição, tia oferece sorvete, dança tchutchucão na frente da TV de uma forma engraçada, cria umas brincadeiras só dela, mas não manda pro banho no melhor da festa, não tira o direito ao computador. Tia se preocupa com o futuro do sobrinho, mas não precisa pensar no preço da mensalidade e se sobra algo para abrir uma poupança. Tia não manda dormir, aliás, tia dorme a noite toda, come comida quente com suco gelado, se serve do melhor pedaço da torta sem culpa. Tia não tem culpa! Tia viaja e traz presentes legais, tia leva ao cinema e é uma curtição, não há cobranças nem represálias ao comportamento, mesmo que não muito adequado. Ah, quero ser tia do meu filho, isso sim. Alguém quer adotá-lo nestas condições? 

Hoje eu queria sumir e só voltar na próxima fase. Hoje eu queria ouvi-lo dizer algo simpático, só para amenizar os últimos dias. Hoje eu queria acreditar que estou no caminho certo e que vai passar, passar para melhor. 

Será?

Beijos,
Tati.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Ainda sobre o mesmo


Pois é, tenho andado em círculos. Na verdade vejo que minha vida foi sempre vivida em espirais. Passa um tempo, vejo o mesmo cenário, de uma rotação diferente, como se andasse sobre uma hélice (uma fita de DNA?). A certeza é de estar sempre subindo. Há aprendizados em todas as coisas. Muitas vezes me dou conta que dei uma volta enorme para chegar ao mesmo ponto, só que chego diferente de quem eu era da primeira vez, e o desenrolar da história, claro, é diferente. Por que eu sou outra, mesmo sendo a mesma. 

Percebi isso há anos, e vejo que continua acontecendo. Pode ser por que meus sonhos são os mesmos, ainda que amadurecidos. Pode ser por que sou ansiosa e atropelo alguns passos, tendo que retornar para corrigi-los, não importa. Eu retorno! E retorno! E vivo algumas sensações novamente, só que tudo diferente.

Estou vivendo as mesmas emoções de pouco mais de 2 anos atrás, numa posição bem diferente e estranhamente, tudo igual. Não mudei o que queria mudar, em alguns aspectos, mas mudei tudo. Até de casa, em outros. E retorno aos sonhos desta época, por que não os esqueci, apenas guardei para mais tarde. Sei que preciso realizá-los, colocar em prática, para que não precise retornar a eles daqui a mais alguns anos. Também sei que não preciso me angustiar, se não acontecer agora, seja pelo que for, eles ficarão latentes e virão a mim em outro momento, e em outro e outro, nas suas ondas, nas circunvoluções da minha escada, até que seja o momento ideal e eu possa alcança-los. Basta saber domar a ansiedade. Basta confiar, acreditar, que vai acontecer. Sempre acontece!

Tenho a sensação de que tudo que eu peço me chega. Às vezes um pedido, às vezes uma resposta. Mas vem rápido, tão rápido que não dá tempo de esquecer. Em algumas situações, como uma grande bofetada, que me coloca no lugar certo. Mas não é bem bofetada, é como uma conversa de pai, alguém que me coloca de frente para o espelho e põe as coisas em perspectiva. E para que entendam vou relatar duas situações bizarras, mas marcantes, de minha vida.

Eu sou pequena para o tamanho que já quis ter. Hoje gosto, mas teve fase de querer ter uns centímetros a mais. Então estava num ônibus, olhando minhas pernas na calça jeans, e projetando meus joelhos na posicão em que estariam se eu tivesse os tais centímetros. Imaginava minha perna alongada, o quanto aquilo me deixaria mais proporcional e tal. E já visualizava aquela pernona, em sonhos de Ana Hickmann . Eis que entra um passageiro e senta no banco da minha frente. Ao sentar, forte e pesado, o banco moveu-se um tanto para trás. Sorte ter meus 1,63 e estar onde estava. Se meus joelhos estivessem na posição imaginada, estaria eu vendo estrelinhas, teria batido em mim e poderia me machucar. Entendi o recado na hora e agradeci meu tamanho ideal! 

Na outra situação, estava em casa, dentro de meu quarto de solteira, que era equipado com aparelho de som, computador, TV e cama de casal, além de um belo guarda-roupas embutido e ar condicionado. Tudo fofo, amplo, confortável, do meu jeito, mas... meu computador era velhinho e minha impressora estava com problemas, manchava o papel, deixava tudo borrado! E eu tinha um trabalho importante para entregar no dia seguinte. Imprimia, tentava resolver, manchava... tentava limpar, imprimia de novo, puxava torto, manchava e amassava... um horror! Comecei a chorar (sou tããão dramática sempre...), maldizer o computador, que como eu poderia progredir se não tinha os equipamentos certos, que aquilo não era vida e choros, suspiros, resmungos, auto piedade... Então, do nada, no Jornal da Globo (aquele, antes do Jô Soares), uma reportagem que nunca mais encontrei: Dizia que um menino tinha ganho um computador num concurso e pedia para trocar por uma cama! Sim, isso mesmo!!! 

Olhei ao meu redor e comecei a agradecer: agradeci pelo teto, pelo edredom, pela cama espaçosa, com lençois limpos e travesseiro fofo, pelo computador, que mesmo velhinho, funcionava, ... e assim foi!
Sentei na cadeira, imprimi torto e manchado, grampeei e entreguei, na manhã seguinte, o trabalho bem escrito mas mal impresso. Tive uma boa nota. Não foi um 10, mas foi boa. Onde perdi ponto? Certamente não foi nas manchas do papel... 

E assim acontece sempre comigo. E agora um momento que deixei passar aparece como nova opção de vida. Faltam poucas coisas para que se encaixe, eu preciso me acalmar para aguardar por elas. Não posso ficar parada, de braços cruzados, ou vivendo o que ainda está na prateleira. Tenho que viver os pacotes abertos que já me rodeiam. E viver feliz, em paz, por que sei que estou acalentada. Que tudo vem na hora certa, e nunca deixa de vir! Estarei atenta apenas para não perder a oportunidade, por que ouvi uma vez que oportunidades nunca são perdidas, sempre há alguém que vai aproveitá-las se você deixou passar!

É isso. Um texto longo e confuso, mas que deixou minha mente mais leve e organizada. Uma reciclagem das  ideias que se esparramam sem nexo, sem normas dentro de mim. 

Um beijo a todos,

Tati.

A bonequinha é daqui