Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

Mostrando postagens com marcador novas ideias sobre velhas questões. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador novas ideias sobre velhas questões. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Tudo é uma questão de como se fala...

Às vezes, coisas que parecem ruins ou negativas, podem transmutar-se em ótimas situações. Tudo depende de como as encaramos e das palavras que usamos.
daqui

Ontem esqueci de mandar lanche para o Bê. Coisas de uma mãe que nunca precisou se preocupar com isso. Filho sempre no integral, e desde o início do mês mudou de rotina...

Quase 15h (horário do lanche), me dou conta! Liguei correndo para a escola, que graças à Deus é uma escola pequena, e pedi ao funcionário - e nosso amigo- que liberasse o lanche que eu pagaria na saída. Ufa! Situação resolvida, mas a mãe, né? Mãe se acha uó quando isso acontece...

Então hoje de manhã Bê resolve abordar o assunto.

- Mãe, ontem achei que você tinha esquecido meu lanche!
- Poxa filho, desculpa! Já pensou. Eu tinha esquecido, mais aí liguei... blá, blá, blá.
- Daí a Laura (amiguinha fada de turma) disse para eu ver que você podia ter deixado pago. Eu perguntei, mas por que ela faria isso? E a Laura respondeu "São surpresas que as mães fazem". E abriu um sorriso maravilhoso e agradecido pela surpresa inesperada.

Fiquei apaixonada! Que desfecho maravilhoso para uma trapalhada materna. Nada como as crianças de hoje em dia para mudar o rumo das histórias, né?

Agora aprendi mais uma. Vez ou outra farei uma "surpresa de mãe". Problema resolvido!

Beijos a todos, acho que estou voltando!!!

Tati.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Alegria ou felicidade?

Escrevi este texto no início de março deste ano. Numa fase bem difícil. Na época foi impossível publicá-lo, por que ele estava à flor da pele. Agora a realidade já é outra, mas pensei que ele pode ajudar outras pessoas a se entenderem. Será?

Então, divido com vocês um pouco dos meus pensamentos passados, mas com conclusões mais do que atuais. Um beijo a todos e vamos viver a felicidade, mas sem esquecer da alegria!

Quantas vezes já nos deparamos com textos que separam o joio do trigo? Desmistificam a busca desenfreada pela alegria como caminho para atingir a felicidade. Isso não é novidade para ninguém, certo?

A questão com a qual me deparei, e que, de alguma forma me surpreendeu, foi perceber que sou feliz. Tá, isso eu já sabia. E ser feliz independe de fatores externos. É uma questão interna, pessoal, intransferível. É e pronto. Eu sei que sou feliz, mesmo quando as coisas não estão lá tão boas. Eu sei isso dentro de mim. Sei que fases mais fáceis e mais difíceis revezam-se em nossas vidas e que precisamos aprender a lidar com estas estações. Ser feliz está ali, mesmo quando estamos tristes. E esta dúvida nunca me assolou. Nunca me senti infeliz (tá, provavelmente na adolescência eu me sentia assim com frequência, mas depois não.).

Então outro dia me dei conta que faz tempo que a alegria se despediu de mim. Quer dizer, foi ano passado, mas eu não tinha me dado conta! Sim, continuo sendo feliz, mas estou sem alegria. Dá para entender? Rir já não é tão fácil e espontâneo. Claro que ainda sou capaz de rir, só que tenho rido mais com os lábios que com as emoções. E isso desencadeia coisas como estresse, dor na cervical, enxaqueca, crises de choro...

E então fui buscar a fonte. E entendi que ser feliz é intrínseco, a felicidade está dentro de nós e independe de fatores, mas a alegria não. Ela vem do convívio. E depois que comecei a trabalhar de casa, piorando quando deixei meu trabalho, reduzi o convívio com pessoas. Meu mundo já não é mais o das ideias, não como eram antes. Eu amo trabalhar, pensar, ter ideias, colocá-las em prática... Estou sentindo tanta falta disso... Minha alegria foi embora, sem que eu sequer percebesse. Só me dei conta agora, há pouco tempo. Venho pensando na maneira de falar sobre isso por aqui, mas é tão difícil explicar, nem sei também se estou disposta a ouvir comentários não tão gentis (quando a gente expõe algo que não está muito bem resolvido alguns comentários são cruéis...). Mas eu queria dividir, até por que é aí que reside minha alegria. E quero resgatá-la. Como sou feliz tenho materia prima para me reconstruir, não importa quantas vezes eu tropece, eu me quebre.

Voltar a trabalhar é minha meta. De preferência no que gosto, no que sei. Mas se as portas não se abrirem, preciso de novos caminhos, de novas possibilidades. E tenho perdido a coragem para lutar. A cada negativa, a cada vez que me sinto colocada em banho maria, eu esfrio, eu desacredito em mim. Será mesmo que esta capacidade que gostam de me atribuir existe mesmo? Às vezes acho que sou uma fraude, propaganda enganosa, sei lá. Se sou assim tão boa e talentosa, por que não me absorvem? Por que minha produção não aponta para isso?

Então é hora de apelar para o Ser Feliz, naquele jeito de reconstrução total. Encontrando a causa, mergulhar de cabeça. 

Este texto foi escrito no auge do meu período sombrio, quando estava 24h em casa. Agora já não é mais assim. Ainda não estou como quero, mas estou no caminho. E enfim o convívio com pessoas já é uma realidade outra vez. Incrível a diferença que isso pode fazer em nossas vidas. Somos seres gregários. Não é qualquer um que pode tornar-se ermitão, morar isolado em uma montanha... A gente murcha sem a troca de energia... Não se isole!!!

É isso! Vamos compartilhar sempre. É o que viemos fazer aqui: aprender a conviver!!!

Beijos a todos com muito carinho,
Tati.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Ousadia

"Minha vontade é de romper com conceitos e toda a ordem estabelecida, mas então eu pondero. Pondero e fico ali, parecendo uma pessoa sensata e cheia de juízo(?), enquanto na realidade o que penso é bem o contrário do que vivo". 



Este parágrafo é parte do comentário que deixei para o Cacá e que rendeu o post passado. Então depois que escrevi ainda passei um tempo pensando. E me dei conta do quanto, irrefletidamente, fiz isso minha vida inteira. Eu sei onde estão minhas asas, mas eu sempre fugi delas, por medo de enlouquecer. Não enlouquecer em sentido figurado, mas medo da loucura, doenças psiquiátrica mesmo. Que loucura me dar conta disso agora! É tão libertador!!

Em muitas áreas da minha vida eu fiz assim. Foram sempre escolhas. Desde os amigos, os esportes, relacionamentos e questões profissionais. Eu sempre me encarcerei. Estou sempre aparando meus galhos, minhas asas. Eu me engaiolo o tempo inteiro. Sabia que fazia isso nos meus relacionamentos, não como gaiolas, mas como ninho. Eu sempre busquei pessoas que me dessem âncoras, um norte, por que sempre me senti tão perdida, sem estrutura... 

Então optei por me apaixonar (e casar) com a melhor pessoa que conheço. E se você o conhece sabe que não é adulação o que estou dizendo. Mas também a pessoa mais calma, tranquila e equilibrada que já encontrei. E tentei aprender com ele a ser assim, só que na verdade eu nunca quis ser pacata, eu só tinha medo de expor esta explosão que mora em mim. 

Sabe quando de repente tudo faz sentido? O período do final do ano passado e início deste ano,  a angústia, a sensação de estar perdida, um grito que não dava mais para sufocar. Ele sairia sozinho se eu não o libertasse. Então a sensação de estar sem esqueleto. Que não saí contando por aí por que era difícil até para mim de entender. Mas agora está claro demais! Estou escrevendo um tanto eufórica em enxergar tudo isso. Talvez você não consiga entender, não sei. É que abriu a cortina e tudo fez sentido. Eu perdi o medo. Não tenho mais medo de ser quem sou, de mostrar O QUE sou! E nem do julgamento que possa sofrer. Faz parte, é um risco que se corre. 

Outro dia estava conversando com o Vi sobre ousadia. Eu tenho enorme admiração por pessoas ousadas. Talvez por que, lá no fundo, eu soubesse o quanto desejava ser assim. E posso ser! Quando eu achava que outros estavam tolhindo minha liberdade não me dava conta que quem a tolhia era eu! Eu criei as muralhas e os alicerces, as algemas e amarras. Só eu posso soltá-las e é o que estou fazendo neste momento. Venho fazendo este tempo todo sem me dar conta. Agora é consciente, o que ajuda muito na caminhada.

Meu trabalho atual ajudou na reflexão e em breve vou contar tudo isso para vocês. É muito interessante e um julgamento que vivi me fez olhar para mim com olhos externos para então entender o que os olhos internos teimavam em não ver. Alê Nascimento, você tem noção do quanto isso está sendo interessante?

Não tenho mais medo dos livros que evitei, dos assuntos que encerrava antes de concluir, de estudar o que me fará refletir mais e mais. Não tenho mais medo de ouvir a opinião do outro, por mais divergente que seja da minha.  E principalmente, a partir de agora, vou domar meu medo de não aceitar esta opinião, seja ela de quem for. Ousarei tomar minhas próprias decisões, levem-me elas onde me levarem.
Eu sou assim, e isso é ótimo!

Beijos a todos,
Tati.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Um brinde ao Arcanjo

Não é novidade, para o Cacá, minha admiração pelo Arcanjo Isabelito Salustiano. Ele é um homem que não teve uma vida nada fácil, mas supera, segue em frente. E tem uma visão muito particular do mundo, tornando-o uma espécie de estrangeiro em sua própria terra. Sua maneira de falar naturalmente sobre as coisas nada naturais, estranhas, ou de ver com estranheza o óbvio, nos faz pensar. Ele nos mostra, de outra forma, o comum, o cotidiano, sabe como? E te faz repensar aquelas coisas que são reproduzidas sem qualquer questionamento, às vezes pela vida inteira.

Não o conhece? Então eu te convido a conhecer o Cacá ou José Cláudio Adão. Eles não estão plagiando um ao outro, são a mesma pessoa, está bem? Sabendo que esta confusão já aconteceu, esclareço antes que aconteça de novo! Rsrs

Arcanjo Isabelito Salustiano é um personagem que o Cacá permitiu vir à vida, sim, por que tenho certeza que ele tem vida própria em alguma dimensão por aí. Tem dúvidas? Leia esta fantástica entrevista com o cara. Talvez seja minha postagem favorita dentre tantas do Cacá (e olha que sou muito fã dos seus escritos). 

Então estou feliz demais em saber que ele dá nome ao novo livro do escritor José Cláudio Adão. Um autor talentoso, inteligente, espirituoso. É um livro de crônicas e está à venda pela Seven Virtual Books. Ah, tem um recurso muito interessante também na loja virtual. Você pode alugar o livro! Como assim? Você pode pagar um valor baixo pelo download e ler no próprio computador por um período determinado. Eu quero comprar o meu e estou pensando numa forma de possibilitar que ele venha autografado. Idéias?

Para finalizar quero dizer a meu amigo Cacá que estou feliz e orgulhosa em saber de sua nova obra. Estou também curiosa por ler suas crônicas. Ah, e ansiosa por compartilhá-las. Por que uma coisa que a gente precisa fazer neste mundo cada vez mais banalizado, que dá tanto valor à mediocridade, é difundir a cultura, a inteligência, o bom hábito de pensar. E isso há de sobra em suas palavras.

Parabéns Cacá!   

Amigos, não deixem de conhecê-lo. Vale muito à pena. Comecem pelo ótimo blog Uai, mundo? (é, ele é mineiro... rsrs) e, caso se apaixonem por seus escritos como eu, partam para o livro, ou os livros... 

Não viu os links? Eu facilito as coisas:

Uai, mundo: O Blog do Cacá aqui
Entrevista com o Arcanjo aqui
Seven Editora Virtual aqui 

Beijos a todos,
Tati.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Mãe insuficiente?

Chegou a hora de contar uma história muito difícil. Só quem já passou (ou está passando) por isso sabe do que se trata. Já ensaiei muitas vezes falar no assunto, mas sempre mudava de ideia. Por que há situações em nossas vidas que nos machucam de tal maneira... 

O Bê nasceu prematuro, mas com bom peso, como já contei outras vezes. E foi para casa no dia correto, junto comigo. Eu acalentei sonhos de amamentação, de ser uma vaca leiteira. Aliás, eu morava ao lado de uma amiga que jorrava leite mesmo com protetor de seio. Minha irmã, que tinha menos seios que eu, tinha amamentado até 2 anos. Meu sobrinho cresceu forte, saudável, só no peito. Ela doava leite para uma maternidade pública. Um orgulho! Eu também sonhei com isso. Afinal, a boa mãe, a mãe esclarecida, amamenta, não é? Só que a realidade pode ser um pouco diferente.

Entendam que meu texto NÃO é contra amamentação. Sou super favorável a ela, adoraria ter amamentado meu filho e vê-lo engordar SÓ com meu leite. A realidade não foi assim e quase matei meu filho por isso.

Quando eu tinha 16 anos fiz uma redução de mama. Eu tinha seios gigantes em uma época em que isso não era "moda", dificílimo encontrar sutiãs e eu era esportista, magrinha de seios enormes, que me atrapalhavam no esporte que era minha vida. Tenho certeza que se me contassem o que eu viveria aos 29 anos eu teria feito mesmo assim (eu tinha 16!).

A questão é: quando o Bê nasceu eu segui todas as instruções, ele mamava e dormia, eu feliz. Então fomos para a primeira consulta, de uma semana. E ele tinha perdido peso demais. A primeira pediatra - uma louca! - resolveu passar suplemento e umas pílulas para diluir nele, que depois fiquei sabendo é uma espécie de anabolizante. Comprei, mas não usei. Trocamos de pediatra. 

O novo pediatra se envolveu na minha luta para amamentar, e consegui chegar aos 8 meses, mas não somente. Tive que suplementar. Até me convencerem a usar a mamadeira, e devo isso ao Dr Mario (pediatra) meu filho quase morreu. Quase morreu de fome! Dói contar isso. Mas eu fiz pelo melhor. Eu queria muito fazer a coisa certa. Sou pesquisadora, fui em busca de respostas. Não saía de casa, mas internet ajuda, existem muitos materiais técnicos, científicos nela. Em todos, as únicas respostas que encontrei diziam coisas assim: "Não existe leite fraco"; "toda mãe tem o leite necessário para seu filho" "filho que mama no peito sente-me mais amado, é mais inteligente, desenvolve-se melhor, fala mais cedo...". Existem quadrinhos comparatórios entre os dois tipos de criança e a criança suplementada é quase o cocô do cavalo do bandido... A mãe? Ah, difícil não sentir-se como eu me sentia: mãe insuficiente. Tenho alguns textos-desabafo bem fortes escritos nesta época, mas fica para outra ocasião.

Deixei muitas vezes o Bê no colo do Vi, após mamadas frustrantes, para chorar angustiada, sentindo-me a pior mãe do mundo por não ser capaz de uma coisa tão natural. Se toda mãe tem o leite suficiente e eu, apesar dos esforços, não conseguia, que tipo de mãe era eu?

Todos os esforços mesmo! Mate da leite? Litros e litros. Canjica da leite? toneladas! Plasil aumenta o leite? Três dias seguidos a cada duas semanas (por recomendação do pediatra, que fique claro). Até cápsulas de alfafa eu tomei, na intenção de parecer-me com uma vaca, por suposto... Ah, e tome de aspirar ocitocina!

O que sei é que tomei aversão à latinha de leite, como se ela fosse minha rival, minha inimiga. Ela era capaz de fazer pelo meu filho o que eu não fazia. Ela era melhor mãe que eu, mesmo que todo o resto ficasse para mim. Por que não há símbolo maior da maternidade do que a amamentação. A birra acirrou-se de tal forma que o Vi assumiu as mamadeiras. Duas diárias, o resto do tempo eu lutava para mantê-lo no peito. Não sei se foi bom, por que foi sofrido demais. Se hoje tivesse outro filho relaxaria e daria leite em pó sim, de forma mais feliz e relaxada. Não sofreria na véspera de consultas semanais como sofri por 4 meses, como se estivesse diante de um exame para o qual não estudei. O medo da balança, do Bê não ter atingido o peso estipulado, era aterrorizante!  Me tirava o sono. O período na sala de espera do pediatra era um calvário, sempre na expectativa que ele aumentasse o número de mamadeiras no período, que reprovasse ainda mais meu leite. 

Hoje uma amiga está passando por situação semelhante e eu queria dizer isso para ela. Dizer o que ninguém me disse, muito menos quem deveria informar: Meu filho sabe-se amado, falou mais cedo que a maioria, inclusive que o vizinho que só mamou no peito, aquele cuja mãe jorrava leite, é feliz, inteligente, magro, mas saudável, por que é um dos mais altos da turma. Não tem qualquer problema de dicção. Teve uma única gastroenterite em toda sua vida, aos três anos de idade, por um vírus que pegou no hospital. Hoje vejo que estas pesquisas, que direcionam à amamentação, e são válidas, são alarmistas, sim! Elas excluem mães que, como eu ou como a Rosi, em seu Mundinho Particular, não tiveram condições de amamentar exclusivamente. Existe leite fraco, existe leite insuficiente, não devemos tornar uma mãe insuficiente só por isso. A gente pode suprir esta falta de leite materno com mamadeiras oferecidas com amor, com tempo para nos dedicarmos ao filho. Há outras muitas formas de sermos boas mães. Um filho RN já é estresse suficiente para criarmos novos. Podemos encontrar mais leveza nesta nova fase de nossas vidas. Dedicarmo-nos mais à parte boa, ao aconchego, à felicidade que está ali. 

Talvez eu não esteja contando esta história da maneira como gostaria. Ela foi uma luta tão intensa, quando poderia ter sido algo mais leve. Eu poderia ter matado meu filho, que muitas vezes chorou de fome! Fazem ideia do que é isso? Claro que na época eu não entendia. Eu colocava no peito, por duas, três horas seguidas. E repetia: "não existe leite fraco" para todos que tentassem me dissuadir desta insanidade: Minha mãe, o Vi. Eu tinha certeza que assim que eu sucumbisse, que passasse para a mamadeira, encontraria a resposta, e não teria como voltar atrás. Por que há quem diga que criança que experimenta mamadeira desiste do peito. Com a gente não foi assim. Em casa o Bê mamava nos dois, e só dispensou meu peito, aos 8 meses, quando já nem gota saía direito. A mamadeira ele largou mais tarde, aos três anos. Mas aí ela já era minha aliada.

A parte boa de tudo isso? O Vi "amamentou" o Bê. Com isso, tornou-se um pãe. Estreitou laços, fortaleceu a relação. A intimidade entre os dois não deve em nada à intimidade mãe-filho. Hoje estou falando sobre isso, mesmo sem refletir mais e amadurecer o texto por que estou solidária à Rosi. Sei exatamente o que ela está vivendo por que vivi na pele. E tudo que eu queria, naquela época, era uma pessoa que me dissesse que tudo ficaria bem, que meu filho não perderia em nada por ser suplementado. Que eu era uma grande mãe em cuidar dele da melhor forma que eu tinha, com amor.

Rosi, você é uma grande mãe. E o Dudu tem sorte em tê-la ao lado dele. Não é o peito que nos faz mães, não é a amamentação que passará valores, qualidades, entendimentos. Há outras formas de exercer nosso amor aos filhos, tão ricas quanto o leite. Estou a seu lado. Conte comigo para o que puder te ajudar!

Beijos a todos,
Tati.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

É dando que se recebe

Oi pessoas queridas,
Não tenho conseguido conciliar o tempo de blogar. O Bê está de férias e, geralmente, madruga. Eu gostava de acordar cedo, escrever, postar e visitar na parte da manhã. De noite ando um caco... Vou me organizar para estes novos tempos. Hoje o Bê acordou de madrugada e voltou a dormir às 6h, acho que tenho um tempinho...

Quero compartilhar com vocês uns pensamentos que andam me rodeando. Para começar contar que passamos a virada em um local onde não tem fogos! YEEESS! Do jeito que gostamos. Estávamos num sítio, em Itamonte, encravado na Serra da Mantiqueira, dá para imaginar a delícia? Para quem, como a gente, adora mato, é claro!

O maior conforto era a companhia, maravilhosa, da família da minha amiga Martha. A Martha é a dinda do Bê, uma das maiores amigas da minha vida e está morando na Costa Rica (espero que só até 2012) e veio passar um mês de férias. Foi maravilhoso! Voltamos com uma sensação de transbordamento. A tia da Martha - dona do sítio - trabalha/estuda Permacultura, o que muito me interessa, já que um dos meus campos de estudo é agroecologia. A conversa nestes dias de retiro foi estimulante, intensa, animada, tão descontraída quanto enriquecedora. 

Juntando com tudo o que tenho observado, por aqui e pela vida, percebo que estamos caminhando para um ano mais intuitivo. Será que é só impressão minha? Percebo um movimento em direção à sensibilidade, ao auto-conhecimento, não só em mim, mas nas pessoas com as quais convivo (claro que não todas). Isso é um sacudir de tapetes, levanta muita poeira! Mas não há faxina boa sem arrastar de móveis...

Daí eu chego no título do post. A lei da doação: "Quanto mais se dá, mais se recebe". Acredito muito nela, só não tenho entendido como recebo tanto... É que acho que não me doo (assim mesmo, sem acento...) com toda esta intensidade com que recebo. A vida tem me presenteado demais! Ainda está em tempo e tenho me esforçado para ser mais generosa. Pois é, me esforçado. Pode parecer artificial, é apenas o iniciar de um movimento. Até que ele se torne mais natural, espontâneo. Quem é um pouco (nem muito) mais sensível deve perceber o quanto sou auto-centrada. Isso é interessante na busca pelo auto-conhecimento, mas ao nos isolarmos deixamos de conviver, e sem convívio a gente não cresce, cessa o desenvolvimento. Perde-se a razão de ser. 

Tem um furacão em mim (para variar). Só que desta vez ele é bom, está me impulsionando para a frente. Ainda não sei que rumo darei à minha vida, algumas portas começam a se abrir. Incrível como as coisas podem, sim, bater à nossa porta quando estamos abertos. As minhas já começam a se escancarar. Eu não defini o rumo, disse apenas o que desejo para a vida (aqui) e as situações confluem para isso. 

Este ano quero ser mais doação. Quero estar mais aberta e treinar a generosidade. Perceber que dar não implica coisas materiais. Dar um abraço, um sorriso, um comentário, uma oração, um bom pensamento... Não importa. Dar o que se tem! Quer vir comigo?

Pretendo reduzir o uso da palavra EU neste blog (se contabilizá-lo é o principal metablog... kkkk), usar mais o nós, apesar de saber que é um diário, escrito mesmo na primeira pessoa, por que são auto análises, mas desejo ampliar o pensamento. Se as ideias escritas aqui puderem ajudar mais alguém já me sinto realizada.

Que 2011 seja o ano da intuição, ou do crescimento de uma consciência coletiva. Que a gente entenda o quanto estamos ligados, o quanto nossas ações e intenções interferem no funcionamento desta grande rede. Que a gente se liberte do medo, das algemas, das culpas que tanto nos murcham e empobrecem. Vamos crescer, florescer, semear! Feliz ano novo!!

Seguindo a frase: "Sempre fica um pouco de perfume nas mãos de quem oferece flores" quero dizer que vocês tem mãos perfumadas, doces, ricas, amorosas. Obrigada por tudo de bom que compartilharam em 2010. Esta vivência do blog me deu muito mais do que eu esperava, e a razão disso são vocês, pessoas do outro lado. OBRIGADA!

Beijos a todos,

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Modernizando o Natal

Se eu fosse um personagem do nascimento de Jesus, hoje eu seria a estrela cadente, isso por que estou me disfarçando de cometa faz algum tempo, não é? (Sabe que dizem que a tal estrela que os reis magos seguiram foi na realidade o Cometa Halley?). Enfim, passando rapidinho para recomendar um vídeo que me fez dar gargalhadas. Goste ou não do Natal, se você gosta de internet e desta nossa vida digital, vai se identificar e se divertir. 

A pergunta é: E se Jesus nascesse nos dias de hoje? Encaixa com um questionamento que já me fiz algumas vezes, em especial no trânsito. Quando estou em uma rotatória, daquelas que ninguém te dá passagem e você tem que ser meio "agressivo" e entrar na marra, sabe? Imagine o que Jesus faria? Acho que Jesus não gostaria muito de dirigir, ao menos não no trânsito caótico do Rio... Já pensou nisso? Acho que minha cabeça que é meio desocupada... De qualquer jeito, tem mais gente desocupada no mundo, por que algum criativo de plantão criou isso... E vale à pena assistir. Para variar a indicação é do Agenda Ilustrada, da Macá. Gente, é que sou muito fã dela e das coisas que ela posta por lá. Fazer o que? 

Posso combinar uma coisa? Passa lá, assiste o vídeo e, se der, volta para comentar aqui também o que achou? Tanks. Tenho certeza que vai gostar, é o Natal em nossa realidade atual! Divertidíssimo.

Eu tenho uma novidade para contar, que vai mudar bastante este blog que vos fala, mas é uma novidade boa, viu! Volto até amanhã para contar, me aguardem! Estou feliz e animada com "a novidade" e sei que "a novidade" também está feliz! UEBAAAA!!

Beijos a todos,
Tati.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Como se diz eu te amo?

A Teresa Cristina (Acolher com amor) e a Gilmara (Diário de uma psi), duas amigas muito queridas, sugeriram uma blogagem coletiva com o tema: Como se diz eu te amo.  Se quiser participar, é só escrever seu texto e avisá-las. Decidi participar na última hora, quero contar um episódio de ontem, que pode exemplificar bem o que é dizer eu te amo, sem usar as palavras (more than words). 

A Mari - Mãe Polvo- fez uma postagem com o bolo de caneca que ela fez com o Pedro. Eu e Bê estamos de férias e resolvi fazer com ele também. Foi uma farra na cozinha. Sempre é. Adoramos fazer bolo juntos, mas nunca tinha feito algo assim. Fiquei na dúvida da receita da Mari, por que não tinha fermento. Fui ao google, vi outras receitas, misturei a dela com a do google e fiz a minha (para quem me conhece, sabe que é minha maneira normal de lidar com receitas). 3 minutos de microondas e voilá!

Voilá? Voou mesmo... Um prato de microondas repleto de bolo! Na caneca? Ah, sim, por toda ela! Dentro?... É... também sobrou um pouquinho nesta parte... rsrs
O que fazer? Eu podia chorar, podia raspar tudo e jogar fora, sem nem mostrar para o Bê, mas... por que perder a oportunidade de rir da gente mesmo? Então eu trouxe o prato do microondas para fotografar, e minha máquina até colaborou - a debochada. O Bê esboçou um chorinho, daí falei para ele: "vamos rir, filho?" Quero que ele aprenda agora o que estou levando mais de 30 para aprender... A não se cobrar tanto, a não tentar ser perfeito, a aceitar os erros e aproveitar o que tiver de melhor neles. Principalmente, a não sofrer tanto! E enquanto eu baixava as fotos para mostrar para vocês, eis que um garotinho puxa sua cadeira e, colherinha em punho, começa a COMER o bolo, isso mesmo, raspando do prato do microondas. Disse que estava uma delícia!! kkkkkkk
 

Aquele episódio, que podia ser o fim, o bolo definitivamente não deu certo, e podia ser visto apenas como trabalho extra e frustração, tornou-se um momento divertido. Acho que a gente teve mais oportunidade de rir do que se ele tivesse ficado perfeitinho na caneca. 
Isso faz com que a gente não queira um bolo lindo na próxima vez? Claro que não, mas não estragamos nosso dia, nossa tarde, nosso momento por um evento fora do planejado. Fiquei feliz por conseguir mostrar ao Bê aquilo que ainda tento aprender. E ele entendeu tão bem o recado que no final estava me ensinando (para variar!). 
A lição filosófica? A vida pode ser bela mesmo sobre o leite,ovos,açúcar e farinha derramados! Ah, se pode! E num momento em que estou me reerguendo, e que a presença do Bê tem sido crucial, consegui me superar- por amor- em presença e atenção (não está sendo fácil e natural, mas é verdadeira), e recebi, em troca, o amor mais lindo que se pode desejar. Ao olhar para meu filho, seu sorriso, suas poses para as fotos, curtindo a brincadeira, entendi que ele estava dizendo: "Vamos, mãe, vale à pena. Pode ser gostoso, mesmo que não seja perfeito!". Meu filho sabe as melhores maneiras de dizer EU TE AMO, e aquece meu coração.

Beijos a todos,
Tati.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Novas ideias sobre velhas questões

 Ontem a Jaci (Pandora) fez um texto importante. Ela mostrou o outro lado de uma discussão que disfarça-se de visão intelectual e libertadora, mas esconde um manter a velha ordem. Confesso que ainda não tinha olhado de frente para este lado da questão. Falo sobre a notícia amplamente veiculada da censura às obras de Monteiro Lobato, como de conteúdo racista.

Nasci branca, filha de pai e mãe brancos. Sou uma pessoa comum e mediana, daquele tipo que passa desapercebida na massa, que sente-se representada num filme ou comercial. Meu cabelo é liso e castanho, minha origem é italiana. No Rio, sou do grupo naturalmente aceito. Não posso discorrer sobre o que é preconceito ou discriminação, não a sofri na pele. Qualquer inferência seria pura especulação. 

Ainda assim, nunca gostei de piadas preconceituosas, não importa o tipo de preconceito: o bêbado engraçado, o mal falar da sogra, contra pobre, negro, gays, mulheres burras (?!). Tudo isso só serve para reforçar estereótipos  e diminuir a auto estima, dificultar a colocação destes grupos como iguais e sua auto aceitação. SOMOS IGUAIS, INCLUSIVE EM NOSSAS DIFERENÇAS!



Li a obra completa do Monteiro Lobato quando criança e não percebi nada disso. OPA! Aí está o problema. Estas questões já são tão naturais que sequer as percebemos! Somos capazes de dar risada de uma piada sobre o negrinho ou a bichinha. Não devíamos achar graça. Pense bem: São visões de mundo que se perpetuam ao tornarem-se corriqueiras. 

Se eu olho um casaco de pele e vejo beleza, glamour, eu posso consumi-lo um dia. Se vejo cadáveres, jamais terei coragem de colocá-lo em meu corpo. Assim também é o preconceito. Não podemos olhar e ver com naturalidade. Não posso andar na rua e interpretar a negrinha como possível empregada da minha casa, a bichinha como um ser afetado e que só pensa em seduzir qualquer bofe que passar. Negros, e gays, são cidadãos. Exercem suas profissões, constituem família, pagam contas, impostos... O Bê outro dia queria pintar um desenho e escolheu o lápis cor de pele. Como assim?! Sabiam que na caixa dos lápis um rosa clarinho tem este nome? E a pele marrom? amarela? bege? vermelha? preta? Quantas cores de pele nós temos? Mostrei para ele. Em casa já temos diferenças: O Vi é pardo! Onde ele aprendeu esta cor-de-pele? Na escola! Imagine para os amigos de outras tonalidades? Ele nasceu branco por acaso, podia nascer de qualquer cor. Meu sogro é bem escuro. Conversamos e ele entendeu, mostrei, no próprio livro didático, imagens de muitas crianças em uma festinha, cada uma de uma cor. Espero que tenha levado a nova visão para a escola. O Bê é bom nisso! Não dá mais para fingirmos que não vemos. Errei em uma coisa, não fui à escola conversar. Mea culpa

Ainda não tenho uma opinião formada sobre o assunto (obras de Lobato), por que é tudo muito recente e nunca tinha pensado sobre isso. Agradeço quem levantou o tema, só de debatê-lo já é enriquecedor. Pode ser que notas de rodapé resolvam a princípio, nem sempre são lidas, não tem grande importância no livro; a mim soam como cala-boca para a polêmica. Pena... Tirar as obras de circulação não parece fazer sentido. A esta altura, século XXI, obras proibidas também soam como retrocesso. Mas não acho que SÓ por que ele é Monteiro Lobato, SÓ por que tem suas obras em evidência por tanto tempo, não deva ser revisto. Se fosse assim, Einstein jamais questionaria Newton. Quem ousaria? Desta forma ainda acreditaríamos que tudo é absoluto. Gente, não podemos mais acreditar nisso! A teoria da relatividade nos provou o contrário. E isto não é só na física, só no caderno ou no laboratório. É na vida. Vamos olhar as diversas perspectivas e opiniões. 

Recomendo a leitura desta Caixa de Pandora, da Jaci. Não vamos definir nossas posições antes de pensar novos ângulos e possibilidades. Vamos enriquecer o mundo e não empobrecê-lo. Adoro a possibilidade de sacudir o óbvio e encontrar novas visões.

Falando nisso, ainda não dei a resposta que o Bê me pediu, mas AMEI a resposta da Leci Irene, e seguirei por este caminho. Obrigada por todo o carinho na postagem sobre o Bê. Não sabem o prazer que me dá compartilhá-lo com vocês. Aproveitei para homenagear o melhor amigo do Bê, Arthur. Amizade que nasceu antes que eles tomassem consciência de quem são. E amam-se e respeitam-se como são, pelo que são.

Beijos a todos,
Tati.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Aniversários são renascimentos

imagem daqui
Amanhã (27/10) é meu aniversario. Faço 35 anos. Eu gosto de fazer aniversário, tenho a sensação de renascimento. Uma oportunidade de avaliar o que fiz, celebrar conquistas, pensar o que posso mudar. Tem gente que faz resoluções de Ano Novo, eu faço de aniversário. É como se colocasse na balança meus planos, minhas metas, aquilo que consegui realizar, o que está a caminho e o que ficou fora de alcance, e reestruturar meus sonhos. A proximidade dos 35 não podia ser diferente, só que foi mais intenso. Isso por que esta idade era emblemática para mim. 


Quando eu pensava lá no futuro, na adulta que me tornaria, a imagem era da mulher de 35: Uma Tati realizada profissionalmente, estruturada, elegante e finíssima, com escarpin de salto agulha e batom escarlate na boca. Ok, eu não caminhei neste sentido, nem sei como imaginava este fato (nunca fui um modelo Socila de ser), mas imaginava, e imaginação é o que não me falta! 

Mesmo chegando aos 34 longe do planejado isso não me abalou. Eu adoro ser quem sou. O que pegou foi pensar nos 35 e saber que a imagem não corresponde à foto, ou vice-versa. 


Aos 20 eu já sabia que nunca me tornaria o mulherão idealizado na infância, que meu jeito era mais despojado, mais menina moleca, sapeca, brincalhona, tênis e cara lavada, jamais comprei um único batom vermelho em minha vida. Tudo bem, não fiquei mexida por não exibir um estilo executiva. Foi outra coisa, ainda luto por minha inserção no mercado de trabalho. Faço o que gosto, mas não da maneira que gostaria. Nunca tive férias ou 13º. Não sei o que é ticket alimentação ou vale transporte, a não ser quando uso os do Vi. E sim, eu gostaria de me sentir integrada ao mercado formal. Sou uma mulher moderna, mas mulheres modernas também tem contas a pagar, sonhos e desejos a realizar, e para muitos deles existe mastercard, certo? 


Na fase pré-35, entrei numa certa crise (de meia idade é o piiiiiiiiiiiii). Tive que adequar minha auto imagem, eu acho. Eu, como boa escorpiana, adoro aproveitar momentos assim para mergulhar e me reconstruir. E foi o que fiz nos últimos tempos. Agora estou na superfície, estou bem. Aceitei a realidade, e tracei estratégias para as mudanças necessárias. 

Enquanto colava caquinhos, ou recriava o mosaico que me forma, recebi um presente incrível. O Antonio Rosa fez meu mapa astral! Ele não pode imaginar o bem que me fez. Por mais que eu agradeça não será o suficiente. Veio na hora exata, e disse as coisas que eu precisava ouvir. Se você nunca fez o seu, eu recomendo. O mapa me dá a sensação de ter sido escaneada. Eu lia e me via nua, até minhas contradições estão ali explicadas. Este presente abriu a janela e deixou o sol entrar em mim. 

Hoje sou capaz de comemorar meus 35. Sei que meus caminhos foram diferentes, que o quadro não tem a paisagem que eu planejava pintar, mas é minha obra prima. Muitas desconstruções e reconstruções ainda devem acontecer no processo e isso é bom, sou eu crescendo mais por dentro que por fora. Posso não ter as conquistas que imaginava. Outras, que nem passavam pela minha cabeça, são meus grandes tesouros: Um marido especial, um casamento de cumplicidade e harmonia, e um filho que é nossa coroação. Que nos une ainda mais e traz tanta felicidade. Este capítulo não existia nos rascunhos da tal mulher de 35... Olha o quanto eu ia perder...

Agora quero celebrar um feliz aniversário. Meu mapa indica muitos momentos de retomada, de recomeçar do zero. Se faz parte de mim, assumo como EU, e vamos em frente! Em cada recomeçar estou mais forte. Agora é tempo de comemorar. Se acheguem para a festa. E para não perder a oportunidade, obrigada pelo carinho que me dedicam, tem me feito muito feliz. 

Um beijo a todos,
Tati.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

O desafio das perguntas em resposta

Minha ideia essa semana era não entrar no blog. Na verdade, mal tenho ligado computador, mas hora do almoço, enquanto preparo uma gororoba gourmet para a ocasião, vim alimentar o vício e encontrei este delicioso convite da Isa, do Tantos Caminhos (Ih... pelos termos utilizados sinto que estou com fome). Daí vou tentar responder no tempo em que meu macarrão com epa cozinha, ok?

Isa, amei o desafio! Além de responder as perguntas, pedem que a gente escolha 5 para desafiar, então lá vai:

1- Karine - Blog da Ká
2- Tati - Vida Bicultural
4- Edu - Olhar o tempo

Ops... Viraram 7 (nunca escondi que sou péssima em matemática). Sintam-se à vontade para responder ou não, entendam apenas como um carinho que quis fazer a vocês. Esse desafio consiste em fazer um autorretrato (esquisita a grafia após a reforma ortográfica, né?), baseado em questões prévias e, desafiar quem o ler, a proceder de modo igual.

1 – Se me dou bem com a minha sogra?
Muito bem. Ela tem gênio forte, como eu, mas cada vez que penso em me chatear me lembro que ela fez e educou muito bem o Vi,  fico grata e relevo.  Sempre são coisas bobas. Ela é carinhosa e atenciosa com o Bê. E me trata com respeito e carinho também.  Além disso ela cozinha super bem! hahahaha

2 – Qual o seu desafio?
Vencer minhas variações de humor. Aprender a amar sem questionar/ racionalizar. Isso eu ainda não sei não... Dominar meu jeito controlador de ser... Ih... É coisa demais...

3 – O que diria a seu chefe se ganhasse na Loteria?
Obrigada pela oportunidade que me deu e por tudo que aprendi aqui. Bóra fazer um churrasco? É por minha conta!  Te trago uma lembrancinha da volta ao mundo.

4 – Que farias se descobrisses que alguém te está mentindo?
Já descobri. A princípio é horrível e a gente tende a se afastar. Depois pensa, tenta entender o outro lado, pesa o valor que esta pessoa tem em nossa vida. Eu fiz assim. Claro que a confiança ficou abalada, mas a amiga ainda é muito querida para mim. E não pretendo jogá-la fora, mesmo tendo ressalvas.

5 – Se tua casa sofre um incêndio e apenas podes salvar uma única coisa, que salvarias? Por que?
Vou pensar em coisas, não em pessoas, ok? Caraca!!! Meu computador, uma forma de salvar muitas imagens, projetos, mensagens, cartas, etc. Mas... nossa! Deus nos livre de algo assim... 

6 – Entras num local com muita gente, que fazes?
Procuro a porta de saída. E só respiro lá fora!

7 – Vês um recipiente meio cheio ou meio vazio? Por que?
Depende do período do mês. Pós menstrual, meio cheio. Pré-menstrual, vazio. Não me orgulho nada de ser governada por hormônios, só ainda não sei como deixar o cérebro no comando.

8 – Encontras uma Lamparina Mágica. Que três desejos pedes?
Ser mais decidida e determinada (pode contar como um?); Uma fonte de desejos eternos e a paz mundial, claro, por que não sou miss, mas acho este um desejo digno.

9 – O que te levou a criar um blog?
Inicialmente era um exercício de exposição, para ter coragem de expor meus sentimentos. Este objetivo eu já alcancei e até superou expectativas, me mantenho por que me apaixonei pela tarefa e pelos amigos que fiz por aqui. Me tornei eternamente responsável... (ops... acho que acordei meio miss...)

10 – Se fosses um dinossauro, como te chamarias
TaT-Rex

11 – Você mudaria algo no seu passado?
Se fosse possível, sim. Já que não é, busco usar os erros passados como lição, tentando não repeti-los

12 – Qual é o teu Sonho?
Ui! São muitos.  Sou uma eterna sonhadora. Sonho coisas possíveis e impossíveis, grandes e pequenas... Ser escritora é um que vocês já conhecem. Ser professora eu não sei se sabem. Ter mais tempo com o Vi e o Bê. Conhecer Fernando de Noronha... Quantas linhas eu posso usar aqui?

13 – O que de mais vergonhoso fizeste?
Olha, eu sou uma pessoa tímida, então, até coisas banais me soam vergonhosas, para completar, sou desastrada, já paguei muito mico por aí, não fosse o suficiente, tenho pavio curto, sou estressadinha, etc etc, o que me mete em muita encrenca, então... Não dá para eleger uma pisada de bola só.

14 – Se fosses um animal, qual serias?
Ah, essa eu já contei. Seria uma onça brava. Mas se pudesse escolher, queria ser um golfinho.

15 – O que nunca farias por dinheiro?
Mais fácil me perguntar o que eu faria por dinheiro. Eu sou cheia de brios para muitas coisas. Não confundam com preconceitos, coisas contra as quais eu luto bravamente, odeio de todo tipo. Já me demiti de muito emprego por não concordar com a política da empresa. Tenho meus valores e amor próprio, não passo por cima de nenhum dos dois. Ok, nunca passei fome. Neste caso, não sei como seria. Eu faço por dinheiro o que eu faço por amor (e não estamos falando de sexo, que fique bem claro! kkk).

16 – O quê ou quem é capaz de tirar-te do sério?
Ah, essa é fácil. Tudo e todos! kkkk Eu sou estressadinha... Eu mesma sou capaz de me tirar do sério. Barulho me tira muuuuuito do sério, e pagar imposto é de morrer de raiva, me tira mais ainda do sério não ver este dinheiro revertido em nenhum benefício para a sociedade.

17 – O que fizeste em tua Vida de que tenhas tanto orgulho?

Lugar comum, mas... O Bê!!! 

18 – Como gostarias de te enamorar?
Como já me enamoro: Com o Vi, do nosso jeito e se possível até ficar beeeem velhinha.

19 – Com que personagem, famoso ou não famoso, gostarias de parecer-te?
Clara Luz (a fada que tinha ideias)... Tentei pensar em outra, que fosse mais fácil todo mundo conhecer, mas não consegui, só vinha a Clara Luz.

20 – O que prezas mais na Vida?
Minha família.

21 – O que significa PAZ para você?
Entender que a verdade do outro pode ser diferente da minha e que tudo bem! 
Respeitar o outro, o mundo e a si mesmo. 

22 – O que é AMOR para você?
Um caminhar para a paz. Amor mesmo não pode ter ses e senãos, tem que ser incondicional.

23- Se pudesse mudar alguma coisa no mundo o que mudaria?
Sabe a Emília, na reforma da natureza? Sou eu. Adoraria mudar muitas coisas no mundo. Mudaria o jeito que o ser humano se vê: senhor do mundo, centro do universo. O colocaria em perspectiva para perceber que vale tanto quanto qualquer outro ser ou coisa, quem sabe assim aprenderíamos a respeitar a vida? E me incluo na categoria ser humano, ok?

24. Qual seria tua opção para outra atividade profissional que não fosse a tua?
Essa eu vou copiar da Isa, e já me ofereço para sócia: Organização de Eventos. A gente vem treinando! hehehe

25 .Qual a sua melhor lembrança?

 Um dia, em casa, fazendo uma sessão de fotos do Bê para o cartão de Natal, quando ele tinha uns 9 para 10 meses. Eu queria que ele segurasse um Globo inflável, por que tinha planejado um texto sobre a visão infantil do mundo, tinha uma ideia na cabeça. E o Bê não pegava "a bola" de jeito nenhum, dava gargalhada, subia por cima de mim... A gente riu tanto, foi tão divertido, emocionante e simplório. Um dos melhores dias da minha vida. Sempre me lembro com muita emoção desta ocasião. 

Agora, tenho que propor uma nova pergunta para que a cadeia siga e novas perguntas se juntem de blog em blog…

26- Se fosse só fechar os olhos e imaginar, onde gostaria de estar agora, quando os abrisse?

É isso. Respondi enquanto almoçava uma comida que quase queimou. Valeu à pena. Adorei o desafio, Isa! Aguardo as respostas dos amigos. Se eu não te linkei, mas você quiser responder, sinta-se convidado, será um prazer ler suas respostas. E passa na Isa, as respostas dela estão ótimas! Sei que ficou um post enooorme, é que adoro perguntas! hehehe

Um beijo a todos,
Tati.


sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Blog Action Day 2010 Water - Água

"Louvado sejas, meu Senhor, pela Irmã Água, que é muito útil, humilde, preciosa e pura!" (Francisco de Assis)

Hoje é um grande dia! Vi no blog do Alexandre (Lost in Japan) um chamado e o aceitei. O Blog Action Day (blogactionday.change.org) é uma blogagem coletiva mundial e com um propósito maior, falar sobre preservação ambiental. Este ano o tema é a Água, mas claro, o enfoque é em estratégias para sua preservação. A princípio pensei em abordar o aproveitamento de água da chuva, uma tecnologia cada vez mais acessível, infelizmente ainda muito distante da maioria de nós. Eu moro em prédio e não sei como trazer estas melhorias para meu condomínio. Quem sabe acompanhando outras postagens do BAD eu não encontro a resposta? Vou procurar!

Acabei optando por citar ações simples, que podemos tomar em nosso dia a dia e que fazem a diferença na preservação de um recurso natural que pode até ser renovável, mas não na medida em que o estragamos. Quando estudei, na escola, a gente aprendia que a água era um recurso natural renovável, lembram-se disso? Não está errado, quer dizer, não de tudo. O problema é que não damos oportunidade ao planeta para que se reorganize/ se regenere. Queremos tudo, e queremos agora, e queremos muito! Assim não tem renovação que dê conta...

Então vamos às ações que eu queria sugerir:

1- Verifique infiltrações em sua casa. Minha casa acabou de passar por isso. É fácil não percebermos quando a conta de água é coletiva. O ideal seria sempre o desmembramento da conta, fica bem mais fácil de controlar. Se não é possível tente manter suas tubulações em ordem e se a torneira está pingando, conserto nela! Pode até mesmo ser sujeira, sabia? Aqui em casa a torneira da cozinha esteve assim logo que terminou a obra, eu fiquei super chateada, poxa, a gente conserta o encanamento e a torneira começa a vazar? Marido abriu e descobriu que era só sujeira acumulada com a obra. Limpou e pronto! Torneira nova! E economia de água, claro.

2- Evite deixar torneiras abertas: Enquanto escova os dentes, enquanto ensaboa a louça, ou mesmo os cabelos. Não abra o chuveiro e depois prepare-se para o banho ou lembre-se que não trouxe a toalha ou whatever. Evite sempre jogar água fora.

3- Banhos mais rápidos. Não há necessidade de banhos intermináveis, não acha? Ok, sei que tem dias que é difícil resistir. Se for inevitável, pelo menos não torne isso um hábito. Habitue-se, isso sim, a cada dia reduzir um pouco o tempo do banho. Tudo na nossa vida são hábitos, por que não treinarmos novos, mais adequados à saúde de nosso planeta?

4- Nunca, jamais, em tempo algum, jogue óleo de fritura no ralo da pia. Se puder reduzir a fritura não apenas o planeta, mas também seu organismo, agradecerá. Agora, não vive sem frituras? Recolha o óleo em garrafas pet e deposite-as, depois de cheias, em qualquer local de recolhimento. Hoje em dia é bem comum locais que prestam este serviço. Siga o link do Instituto Akatu e descubra o local mais perto para você. Há inclusive algumas ONGs que recolhem as garrafas em casa, trocando por produtos de limpeza. Olha a economia aê! No meu condomínio isso faz parte do projeto de coleta seletiva, ou seja, você pode levar um projeto como estes para o seu condomínio ou comunidade e não custa nada, pelo contrário, ainda rende um dinheirinho. No caso do meu condomínio é rateado entre os funcionários como estímulo ao trabalho extra.

Não é simples? Tem muito mais coisas que podemos fazer em nosso dia a dia. Coisas que não exigem investimentos ou tecnologias, apenas interesse, empenho, amor no coração, vontade, informação. Se puder fazer mais, ensinar mais, ótimo! Cuidar da água e do planeta não é coisa de ambientalista que não tem mais o que fazer, é tarefa de todos nós. Assim como cuidar da casa deve ser tarefa compartilhada por seus moradores. Afinal, onde é mesmo que você mora?

Ah! E sabe "aquele seu vizinho" que lava o carro ou a calçada usando a mangueira? Não crie briga com ele, que tal convidá-lo para uma conversa simpática, explicando sobre o manejo sustentável da água? Pode dar melhores resultados!

Para encerrar como comecei, uma declaração de amor a esta amiga preciosa, fonte da vida e identidade do planetinha azul. E você? Quer participar? Ainda dá tempo! Inscreva-se aqui e mãos à obra. 


Um beijo azuuuuuuuuuul,
Tati.