Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

A visita do Censo

A recenceadora passou aqui em casa. Por duas semanas vi sua foto no elevador. Fui me afeiçoando a ela nas chegadas e saídas, no passeio entre os andares. Já conhecia seu sorriso e seu nome. Aguardei, com expectativa que meu dia chegasse.
Eis que toca o interfone, o porteiro me perguntando se poderia atendê-la. Mas é claro! Se já não podia mais esperar!

Enquanto aguardava a campainha, coloquei a água no fogo. Um café cairia bem neste meio de tarde, na conversa intima e informal. Íntima sim, vinha ensaiando tantas coisas para que ela soubesse quem eu era, quem era minha família. Só assim podemos conhecer um país, conhecendo seus cidadãos, não é isso?

Estava ansiosa, será que saberia responder a tudo? Quantos pares de sapato há em meu guarda-roupas? Quantas colheres de arroz por refeição? Qual a última vez que fiz meu preventivo? Me sinto satisfeita com os serviços públicos? Tenho satisfação pessoal? Como me sinto em relação à minha colocação profissional? Acho que meu salário é justo? Para onde fui nas últimas férias? Qual meu signo? Combina com o do marido?O que não pode faltar em minha bolsa? Enfim, coisas fundamentais de relatar.

Então entrou a Selma aqui em casa, uma simpatia, recebi com sorriso. Ela chegou rápido demais e só tive tempo de desligar o fogo. Nada de café fresquinho... Não podia chamá-la para a cozinha por que aprendi no Feng Shui que na cozinha e na área de serviço só pessoas com muita intimidade (é que naquela época não devia haver empregadas domésticas e, muito menos, faxineiras semanais na China, como é até hoje, pelo que sei). Nada de cozinha para a recenceadora. Ela deveria acreditar quando eu dissesse que meu fogão era de 4 bocas e quando relatasse o que comi na minha última refeição.

Sentou-se em uma cadeira, na sala. Sentei em frente. Tirou um palm top e conferiu o endereço. Fez meia dúzia de perguntas que não diziam quase nada sobre mim e minha família, não dizia nada sobre quem somos. Quantos banheiros nós temos? Quantas pessoas moram na casa, mas não quem são estas pessoas, ou o que representamos uns para os outros... Eu perguntei:  "Mas já?" E ela: "É, você não foi sorteada para o expandido."
Tentei disfarçar a decepção... Como assim?

Ela sabe que a coleta de lixo, no meu prédio, é seletiva. Isso por que eu gosto de conversar e ela se interessa pelo assunto. Esta informação jamais chegará ao IBGE. Morre na recenceadora, que me contou coisas sobre ela também. Informações que não estão incluídas nas perguntas do palm, portanto não estarão nas estatísticas...

Tanto alarde da FEB se nos indicaríamos espíritas ou kardecistas e ela nem mesmo quis saber se acredito em Deus!!!

Minha nova amiga foi embora, sem sequer tornar-se uma conhecida. Hoje, se nos cruzarmos na rua, serei cordial. Quando receber o resultado do Censo, saberei que não estou ali retratada. Você está? Será que ficar tanto tempo sozinha neste apartamento está me deixando carente? hehehe

Beijos a todos,
Tati.

33 comentários:

Taia Assunção disse...

É froid...faz tanto tempo que não participo das estatísticas...vou até perguntar para a prole se passaram lá em casa. Adorei a observação do Bê sobre seu comentário...hehehe. Criança está sempre ligada. Beijocas e boa terça.

Tatiana disse...

hahaha....quer dizer que na cozinha so os mais íntimos??? Ihhhh...ja me danei!!!
Tati,fiquei encantada com a sua preparação para a senhorita do Censo, fiquei ate querendo que aparecesse uma por aqui, pena que foi tao resumida!!
Pode ter certeza que me lembrarei logo de voce quando uma aparecer por aqui..rsrs...
Beijocas!!!

Chica disse...

Ainda não recebi essa visita, mas adorei teu relato!beijos,lindo dia!chica

Cris França disse...

Ai Tati estamos tão desumanizados, somos só processos e programas.
Viramos estatística tão mais fácil hoje em dia.
Mas creia não é nada pessoal...rs
definitivamente...não mesmo...rs
não tem nada de pessoal
e era tão bom se fosse...rs

bjs

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

pior que qdo passa o censo, todo mundo fica com essa impressão...parece que não falamos nada do que somos, do que vivemos, do que sentimos. é tudo uma meia dúzia de números que parecem pouco importar.

Tati, tá show esse texto hein. Adorei!mto bem escrito.
bom dia

Bordados e Retalhos disse...

Ai que decepção! A minha amiga aqui do trabalho teve que responder qual religião professava, quanto ganha, se todos na casa sabiam ler e escrever ...Pior foi lá em casa, pois a minha sogra quando viu o recenseador falou que não poderia atender porque estava com uma peanela no fogo. O cara foi embora e nunca mais voltou. Estamos frustrados eu e marido. Mas também deixar a minha sogra responder o censo ia ser um problema, para o recenseador é claro, pois em cada resposta ela diria, não sei. Rsrsrs. Bjs querida

Tati Pastorello disse...

Oi Gi, a recenceadora também me perguntou quanto ganhamos. Quem é o chefe da casa (?), e como eu disse que aqui em casa não tinha isso, ela elegeu meu marido (heheheh), e se sabiamos ler e escrever. Se alguém tinha morrido no último ano... Se água era encanada (dã... num prédio?), se a coleta era da Comlurb... As coisas que não precisam entrar na nossa casa para saber, enfim! Isso que me chateou.
Agora, sua sogra não receber... kkkkkkkkk
Beijos.

Misturação - Ana Karla disse...

Tanta expectativa pra ser tão rápido, sem nem sequer um cafezinhooooo!
Mas é assim mesmo,,, até as pessoas que fazem as pesquisas não tem muito "saco".
É uma pena, por que como você, disposta a receber bem e responder todas as perguntas, tem poucos.
Então vamos que vamos...
Xeros

josi stanger disse...

é... eu também respondi as perguntinhas básicas e olha que ela nem precisou esperar minha resposta para algumas que se referiam a casa, pois já tinha perguntado ao morador ao lado e como as casas são todas iguais ela só foi lendo as respostas que para que eu dissesse um sim meio sem graça... ela já sabia, são 15 sobrados iguaisinhos... e eu que não me verei retratada no censo... parecço não fazer parte deste país, dado que também não me incluo na maioria da pesquisa eleitoral... xii, também estarei carente de coletividade, de pátria e de nação??
beijinho Tati.
Josi

Renata França disse...

Oi Tati!!!
Que gracinha seus comentários no meu blog!!!
Adorei!!
E mto obrigada, de coração, pela força que está me dando!!!=)
Um super beijo pra vc!!!

Eduardo Medeiros disse...

Tati, aqui foi a mesma coisa. Não fui sorteado para a tal "expandida". Aliás, eu nunca sou sorteado para nada...rsssssss Se o censo fosse fazer de todos os brasileiros a pesquisa completa acho que levariam uns 5 anos para terminar...

abraços

Lis. disse...

É certo Tati que és uma eterna apaixonada.
Sobretudo, em primeiro lugar pela vida.
É um pena que nem todas são como tú.

Saudações.

Lília disse...

Menina, você sabe que eu fiquei frustradíssima por eu não ter sido entrevistada no meu prédio, no dia que o recenceador estava no prédio eu ia toda hora olhar pelo olho mágico para ver se ele estava chegando e ele não foi, ahahahaha.

Você acabou de me tirar todas as frustrações por não ter sido retratada pelo IBGE, rsrsrs

Leci Irene disse...

Tati, kkkkkk! Eu também só precisei responder umas pouquitas perguntas!!!!!!! A gente esperava, pela propaganda, algo mais aconchegante, animador... hehehe - mas, mesmo assim, eu dou os parabéns para a menina que foi lá em casa - era de uma simpatia sem par!
Outra coisa - gostei da tua sugestão sobre as minhas gororobas, mas, pensei bem e não vou deixas a Ana maria sem seu emprego global! hehehe
Beijos

Nathália (Ná) disse...

Tati, ainda não recebi essa visita, estou super ansiosa esperando...Vamos ver no que dá. Depois te conto...OK.

Bjs!

Pati Araújo disse...

Oi Tati,

Realmente a visita é frustrante, não sei se é porque gosto de bater papo... aqui também foi super sem graça, e eu nem sabia que tinha esse formulário expandido O.o, o meu foi o "simplinho" mesmo *rs*

Beijos :]

Cantinho da Cê disse...

Bom dia Tati,

Quando ela passou aqui em casa eu nem fiquei sabendo. Estava no banho e meu filho mais velho gritou: Mãe, que ano você nasceu???? e eu respondi pensando, para que será que ele quer saber? Quando saí do banho ele já havia respondido as perguntas e ela tinha ido embora...simples e rápido...

Beijos,

Nilce disse...

kkkkkkk
Quanta expectativa pra nada, Tati.

E eu caí no "expandido". Não se decepcione porque são apenas mais perguntas que não dizem, muito menos resolverão muita coisa não.
Também fiquei decepcionada. Mas a moça foi super legal.
A grande diferença acho que está no aparelhinho, (como é mesmo o nome?), muito chique.rsrs
A "moça do Senso" esteve na minha mãe no sábado, quando eu estava lá e as perguntas foram como as suas. Minha mãe insistindo em falar tanta coisa e reclamar: "mas o senso não é pra saber como vivemos?". kkkkk
Tive que falar que a moça tinha um montão de casas para visitar.
Tanta tecnologia pra moça perguntar se sabemos assinar nossos nomes. Sabem? Alfabetizados!
E os números sobem e a Cultura desce.
Que pena!

Bjs no coração!

Nilce

Macá disse...

Tati
Que gracinha seu post. Fiquei aqui imaginando você colocando a água no fogo..... Acho que eu vou até aí pra tomar esse café e fazer um monte de perguntas..... em resposta ao que você disser kkkkkkkkkkkkkk Mas não vá chorar heim?
Aqui ainda não veio ninguém pra saber se somos alfabetizados. Já que é só isso, acho que vou fazer uma plaquinha e deixar pendurada no portão, o que você acha?
Assim nem me frustro.
beijos

Renata disse...

KKKKK!!!!!

Na minha casa não demorou mais que cinco minutos, eu não estava, quem recebeu foi meu marido, que não tem a mínima paciencia pra essas coisas...deve ter informado só o essencial...

Um abraço menina,
Obrigada pelo seu carinho no blog!

Isadora disse...

Tati fiquei com essa mesma sensação. O recenceador chegou, sacou o palm, fez meia dúzia de perguntas bem genéricas e muito obrigada e bom dia!
Fiquei assim, com a impressão de que não conheceram a fundo qa mim, e, consequentemente, a população.
Um beijo,
Isa

Wanderley Elian Lima disse...

kkkkkkkkkkk passei pela mesma decepção, o moço, que nem sei o nome, não demorou 5 minutos, a unica preocupação era saber se todos tinha um lugar para fazer as necessidades. Quase chorei de raiva.
Bjux

Cintia Branco disse...

Tati,

Oh tristeza... Marido aqui teve a mesma sensação, não se sentiu contemplado na amostragem.
Nunca passei por isso, mas acho que teria as mesmas expectativas que você.
Beijos

Bia Pessoa disse...

Hahah..
poxa Tati, acho que você não levou é sorte. Por que mesmo que as pergubtas fossem tão breves, um ou outro senta toma um café...e se entende em uma conversa interminavel.

A Selma não estava nesta categoria!

Abraço,

Bia

Tati Pastorello disse...

Oi Bia, a Selma era uma simpatia e até merecia o café, que não deu tempo de passar. Batemos um bom papo sim, o que me entristeceu foi a entrevista para o Censo, que achei insuficiente, superficial demais. Depois de responder a ela me sentiria insegura de usar seus dados em uma pesquisa, por exemplo. Não é representativa...
Beijos.

Telma Maciel disse...

É... toda vez q falam em estatísticas eu penso "mas não respondi nada!" Não faço parte das estatísticas!
Uma vez, uns bons anos atrás, eu trabalhei no censo. Fui até a casa de uma senhora, fiz o trabalho, tomei café, rezamos juntas, conversamos... no dia seguinte, no meio do trabalho, tava lá eu de novo na casa dela, tomando café, conversando, rezando e foi assim por mtos e mtos dias, até eu cansar do censo e arrumar outro emprego.
Fiquei sabendo q ela faleceu uns tempos depois. Mas esse é O caso que me lembro durante esse trabalho.
Bjks

pensandoemfamilia disse...

Ainda não passei por esta experiência, mas não tenho expectativas.
bjs

Marisa Mattos disse...

E voce querendo fazer amizade,né amiga?Ainda não passaram por aqui..vamos ver no que dá...dependendo faço uma narrativa tbm lá no meu cantinho.

www.comtextosdavida.com disse...

Olha, a minha chegou à noite e ficou do outro lado do portão. Achei uma idiotice.Gostei do texto.
bjs Lais

**Fabi** disse...

Tatii!!!
Vim aqui retribuir a visita e agradecer o comentário e nao resisti a ler o seu texto...

Meninaaa quero saber mais sobre feng shui!!!
E sobre as perguntas...
Quantos computadores??
Quantos assentos sanitários?
Quantos controles remotos???
Quantos kg de poeira vc tem??

Olha quando a moça do censo passou aqui ela foi suuuperrr gentil comigo... brincou em certas horas...
Mas é exatamente como vc disse...
Adorei oq vc escreveu...
Nota 10!

Bjo grande!!
Ganhou uma fã!!
E uma seguidora tb!!!
Fique com Deus

* Fada * disse...

*Tati, boa noite !!! *

Estou aqui para TE AGRADECER pelo teu

comentário lá no *Caderninho e, também !, para

conhecer este teu espaço !!! (*Já TE SIGO !!!).

*Menina, tenhas uma ALEGRE quarta-feira !

*Fiques com Deus.

*Um abraço.

Néia (Dulci) disse...

Tati quanta delicadeza a sua em colocar água para fazer um cafezinho, atitude de quem gosta de receber e agradar. Tão bom isso e tão raro hoje em dia! todo mundo se fechando cada vez mais, com medo de novas amizades, uma desconfiança geral!
Aqui fui contemplada com o censo expandido e confesso que foi bem demorado, mas entendendo a situação tive paciência para responder todas as perguntas, isso é o mínimo que o recenseador espera da gente, não é mesmo?
Beijo

Beth/Lilás disse...

Tatiiiiiii,
Que texto e sacada maravilhosos você teve, menina!
Pois eu também senti o mesmo que você quando recebi o rapaz em minha sala. Que perguntas insípidas, que falta de pessoalidade geral deste censo!
Eu pensei como você, mas não coloquei na escrita e quando li o texto foi como se eu estivesse ali falando o que pensei noutro dia.
Adorei!
beijos cariocas