Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Psicologia e nutrição

Este é um questionamento que me faço há anos. Intensificou-se depois que o Bê chegou... Vou tentar me explicar.

Sempre tentei oferecer uma alimentação relativamente saudável. Não sou fãzoca de cozinha. Tenho, entretanto, apreço por bons alimentos. Como, com prazer, uma bela salada. E dispenso, sem pesar, um hamburger ou qualquer outro tipo de fritura.

Durante muitos anos não comi carne. Quando casei, ambos não comíamos, fui preparar a primeira refeição com carne depois da gravidez. Isso por que fiquei anêmica e precisei suplementar. E por que senti vontade.

Eu não sou da turma que não faz restrições alimentares, ou tento não fazer. Eu como o que gosto. Tenho a sorte de gostar de coisas boas. A questão é que não gosto de preparar o que mais gosto de comer. Morro de preguiça de elaborar grandes saladas. Pratos com muitos legumes e verduras... Aqui em casa sou adepta da cozinha expresso. Massas, strogonoff, pratos em que a carne já esteja no molho e pronto: duas panelas, no máximo, meia hora de cozinha e bom apetite...

Isso precisa ser reformulado. O Bê adora frutas, sempre gostou e teve um caso de conseguir que ele trocasse, espontaneamente, um biscoito recheado por um prato de uvas. Alegria geral dentro de mim!

Acontece que o Bê não mora numa redoma. E apesar de não conviver com refrigerantes e biscoitos amarelos em casa, ele os encontra na rua. E a rua, algumas vezes, é casa. Como na casa da avó, minha mãe, e na escola. Quando ele era pequeno eu disse que estes biscoitos eram biscoito-porcaria. Ele confundiu as palavras e o chamava biscoito de meleca. Adorei a comparação, imaginei que se ele criasse esta imagem na cabeça jamais iria querer experimentar. Que nada... Esta semana veio da escola questionando.
- Mãe, sabia que não existe biscoito de meleca? Eu comi, mãe. O Matheus levou e é uma delícia. Eu quero que você compre para mim também.
Fui franca, expliquei o porque do termo, por ele ter se confundido e arrematei:
- Eu não quero comprar para você por que não faz bem para a saúde. Eu gosto de cuidar de você.
Ponto final nesta hora. Sei que ele retornará ao assunto. Consegui retardar a conversa, ele deve estar pensando em novos argumentos.

Com coca-cola foi o mesmo. Aqui em casa não gostamos, não compramos (sorry, Isa). Ele tem contato com refrigerantes em festinhas, na casa da minha mãe e na lancheira do colega. Bebidas eles não podem dividir. Sorte a minha! Sempre oferecemos muito suco. Festas, de modo geral também tem suco ou mate ou guaraná natural. Ele chegou me dizendo que gostava de coca-cola, e nas festas da escola aproveitava para se empanzinar. Ok, esta escolha é dele, infelizmente.

Agora a questão: ouvi outro dia uma nutricionista explicando que não se deveria deixar o refrigerante para os finais de semana, senão a criança o entenderia como um alimento (?) de dia de festas, especial, e o valorizaria mais.

Há também aquelas correntes que dizem que alimentos não devem ser forçados, e que as crianças seguem o exemplo dos pais. O Bê não me vê comer muitas saladas, por que o faço em horários de almoço, em restaurantes mais do que em casa. Isso poderia explicar sua não aceitação de legumes e verduras. Que um dia ele adorou, e hoje rejeita... Agora, o que explicaria ele gostar/ adorar, um alimento que sempre foi entendido como "meleca"? Querer algo para o qual sempre fizemos careta?

Se eu começar a proibir alface ele terá curiosidade e irá amar saladas? Posso fazer isso. Se eu força-lo a comer biscoitos recheados, beber refrigerante sempre que tiver sede, obrigá-lo a ingerir um pacote inteiro de balas ele passará a ter aversão? Como é isso?

Por que esta filosofia só funciona para alimentos saudáveis? Eu não acho que são piores em sabor. Eu prefiro uma maçã do que um pirulito. Sempre preferi. 

É confuso, não é? Não consigo perceber enlatados, processados, artificiais como mais saborosos. No entanto há uma aceitação mais fácil. Não há rejeição mesmo quando são forçados. Há um forte apelo que não faz parte de mim, por isso não entendo.

Aí vem também as propagandas. E uma que me irrita profundamente é do Mac Donalds com seus lanches tristes. Pagar por um brinquedo e receber um lanche-bomba de brinde é o fim! O Bê não gosta do lanche, nem das batatas, nem do hamburguer ou nugguets. Toma só o suco, que é ultra-processado e artificial. Só que ele assiste a propaganda, e os brinquedos são tão interessantes, seus amigos da escola colecionam, seus primos também. Ele sempre nos pede para ir ao Mac. Diz, desta vez eu como o lanche... ele ainda não entendeu que não fazemos a menor questão que ele coma. Também não queremos comer. É ruim, e ainda por cima, faz mal... A rede girafas inseriu brinquedos no seu prato infantil também. Testamos e achamos mais interessante. Ele ainda quer colecionar os dois. Ah, este tipo de marketing devia ser proibido por uma saúde pública que insiste em dizer que há epidemia de obesidade... Tanta demagogia...

Muito mais saboroso um suco de laranjas fresquinho do que um copo de refrigerante, não é? Sou um ET? Será que meu paladar que é alterado? 

Tudo muito estranho... Alguém me explica este mundo?

Vou tentar ser mais clara na minha questão: Se eu obrigá-lo a tomar refrigerante e comer bala em todas as refeições, ele vai detestar estes itens?
Se eu disser que brócolis só nos finais de semana, se tornará o prato favorito? A filha da minha prima ama brócolis. Troca qualquer coisa por brócolis. O Bê já foi assim com beterraba, hoje não gosta mais... Se eu proibir, disser que de jeito nenhum, ele se tomará de paixão por estes legumes? Esta é a dúvida: a mesma psicologia serve nos dois sentidos?

Beijos,

Tati.

20 comentários:

Françoise disse...

Oi Tati,
este assunto pra mim é um pouco difícil. Imagino o que tem passado. Eu aqui em casa sofro muito pois desde que as meninas começaram a comer papinhas, fiz tudo com muito carinho, usando frutas e legumes fresquinhos. Agora dizem ser ruim, não aceitam nada, nenhuma fruta e legumes. Na escola nao é permitido "porcarias ou melecas" como diz o Bê, Graças a Deus. Aqui na Suécia todas as crianças almoçam na escola e acho isso bom pois a alimentação é saudável e nada de besteiras além do mais olham outras crianças comendo e vão aprendendo na interação.Infelizmente não fazem o mesmo em casa. A Laurinha então nem se fale, não come nada, nada. E o pior, adoram o nuggets do Mc Donalds e muitas vezes também só pra colecionar os brinquedos.
Fico triste tbem pois me vêem na luta comndo minhas saladas pois desde que me conheço por gente preciso delas e nem assim se solidarizam, rs.... Não desisto! A Bia já começou a dizer que quando crescer vai comer alface, rs......

Beijos procê amiga.

Bordados e Retalhos disse...

Oi Tati sei o que vc está sentindo. Sofri muito com isso tamvbém, mas acho que a minha geração levou a questão menos a sério. De qualquer forma sempre tentei incluir saladas e verduras na alimentação dos meus filhos. O mais velho come de tudo agora o Vitor, o mais novo não come uma verdura sequer, legumes só batata. Tem aversão á saladas, tomates...Também deixei o refri somente para os finais de semana e aí virou festa. Ainda hoje tomamos nos domingos, mas eles adoram. Durante a semana temos sucos. Confesso, sou fã de coca cola zero. Mas evito ao máximo. Travo uma guerra por dia por causa da alimentação do Vitor pois ele só quer comer macarrão e sem molho. Não sei o que faço.Mac lanches tristes, raramente ele come, ams ama também. Hoje com 15 anos está sendo cada vez mais difícil controlar isso. Concordo que essas propagandas deveriam ser proibidas. O mais legal é que o Vitor há 3 anos estuda numa escola do Sesi. Então lá não tem cantina e eles fornecem a merenda que é pensanda por nutricionitas. Bom, ele as vezes prefere ficar com fome do que comer o que eles oferecem mas na maioria das vezes toma suco e come alguma coisa de lá. MAs em casa é um tormento. Bjs

Isadora disse...

Minha amiga, não pude deixar de rir com o sorry Isa. Só você mesma para arrancar um sorriso meu, hoje.
Sempre procurei oferecer a Bia, o mais saudável. Lá em casa tem sempre um legume ou verdura e tem que comer, nem que seja um pouquinho. Ela adora alface, e olha que nem faço tanta salada. Adora chocolate e doce que procuro sempre durante a semana, trocar por uma fruta. Quanto as bebidas, eu não compro refrigerante. É suco ou mate, mas quando, eventualmente, tem e ela me pede dou com moderação e nas festinhas é inevitável.
Temos sim que ter preocupação com a alimentação dos pequenos e com a nossa, mas também temos que ser ponderados, pois uma hora eles crescerão e farão suas próprias escolhas. Que possamos infuenciá-los da melhor maneira possível.
Beijos

Tatiane Garcia disse...

Tati, eu nem filho tenho, mas vou pitacar no assunto: acho que não podemos ser xiitas radicais com nada...não adianta proibir ou nao ter em casa, a rua vai oferecer é fato...eu voto por equilibrio... (ok, vc sabe, estou comendo verduras só a pouco tempo nem deveria palpitar...)se vc o ensinar a escolher, ter uma vida saudável, ele vai aprender..sobre aquilo do refri, ser coisa de festa, eu concordo...qdo uma coisa é proibida, ela "assanha" mais !!!! ele deve saber que é até bom sim, mas que faz mal, seja pra barriguinha, pros dentinhos...pra saúde em geral. Não deve virar vício, pra nao prejudicar!!! seu menino é esperto e vc uma super mãe! vai dar td certo!!!!

Luma Rosa disse...

Parece que as crianças se comportam melhor quando estão somente elas e as mães. Porque será? Depois que começam a interagir com outras crianças, normal que queiram provar do que a outra criança come, brinca... e para elas, que não sabem o trabalho que dá preparar o alimento, fica fácil negá-lo. Entra aí o ingrediente da ansiedade. Elas sentem o quanto ficamos ansiosas para a aceitação do prato e podem também usar como modo de chamar atenção sobre si. Ah, e eles gostam de certos alimentos, porque não comem todo dia, pois se comecem todos os dias, enjoariam! Não digo a Coca-cola que vira vício, doces também!
Eles prestam bastante atenção no que fazemos e se você fala e não faz como fala, eles não irão fazer! Ontem na fila do supermercado, uma moça na minha frente começou a passar suas compras para o balcão (sempre presto atenção e analiso. O nosso carrinho de supermercado diz muito dos nossos hábitos). Tinha bolo pronto, biss, lasanha pronta, pão de queijo... nada de verdura, fruta, legumes... mas #euri! Tinha uma cartela de 6 potes de Activia! Oras, as pessoas não querem ter o trabalho de lavar, desinfetar, descascar, picar alimentos naturais com fibras, emassam as paredes do intestino com carboidratos e acham que Activia é solução.
Antes barganhava, tipo: se comer legume, vai poder comer sobremesa. Daí parei com a ansiedade e faço a comida que sei que é saudável. Quer comer, come! Senão, não dou outra opção. Muito difícil para a dona de casa elaborar pratos individuais ao gosto de cada um. Mas tenho alguns truques, como cozinhar os legumes com a carne, daí a vitamina fica no caldinho, adicionar aveia na farinha de uma farofa, optar por massas produzidas com farinha integral... coisinhas simples que fazem alguma diferença ao final.

Deixei um comentário no post da blogagem coletiva. Tive que procurar um computador que aceitasse o sistema de comentários integrado na postagem, porque no meu computador não aparece a widget para escrever o comentário. No dia da blogagem fiquei um tempão esperando a página carregar e desisti.

Beijus,

Nika disse...

Oii Tati, então né difícil o assunto , meu filhote Vinícius tem 4 anos, eu como de tudo , amo frutas e suco natural , troco qualquer fast food por uma comida bem saldável cheia de verde, nem por isso o vini ama isso, porém por enquanto graças a Deus não tenho problemas para a alimentação dele, eu tento um equilibrio, não deixo ele tomar refrigerantes todos os dias, nem comer "besteiras" ( balas,salgadinhos) o Vini graças a Deus não gosta de bolacha recheada mas é apaixonado por refrigerante, mas sempre dou um jeito de convence lo a tomar um suco, o que compensa é que ele é apaixonado por arroz e feijão e alface, nem sempre quer comer bife ou frango,mas come mto bem, as vezes acho estranho até..rsrsrs Tem dia que queremos comer lanche e ele diz que quer comida de verdade.
Acho que devemos ensinar nossos filhos a comer de forma saudável sim , porém não podemos ir ao extremo devemos explicar a importancia dos alimentos e ser exemplo como vc é , vc vai ver o Bê aprende..
Bjs

Cacheada disse...

Mais dia ou menos dia ele vai descobri essa delícia que é a coca.
Não adianta, minha mãe disse que nunca comprava refri, mas depois que fui pra escola...ngm me segurou (graças a Deus).
MAs eu lembro que eu ficava surpresa, tinha uma menina que só comia verdura frutas e legume..
não mascava chiclete nem bebia refrigerante..
:S
Eu pensava... AH LOKA!
mas hoje eu vejo né? Ela cuidou bem do corpo, da saúde..
MAs enfim..
você mais mesmo privar o menino da oitava maravilha do mundo!?

Desconstruindo a Mãe disse...

Bah, nem consegui ler os comentários anteriores porque fiquei me coçando com o teu post, Tati!

A Larissa ontem foi ao pediatra e ele disse que ela está com tamanho de 8 anos, peso de 7 e meio. Que está muito saudável.

Mas estamos numa luta grande pra que ela volte a ingerir os alimentos que adorava, como beterraba, brócolis... Até moranga anda difícil!

Se dependesse dela, acho que viveria de arroz, feijão, batatinhas que faço no forno, porque fazer frituras eu me recuso!

Mas ela come carne, peixe, frango, porco, camarão e frutas, mas anda reduzindo muito o repertório dela.

Brincadeiras, conversas, broncas, papo-cabeça, choque de realidade... Já tentamos de tudo. Ultimamente temos tentado a negociação.

Hoje mesmo ela veio com cara feia porque tinha arroz à jardineira com ervilha, pimentão vermelho e amarelo e cenoura cozida. Nem dei tempo de questionar, só disse: - Come que tá quase na hora da escola. - Dessa vez funcionou, mas tem dias em que rola um stress.

Agora vou te dizer: como funciona a palavra dum amiguinho de quem eles gostem, né?! Minha sobrinha parou de comer peixe porque uma prima UMA VEZ disse que era ECA.

Já a melhor amiga da Larissa é movida a TICTAC e BALA SETE BELO! Se ela vai começar a dizer besteira, a mãe já lota a boca de balas. O irmão da menina mal fala com 3 anos, mas BALA é uma das poucas coisas que sai daquela boquinha...

Quando Lalá vê a melhor amiga no fds, dorme na casa dela ou ela vem pra cá... affe... fica complicado! - Temos inclusive evitado esses encontros!

Pelo menos ela não bebe refrigerante... E nos aniversários os salgadinhos fritos, como risólis, ela nem olha ou chega perto.

Também gostaria de compreender melhor a psicologia da alimentação correta, que em algum momento funcionou tão bem e agora já nem tanto...

Beijo,
Ingrid

Desconstruindo a Mãe disse...

OBS: Batatinhas no forno rolam muito de vez em quando, tipo 1 vez por mês ou menos aqui... E já pensou se fosse de vez em sempre?

Desconstruindo a Mãe disse...

Tati, tenho uma tirinha de Calvin & Haroldo pra te mandar sobre alimentação infantil, queres?

Lúcia Soares disse...

Pois é, Tati. A tática de oferecer comida "porcaria" todos os dias não vai funcionar...Ele não vai olhar o prato de hamburguer e batatinha frita e dizer: "Ah,mãe! Queria tanto bróclis com arroz, feijão e frango assado!" rsrsrs Não vai mesmo!
O melhor pra educar é fazer igual (ele ver você e o pai comendo).
Também nunca fiz comida diferente, pra agradar a um e outro. Imagina, 3 filhos e marido, como fazer 4 pratos diferentes? Tudo o que eu fazia era pra ser comido. Mas também nunca obriguei filho a comer o que eu não gostasse, embora fizesse, porque meu marido come de tudo: jiló, quiabo, abobrinha amarela, almeirão, etc.
Mesmo assim, eles adoram quiabo e jiló! rsrsrrs
O melhor é comer a comida saudável e não dar opção: é ela ou nada!
Difícil, mas se deixar por conta dele, só comerá bobagens!
Beijo!

Irene Moreira disse...

Tati
É complicado mesmo. Confesso que quando era pequeno comia tudo de bom, legumes, sucos etc, etc
Agora já adulto só Deus sabe o que não come. Chegou uma época que era compulsivo na Coca Cola e não adiantava proibir, pois tinha o dinheiro dele e lá vinha com ela.

Agora ele já está mudando os seu hábitos, comendo legumes, procurando ter uma alimentação mais saudável. Já emagreceu e procura fazer suas caminhadas. Acho que a vida se encarrega de fazer com que eles achem o caminho certo, mas cabe a nós toda a orientação e o que vc estrá fazendo é o correto.

Beijos

Eduardo Medeiros disse...

Tati, esse é um dos problemas que eu já penso como vou resolver quando o Eduardinho nascer e ficar mais grandinho. Eu acho que não tem jeito. Enquanto não for para a escola, creio que temos que oferecer alimentos saudáveis mas não adianta proibir as porcarias pois um dia ele vai ver os amigos comendo e vai querer também. Tem que conversar, ensinar. Tipo, "se comer a salada pode tomar sorvete" rsssss

será que funciona? Sinceramente, também não sei e esses especialistas cada hora falam um coisa.

Mulher na Polícia disse...

Oi querida!

Bom, as perguntas não são nem um pouco simples, linda, mas creio que não só na questão da alimentação mas em qualquer outra questão envolvendo a educação do meu filho, eu apostaria numa estratégia sincera e honesta. Porque isso fortaleceria o caráter dele, inclusive.

Hoje você ainda pode evitar e exposição do seu filho a junk food, mas amanhã ele precisará decidir por si próprio, né?

Que bom ter a oportunidade de te conhecer melhor por aqui.

Um beijo!

Mari disse...

Tati querida....

Eu ainda acredito que o nosso bom senso é o melhor conselheiro!

Beijos

Tatiana disse...

Nossa Tati...esse tema!!!
Sofro com o meu de 12, que é uma vara, e uma verdadeira formiga!
Tem preguiça de comer, come beeem devagaaaar,sempre o ultimo a sair da mesa.
E o de 15 é uma traga so!!!
Nao sei se tem regra,Tati, aqui em casa sempre comemos bem saudavelmente, tentando uma alimentação equilibrada, fazíamos a dieta "the zone" que 40% carboidrato,30% proteína e 40% gordura.
Hoje em dia, nao sou muito radical, deixo entrar umas melecas de vez em quando, faço o que a psicóloga falou para nao fazer( o da coca no final de semana),que faz muito sentido.
Mas a alimentação continua equilibrada,eu nao como carne vermelha e derivados por questão de saúde, mas faço pra galera aqui umas 2 x por semana!
Marido tambem cozinha muito bem,ai ja viu,ne..rsrs..
Ha 17 anos que nao tenho empregada, tipo as do Brasil.
Na Califa nao tinha mesmo, aqui em Cancun tenho uma faxineira, mas a comida fica por nossa conta mesmo!!
Uma vez vi numa reportagem que para saber se a alimentação estava boa para a criança era so ver a quantidade de cores no prato, quanto mais colorido melhor, interessante,ne??
Hahaha, Tati, desculpa...acho que sai um pouco da sua questão...viajei um pouco na alimentação, adoro esse assunto!!
Beijao!!!

Tatiana disse...

Tati, errei na porcentagem ai em cima, o certo é 40%,30%,30%(carboidrato,proteina,gordura).
Bjs.

Leci Irene disse...

Bom, Tati,eu usei da seguinte tática: nunca proibir o que nós considerávamos ruim para a saúde - coca cola, lanches, bolachas recheadas, balas, etc e tal. - dávamos na medida em que era pedido e sempre a gente falava sobre as coisas ruins que aqueles alimentos poderiam ocasionar. E, qto aos alimebntos saudáveis, agente também explicava o pq de comer. Claro,sem muitas explicações técnicas hehehe

Cantinho She disse...

Queridonaaaaaa não tenho conhecimento de causa para falar sobre esse assunto pelo simples fato de ainda não ser mãe... mas qdo eu for, vou tentar, veja bem, TENTAR, (rsrs) buscar o equilíbrio para as coisas, mas deve ser MEGAdifícil!!!!

Deixa eu te falar, dei uma gargalhada com o seu "sorry Isa"... kkkkkk ai, ai, muito divertida vc....

Beijo, beijoooooo! ;)
Excelente fds!

She

Tatiana disse...

Ai...Tati...desculpa comentar aqui outra vez, mas agora que eu li o comentário da Fran la em cima, e o meu de 12 é igualziiiinho, não come naaada, e simplesmente não sente fome, como se fosse um castigo o almoço!!Um porre!!!!