Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

O seu desejo é sempre o meu desejo...

Hoje a proposta da Glorinha para a Blogagem Coletiva é DESEJOS.

Nossa, tantas coisas passam pela minha cabeça. Começo pelo apelo óbvio, do desejo carnal, sexual, físico. Passo por todos aqueles outros desejos materiais, as vontades que nos assolam, as coisas que ainda quero ter. Em seguida revejo passagens de minha vida, o desejo de ser mãe, meus anseios profissionais - todos desejos. 

Os desejos da gravidez (eu tive um só). E o maior de todos, talvez, o desejo de entender o mundo, de que as coisas façam sentido, no meu sentido, claro! O desejo de respostas, de clareza, de verdade, uma verdade que possa ser compartilhada, mas...

Acabei me decidindo por contar uma história que muitos podem não acreditar. Certas coisas só são críveis quando acontecem conosco. E foi esse o meu caso! O desejo não é meu. Ou não era...

Quando eu fui morar com o Vi, uma coisa estranha começou a acontecer comigo. Uma vontade de ser mãe. Estranhissima para alguém que dizia não querer casar nem ter filhos... Mas, a vontade chegou. Com força total! Eu dizia para o Vi: "O útero grita". Quem conhece esta sensação sabe do que estou falando. Tem amigas aqui que sei que andam com o útero aos berros. Só que não parecia a hora. A grana tava curta (agora não tá mais... kkkkk), eu estava em um emprego instável e desgastante, andava demais, me expunha muito, não parecia a hora. Mas o útero... o útero não queria saber de nada disso. 

Foi nesta época que fiquei mal no trabalho e pedi demissão. Queria mudar de vida (é, estes repentes SEMPRE me assolam). Fui fazer curso de editoração eletrônica, queria trabalhar com computador, esquecer que um dia fui veterinária, um blá, blá, blá sem fim. 

O Vi trabalhava como médium em um grupo de apometria. Não vou explicar o que é, senão o texto ficará mais gigante do que já promete, mas o google tem a maior paciência para explicar, tá bem? Pergunta a ele. Neste trabalho, uma vez por mês os médius passavam, como pacientes, para reequilibrarem forças. Foi quando o Vi passou. E quem veio falar com ele? Um filho muito chateado, sentindo-se rejeitado, por que queria chegar e não deixávamos. O Vi voltou para casa neste dia angustiado... Conversamos e entendemos na hora que era o momento de acolher aquele que precisava nascer. E foi neste dia, uma terça-feira, que o Bê foi feito. Na quarta eu hesitei, tive medo, dúvidas... Eu estava desempregada. Sem rumo, sem lenço, documento e reais na carteira. Como assim, um filho? 

Na semana seguinte já era. Eu conheço bem meu ciclo, sabia, na sexta, que o período fértil havia passado. E como estávamos determinados (?), pensei que agora só no mês seguinte. Fiquei aguardando a menstruação descer, para novas tentativas. A cólica chegou, os seios incharam, o mal humor veio... mas a dita não chegava. Passa o tempo, começo a me sentir mal, passar mal todos os dias, um enjôo, tonteiras, cansaço absurdo, uma falta de concentração (e de cérebro!), como eu não percebi de cara? Pois é, não percebi, ou não queria perceber.

Fomos à clínica, e eu disse à médica, ou estou com labirintite ou grávida. Beta-aga-cê-gê.... Uma hora de espera. uma hora angustiada. A pergunta de um casal ansioso era: somos dois ou três? Resultado: positivo! Ele estava ali. Ele queria mesmo chegar! Ele chegou no dia exato, não podia mais aguardar. Seu desejo era intenso. E eu fiquei emocionada demais. Tão emocionada que fiquei parva, lerda. Não sabia muito bem como comemorar. Na saída da clínica o Vi sugeriu: Se for menino, o que acha de Bernardo? Amei! Nunca tinha pensado em Bernardo, mas achei lindo. Os 4 meses seguintes nos confundimos em nomes de meninas, mas nunca tivemos dúvidas que se fosse menino, Bernardo seria. E é! 

Faltava uma semana para o dia dos pais, e quisemos guardar segredo. Era a ocasião perfeita para contar às duas famílias de origem, nos dois almoços do dia (almoços onde eu não comi nada, diga-se de passagem... mega enjoada). Contar foi emocionante, nosso Bê já era amado antes mesmo de ter uma imagem. Ele desejou vir à nossa casa, e foi recebido de braços abertos.

Na sessão seguinte da apometria (seguinte à descoberta da gravidez) fui convidada a participar. E ouvi, pela primeira vez, na voz de uma médium grande e loira que incorporou meu filhote, sua gargalhada. Que emoção! Ele não disse nada, ele só ria! E vocês podem dizer que eu fantasio, que é uma auto-indução ou qualquer coisa, mas eu sei o que vi e ouvi. E até hoje, quando o Bê dá aquela gargalhada, eu me lembro do som que a médium emitiu, e sei que era ELE: O menininho que nos desejou, e a quem desejo, de todo meu coração. 

Desejo que seja feliz, que saiba-se amado, que seja digno e bom. Que tenha força de caráter, mais do que de músculos. Que viva uma vida plena, que faça a diferença, mesmo que para poucos, pois são pequenos gestos que mudam a direção da vida.

Um beijo a todos,
Tati.

38 comentários:

Barbie Girl disse...

Preciso dizer que me emocionei? que me arrepiei? Jesus que história linda, que plano perfeito! O seu anjo veio no momento certo, os planos de Deus são perfeitos!

E é isso aí, que vocês tenham sempre saúde e sabedoria para criar o Bê, que o resto a gente corre atrás, não é mesmo?!

beijos e bom fim de semana!

Açuti disse...

Oiii Tati,

nossa lindo e emocinante!!! Ficquei muito emocionada com a estória!!!

bjksss

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Nossa, foi a postagem mais surpreendente que li sobre o tema.
E achei linda, emocionante. Arrepiei com a emoção que o texto passou.
Minha mãe era dirigente de um centro kardecista, ouvi sempre falar sobre apometria.
Boa sexta!

Paula Betzold disse...

tati, to chorando horrores com teu texto. Desde a parte do filho que falou pro Vi que queria chegar até o fim, se te contar como engravidei, tu nao acredita!!! Mas, enfim, linda tua historia! so me faz te admirar e gostar mais e mais de ti! lindo lindo! beijos

Chica disse...

Linda história de vida e desejo forte que se concretizou.E acredito que tenhas ouvido a risada dele...beijos,tudo de bom,chica

pensandoemfamilia disse...

Oi Tati
Sua espontaneida de contar suas histórias nos cativa e nos permitir caminhar passo a passo nos seus sentimentos.
Bjs.

Betty Gaeta disse...

Oi Tati,
Linda a sua postagem! Amei ver o seu garoto. que ele seja feliz.
Bjkas e um ótimo final de semana para vc.

Lu Souza Brito disse...

Tati, estou arrepiada! Entendo bem quando diz que o útero berra. O meu está assim já faz um tempinho e eu me pego quase na mesma situação que você: grana curta por causa de reforma / mobilia / faculdade do marido... Emprego graças a Deus está estável e adoro meu ambiente de trabalho. Mas dá um medo danado.
Mas eu sinto que não vai dar pra esperar muito não.
Beijokas!

Cris França disse...

Tati

dizer o que? lindo , emocionante, encantador, de verdades e de sentimentos puros, nobre, bons e felizes.
o desejo quando é verdadeiro tem poder, e eu desejo sinceramente, que tudo se torne realidade.

beijos querido

Simplesmente Luísa disse...

Que post lindo, nao sei nem oq dizer...
Beijocas

Astrid Annabelle disse...

Maravilhoso depoimento Tati!
Emocionante do começo ao fim.
Comentar? nem pensar...apenas APLAUDIR!!!
Beijo gostoso com o maior desejo que sejam felizes...os três!
Astrid Annabelle

Bordados e Retalhos disse...

Nossa Tati que linda sua abordagem. Tanta coisa parecida comigo, com a emoção que senti também, com a determinação da escolha do nome (no nosso caso Vinicius)..Mas isso só em uma conversa para o dia todo. rsrss. Fez parecer lindo até coisas que não conheço e que não fazem parte do meu universo, do meu dia-a-dia (apometria). Tô indolá no google. Bjs amigam sua delicadeza me encanta.

Isadora disse...

Tati, minha amiga, dentro todos os dons que você tem, um é especial: de nos emocionar. Estou aqui no trabalho disfarçando, os olhos com lágrimas. Avredito, sim no que o Vi escutou e acredito no que você escutou e por tudo isso senti um arrepio, mas um arrepio bom, feliz.
Seu menino estava querendo vir, e vocês sábios, independente das circustâncias o recebeream com todo amor que só os que muito tem são capazes de dar.
Um beijo e todo o meu carinho

Glorinha L de Lion disse...

Tati, linda sua estória! Independente de crenças, tem uma hora em que o desejo de ser mãe fala mais alto que tudo!
Vc realmente conta as estórias da sua vida de maneira doce e empolgante! Bjs a essa família linda e cheia de amor!

Manuela Freitas disse...

Querida Tati,
Belo texto que motivou tanta emoção por aqui e, eu também fiquei de olhos húmidos, porque a forma detalhada como escreves, fez-me pensar também nos meus filhos. Foi lindo, tudo contado à tua maneira se torna bonito e único.
Muitos beijinhos e bom final de semana.
Manú

Taia Assunção disse...

Que coisa mais linda...seu texto ficou encantador. E dentro todos os desejos a maternidade talvez seja o mais desejado e o mais temido. Parabéns pela família linda. Beijocas!

Cantinho She - Sheila Mendonça disse...

Tati, querida, vc não tem noção do quanto me emocionei com o seu post, que coisa mais linda!
Lindas as fotos vc grávida e as do Bê... linda a sua estória, lindas palavras, lindo post, lindo tudo por aqui traduzido em palavras cheias de emoção, amor e que por isso mesmo nos emociona.
Bem, eu sou espírita então eu acredito totalmente em tudo que vc falou e não só acredito como já tive tb algumas experiências e acredite por mais que o Bê estivesse ansioso para reencarnar, aconteceu na hora que tinha que acontecer, na hora que todos estavam preprados, ele e vocês.
Parabéns pela família linda que vocês construíram e pelo filhote, lindo, com saúde, esperto, inteligente e especial que vcs têm.
Beijo, beijo!

PS: Obrigada pelo carinho lá em meu post, foi realmente, minha Querida, muito triste, bjks!

Nilce disse...

Ai, Tati, sempre venho aqui para ler, "ter" que pensar, rsrsrs, refletir. Adoro isso!
Hoje vc me fez chorar. E é com lágrimas que estou digitando aqui.
Que emociante tudo o que aconteceu. Vc é muito abençoada e formou uma bela família.
Não discuto, mas respeito todas as crenças e acredito sim na sua história. Isso é Divino!
Parabéns pelo post! Você é um pessoa que me é muito querida.

Bjs no coração!

Nilce

Meri Pellens disse...

Emocionante seu texto, Tati! Adorei!
Beijos na alma, querida, e abençoada seja sua linda família!

Lianara **Lia** disse...

Que lindo Tati!!
Li, me emocionei....voltei e li outra vez!
Que linda e emocionante história de vida e de amor!
Parabéns!

Desejo que todos os teus sonhos se realizem!!Desejo que seu filho seja uma pessoa de LUZ!

Beijos

Lia

Blog Reticências...

Lúcia Soares disse...

Tati, sua história é linda, plenamente "acreditável".
Não sou espírita, mas acredito em muitas coisas propostas pelo Alan Kardec. Se acreditamos na Bíblia, porque não acreditar em todas as correntes que, afinal, nos levam ao mesmo lugar?
O Bê tem uma carinha linda e esperta, sempre sorridente (claro, deve ter muitos momentos chatinhos mas é apenas uma criança e um ser humano) e passa um astral muito bom.
Tenho tantos amigos espíritas, meu genro,minha nora, os pais dela, é uma doutrina fascinante.
Foi lindo seu depoimento e desejo que pelo menos mais um serzinho se manifeste pra ser acolhido nesse lar tão bonito.
Beijos!

Eduardo Medeiros disse...

Tati, muito bacana. Esse negócio de útero gritar é verdadeiro. Eu ouvi isso aqui em casa, e agora, em dezembro, chega o primeiro filho, já me sinto presenteado neste dia dos pais rssss

abraços

Misturação - Ana Karla disse...

Tati você mais uma vez arrasou!
Que história liiiiiiiinndaa!
A melhor coisa do mundo é ser Mãe.
Desde o início.
Xerosss

Macá disse...

Tati
Que história mais bonita essa sua......
Emocionante.
Primeiro, pelo fato em si e segundo, pelo seu jeito maravilhoso de nos entreter com sua forma de contar.
Parabéns ao Be por ter escolhido essa família e pra vocês por terem entendido o recado.
beijos

Yoyo disse...

Você, como sempre, nos emocionando, Tati.
Bejinhos

diariodumapsi disse...

Que linda história Tati! Fiquei emocionada com tudo isso, também tenho um meninho de 02 anos e o amor que tenho por ele não me cabe no peito, assim como imagino como é grande/intenso/inominável o amor que tem pelo seu Bê! Adorei saber sua história! As fotos são lindas e só de ver essa última fotinha do Bê a gente fica com o coração terno e feliz!
Gd beijo querida!

orvalho do ceu disse...

Olá,
Útero onde o desejo grita... onde o bem é gerado...
Bela participação, bem espontânea.
Bjs e serenidade

Lu disse...

oii

OLá Tati...
adorei seu texto, que lindo. ( e eu sei o que apometria)sou esperita =)
Que lindo o filho de vocês.

Parabéns por ter um esperito que desejou vcs como pais e tenho certeza que ele sempre vai ser grato por essa oportunidade.

Beijos e muita luz.

Silvia disse...

Nossa Tati...
Muito linda essa história... Me emocionei muito, de verdade...


Tudo que se refere a nossos filhos, se torna inesquecível, ainda mais coisas marcantes assim.

Beijos

Beth/Lilás disse...

Tati, que texto lindo, emocionante mesmo!
E quando um filho é desejado e gerado com tanto amor, só pode ser feliz e dar gargalhadas como seu lindo Bernardo.
Amei!
beijinhos cariocas

Paula Betzold disse...

Tati, não satisfeita com o choro da manha, voltei agora pra ler de novo teu texto... e to chorando de novo! coisa mais linda do mundo. sem palavras, beijos no teu coraçao

Marliborges disse...

Tati,
Linda a chegada do Bê. Acredito em tudo. Para mim, essa é a grande poesia da vida. O plano divino que se concretiza assim, aos nossos olhos, no nosso coração. Parabéns aos três. Que Deus continue iluminando vcs. Bjssss

Gina disse...

Tati,
Adorei esse texto. Comecei a ler e fui me empolgando com tudo. Você nos conduziu de uma forma tão bonita!
Que graça o rostinho do Bernardo sorridente, ainda bebezinho, mas essa foto dele crescido éstá demais!
Excelente participação!

Socorro Melo disse...

Tati,

Nossa, me arrepiei. Muito emocionante a sua história. Estava mesmo escrito nas estrelas.
Para mim, ser mãe/pai é o que há demais sublime, e desejo, de coração, que o menino Bernardo seja muito feliz (e vai ser, amado como é).

Desejo-lhes harmonia e paz!
Socorro Melo

ELA disse...

Uma linda história de amor, Tati. E que barriguinha mais fofa você tinha! Dá uma saudade dela, não dá?

Gostei de conhecer a a maternidade por esta nova perspectiva. Encarar a gravidez dessa forma deve ajudar muito a compreensão do casal sobre o pequeno ser que está por vir. Fiquei admirada com a história, de verdade.

Um grande abraço,
Michelle

Denise disse...

Quando penso que vc não vai mais conseguir superar a narrativa nas emoções vivas que compartilha, lá vem vc com essa enormidade de amor pra contar, Tati! Todas as estórias que envolvem nossos filhos são lindas, mas a de vcs arrepia a alma...de tão maravilhosa!! Estou emocionada...li e reli...coisa linda de se ver, de poder imaginar...pense teu Bê, crescido, ouvindo isso tudo...vcs foram abençoados com esse desejo, essa demanda de amor, Tati: escolhidos pelo Bê!

Dê um abraço no Vi pelo seu dia. E um beijo carinhoso pra vc. Obrigada pela tua presença querida, tá?

Luma Rosa disse...

Percebe que na vida parece que tudo se encaixa, como se tudo já estivesse escrito? Parabéns pela sensibilidade, vontade, desejo...

Clau Finotti disse...

Credo, menina, vc tem um dom esquisito: o de me fazer chorar com as suas letrinhas...rs...

Que texto liiiiiiiiiindo e emocionante! Parece que vc coloca mesmo sua alma nas palavras, sem medo de ser mal interpretada, e eu adoro isso. Na verdade eu a invejo, porque ainda sou muito hesitante para me expressar. Seus textos são de uma simplicidade e emoção assustadora.

Amo, amo, amo!

Grande beijo.

Ah, descobri uma coisa em comum com você: o Espiristismo.