Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Felicidade é uma colcha de retalhos

Um mosaico de alegrias, costurado por tristezas.

A proposta hoje é escrever sobre FELICIDADE, na Blogagem Coletiva da Glorinha do Café com bolo. E foi a mais difícil de escrever. Os outros sentimentos e emoções podiam ser pontuados. Eu pensava em medo ou raiva e vinha uma história, mesmo algumas. Eram fatos isolados, com datas e personagens definidos.

Amo estes meninos.
Motivo de ser feliz!
Felicidade não é assim. É um tapete, um panorama. Felicidade é mais constante e, ao mesmo tempo, mais dispersa. Somos felizes quando estamos alegres, e também quando estamos tristes. Somos felizes em todos os tempos verbais: Sou feliz na cena presente, ao interagir, ao viver; no passado, ao recordar; no futuro, quando sonho.

Se folheio um álbum de fotos, sou feliz em rever cada momento. Tantas histórias são reveladas em imagens congeladas por uma câmera. As risadas ecoam na mente, o calor do abraço, a sensação daquele dia. Isso não está na foto, só quem vivenciou a cena pode saber o bom que foi. 

Amigas para a vida toda,
na fase mais bonita da nossa.
De modo geral é mais fácil saber-se feliz ao recordar um momento: "Naquela época eu era tão feliz!" "Ah, bons tempos aqueles"... e outras expressões do tipo. Para ser feliz no presente é preciso uma certa tomada de consciência. Eu faço um exercício de olhar-me de cima, de fora da cena. E ali tenho a certeza do ser feliz. Lembro a primeira vez que fiz, meio sem querer. Estava rodeada por meus amigos da faculdade. Uma turma que amo, mesmo não convivendo mais. Naquele dia estávamos reunidos, brincando, rindo, contando histórias, unidos como éramos. E eu parei no tempo. Fotografei com o coração: registrei as imagens, o som das gargalhadas, o carinho que tínhamos (e temos) uns pelos outros. Este dia não me sai da lembrança. Um dia comum, sem nada que valha relatar como fato. Marcante por intensidade no sentir. Hoje quando penso nestes amigos, este dia é lembrança certa. Quase todos os nossos dias juntos eram iguais. Por algum motivo que não sei, este foi o dia da tomada de consciência. Eu nos vi por cima. Eu me vi na cena, rodeada e feliz. 

Momentos simples,
 inesquecíveis!
Depois desta ocasião treinei, exercitei, e hoje sou capaz de fazê-lo de forma pensada. Quando vivo um momento que me deixa feliz, paro um momento, pareço distante, pensativa... Estou fotografando com o coração. Não preciso pedir que façam xiiiiis. Os sorrisos tem movimento e som dentro de mim. Em muitas situações, quando me sinto plena, faço este movimento. Me destaco e filmo, gravo, registro. 

Felicidade são as covinhas do Bê, o olhar doce e apaixonado do Vi, uma garrafa de café fumegante, a voz da minha mãe, o riso do meu pai, limpando as lágrimas de gargalhar, os braços do meu sobrinho dizendo que no meu abraço quem cabe é ele, numa brincadeira que é só de nós 2, é família reunida. 

Felicidade é uma caixinha no google talk, com a palavrinha Tati no topo da mensagem. É a oportunidade de escrever este blog, de ser lida e comentada com carinho. De interagir com pessoas distantes, e que se fazem tão presentes. É também a dúvida sobre os caminhos a seguir, e saber que isto só acontece por que tenho múltiplos talentos. É a superação pessoal.

Família reunida, intensa falicidade
Todas estas imagens somam-se a situações de dificuldades e tristezas. Elas também alimentam meu lado feliz, quando me dão oportunidade de refletir, crescer, valorizar o bom. Os contrastes são importantes para valorizarmos o que temos. Lulu Santos não errou ao dizer que não existiria som sem silêncio, nem luz sem escuridão. Ainda assim, o que mais gosto, o que me faz mais feliz nos momentos superados, é ver que cresci. Sempre crescemos mais nestas fases duras. E se crescemos, a felicidade cresce em nós.

Quando superamos algo, em especial quando superamos a nós mesmos, a felicidade jorra. Eu tenho passado por uma fase de auto-superação que tem me feito muito bem. Muitas vezes são coisas pequenas, insignificantes aos olhos desatentos. Só quem as vive sabe o valor que tem. 

Meu sobrinho-filho,
um dos grandes amores da minha vida.
Ontem, após quase 3 anos, eu tive coragem de pegar no volante. Dirigi uma quadra apenas. Peguei o Bê na escola e voltei para casa. Foi uma vitória grande sobre mim mesma. Eu estou tomando posse da minha vida novamente. Este movimento pode parecer tão bobo, nem sei se vale relatá-lo aqui. Para mim, foi o passo gigante, significativo. Representa a retomada de minha vida. A ruptura com alguns nós que criei ao meu redor e me impediam de continuar. Estou saindo da crisálida, secando asas ao sol, planejando voos mais altos. Tudo se aproxima e se forma. Está ao alcance das mãos.

Sorrio, um sorriso discreto. Não há gargalhadas ou dentes expostos. Neste momento não é da alegria escandalosa que falo. Falo, sim, da felicidade. Um processo mais lento, mais calmo, aderido na alma.

Beijos a todos,
Tati.

43 comentários:

Chica disse...

Muito legal e realmente, é feita de pedaços de vida.

Adorei ver os teus!beijos,lindo fds,chica

Leci Irene disse...

TATI, acabo de aprender algo que pretendo fazer: parar,pensar, fotografar com o coração o momento feliz!
Lindo,lindo...
- Viu só,nunca é tarde para a gente aprender!

Desconstruindo a Mãe disse...

Oi, Tati querida!
Que bom ler cedinho o teu post sobre felicidade.
Também creio que a felicidade seja a soma de tudo isso que falamos, desejamos, lutamos, nem sempre conquistamos, mas também as superações...

Que bom que estás conseguindo te superar. Estou na torcida pra que essa borboletinha voe no meio das flores e espalhe o pólen de sua sabedoria pelos jardins e continue fazendo a gente pensar.

Beijo!
Ingrid

josi stanger disse...

Felicidades!!! Tati, na recordação, na superação, na construção de uma nova perspectiva!
Nos olhos que olham a vida de frente, nos braços que ainda nos esperam pra aquele abraço gostoso de amizade, nos pés que refazem os velhos caminhos com novos passos... (ou ce darro, hehehe) são sempre caminhos novas, como o rio que nunca é mesmo conforme passam as águas, é um novo rio...)
felicidade´é o que te desejo, de coração!

beijinho
Josi

Liza Souza disse...

Tati, que texto lindo! Como voce é madura e especial e como tem o dom de escrever com palavras o que toca o coracao da gente. Me sinto presenteada por ter chegado aqui e ter o privilegio de aprender um pouco com voce. Tbm penso que a felicidade existe mesmo nos momentos de dificuldades e que se abrirmos os olhos da nossa alma vamos viver fotografando com o coracao momentos que nao devemos esquecer nunca.
Beijos e que a sua vida seja repleta dessas grandes conquistas, desses pequenos grandes passos que nos levam a lugares mais altos e que o album de fotografias do seu coracao esteja sempre cheio.

Bordados e Retalhos disse...

Seus textos sempre me emocionam muito. A forma como vc tece as palavras, sim tece, costura ...ou outra palavra que associe seus textos a uma obra de arte carinhosa. Um carinho para quem lê. As suas palavras te fazem tão humana, mas tão forte. Mostram uma Tati tão sincera e as vezes misteriosa no limite certo. Ler aqui, apesar das dúvidas e das perguntas, é sempre conhecer a possibilidade de ser feliz. Sim, é possível ser feliz, recomeçar, tomar coragem, segurar as rédeas da própria vida. Lindo demais Tati. Bjs querida, desejo sempre o melhor pra vc.

Cacá disse...

Tati, isso é simplesmete maravilhoso. Eu comparo a felicidade ao ato de construir uma casa. A gente adquirir um lote, começar desde a fundação até o acabamento final que nunca se encerra. Esta é para mim a metáfora ideal. Você fez isso com palavras diferentes,mas muito próximo do que penso. Adorei! Abraços. Paz e bem.

disse...

Realmente Tati, uma integração. Não conseguimos ser felizes sem os nossos, eles agregam a nossa vida temperos especiais e muitas vezes, por mais que tentamos transcrever, faltam palavras não é mesmo? Lindo de poder participar, mesmo que distante e por aqui das tuas felicidades. Bjos no coração, com felicidade!

Macá disse...

Tati
Como sempre um texto rico e emocionante. E mais uma vez aprendo com você: Fotografar com o coração! Isso é muito forte e sei que já fiz isso algumas vezes inconscientemente, porque existem momentos que parecem tão pequenos, mas que na lembrança atingem uma grande proporção.
Mas vou fazer isso com mais consciência e não deixar esses momentos passarem e sumirem no tempo.
Muito lindo.
beijos

Lis. disse...

Então Tati...

Descobri que o lado bom das blogagens coletivas é posso fazer apenas um comentário e trancrevê-lo para muitos blogs, até porque, os temas são muito universais.

Entretanto, antes de repassar o texto abaixo que já está colocado como cometário universal, quero parabenizá-la por ter visto que no fundo você é uma pessoa muito simples. E representa o tipo de pessoa que realmente pode ser feliz, gente com potêncial para tanto, posto que dentro das complicações, nunca acharemos caminho de satisfação que a alma quer, precisa, necessita, e nos pede para nos retribuir com a paz e a felicidade. E depois você já viu que as coisas sempre vem no seu devido tempo.

Agora, o texto comentário:

Há dez anos atrás comecei a fazer um trabalho de doutorado sobre o tema: Felicidade. Hoje, posso começar este comentário afirmando-lhe que a felicidade simplesmente não existe.

Pense bem e pense comigo: Se pudessemos separar todas as alegrias possíveis de serem vividas, teriamos encontrado a felicidade.

Mas como seria possível encontrá-la neste mundo onde precisamos da presença da tristeza como contraste? Só reconhecemos a alegria graças a existência da tristeza.

Então... conclusão:
Felicidade é uma utopia,
ou apenas senso direcional.

Se trilhamos o destino onde pelo caminho só aparece tristezas, alguma coisa está errada, e pode ser que estejamos indo para o lado errado, para o lado contrário da Felicidade rumando para o sofrimento.

O sofrimento também não existe, o sofrimento puro também é utopia. E em verdade vivemos entre altos e baixos mediante oscilações.

Imagine que coisa interessante: Sabemos o que é calor por termos o contraste do frio. Se não houvesse frio e tivessemos uma temperatura constante e sem variantes de digamos 36Cº aconteceria de nem existir a palavra: TEMPERATURA.

Consequentemente: Se vivessemos só as alegrias, nem mesmo a palavra FELICIDADE existiria.

Entretanto, quando passamos a ter muitas alegrias, a linha mediana sobe e certamente estaremos mais perto da paz. Imagine uma pessoa atada a um eletrocardiograma, onde o coração dá picos de altos e baixos, e de repente o coração pára. Morreu... encontrou a paz finalmente.

Isto é impossível porquanto estamos vivos, mas não ter paz, é não estar dirigindo-se rumo a, posto que a paz é a real gratificação de estarmos trilhando o caminho certo.

Então...

Felicidade
é um senso
direcional
e de paz.

Como?

Simples.

Não aceitando aquilo que não me faz feliz.

Não acomodando quando a gente sente que pegou o caminho errado.

Regina Coeli disse...

Minha Doce Menina,
A felicidade não está lá...
Ela está aqui bem alojada no nosso interior...
Quando conseguimos cultivar esse maravilhoso estado de espírito a vida se torna colorida e muito mais bonita!!!
Linda maneira de experimentar a FELICIDADE!
Ler seus POSTS é sempre gratificante!
Que Deus a abençoe a cada dia e que você continue compartilhando conosco a beleza de sua alma feminina!!!
Beijinho de mel.
Regina Coeli

Isadora disse...

Tati, adorei o seu argumento: mosaico de alegrias costurado por tristezas. É assim mesmo que vejo.
Achei muito bacana, o fotografar o momento atrvés de um breve afastamento!
Você relatou um fato que aparentemente e que para alguns pode não significar nada: dirigir. Sei bem o que é isso, pois não pego em um carro há muitos anos e sei que motivo de vitória e felicidade.
Muitas vezes são coisas simples (ou nem tanto - rs)e subjetivas, como a minha tentativa descrita na postagem.
Um grande beijo

Eliane disse...

Hoje é um dia mais feliz , um dia pra fotografar com o coração. Tati é tão bom saber que todos podem se unir e falar de algo bonito que aquece a alma. (Nos todos fizemos isso hoje) e estou feliz de ter uma amiga que sente felicidade como vc. Muitos beijos felizes no coração.

Beth/Lilás disse...

Querida Tati!
Eu fico muito contente por você estar reagindo a tudo e buscando sua felicidade e tenho certeza que irá encontrá-la, pois trabalha pra isso com atenção e carinho na vida.
Você é mesmo uma pessoa madura e de bons sentimentos, quer fazer o melhor na vida e é assim que acontecem as coisas, quando se busca verdadeiramente aquilo que queremos.
Felicidade plena para você é o que desejo.
bjs cariocas

Renata Boechat disse...

Gostei da comparação...uma colcha de retalhos, que a gente vai montando aos poucos...um pedacinho de momento bom com outro de alegria, com outro de prazer...e assim vamos tecendo a felicidade, de poder estar com a família, com quem a gente mais ama, de poder realizar um sonho, de transpor um obstáculo...ser feliz aos pouquinhos...

Mudando pros morangos do bolo de chocolate: apenas os coloquei ali, sem pretenção...só pra dar um charme no bolo de todo dia...só pra ser feliz!!! rsss...

Grande abraço,
Seja muito feliz!

orvalho do ceu disse...

Olá, pessoa feliz!!!
Quanta FELICIDADE!!!
Viver o presente, o passado e o futuro(quando chegar)... álbum de fotos... risadas e sorrisos... TOMADA DE CONSCIÊNCIA... AMIGOS... brincar... contar histórias... união... acarinhar... INTENSIDADE NO SENTIR... fotografar como coração... covinha de bebê... olhar doce e apaixonado... café fumegante... voz de mãe... sorriso de pai... lágrimas de tanto rir... abraços dos sobrinhos... ESCREVER em nosso BLOG... SER COMENTADA E COMENTAR... (COM CARINHO)... interagir com o diferente... superação pessoal... refletir e crescer... VALORIZAR O BOM... SOM E LUZ... momentos superados... AUTO SUPERAÇÃO... olhar atento... dirigir... RETOMAR A VIDA... sair da crisálida... secar asas e VOAR MAIS ALTO...
Hum!!!
Que delícia de vida!!!
Bjs felizes.

Françoise disse...

Oi Tati,
Você como sempre trazendo palavras sábias e que só tem me feito refletir. Sua felicidade está em você. Posso vê-la sempre no seu jeito de escrever. Seja feliz amiga!!!
Abraço,
Fran

diariodumapsi disse...

Oi Tati!
Belíssima reflexão!
A felicidade está no dia a dia, e quando estamos tristes é que percebemos o valor de estarmos felizes!
Gd beijo

Glorinha L de Lion disse...

Tati, minha linda amiga! Há um tempo atrás escrevi no meu blog, um texto que falava disso, pois tb o faço. Se chamava sentimentos engarrafados. Retirei do blog pq ia colocar num livro...e coloquei no meu livro de contos que está "pela aí" procurando editoras...e vc sabe depois que vem pro blog, deixa de ser inédito. Então retirei, mas falava exatamente disso. menina, somos muito parecidas. Fico boba de ver...acho que essa nossa alma escritora, nos faz assim. Lindo, lindo seu texto pq me vi nele tb. Beijos querida "alma gêmea"! hehe

Lis. disse...

Voltei...

"As palavras verdadeiras não são agradáveis e as agradáveis não são verdadeiras."

Lao-Tsé.

E voltei para dizer-lhe que achei legal a tomada de decisão da isadora em tentar parar de fumar. Pensei no que havia escrito aqui e concatenei que seria bom tomá-la como um bom exemplo.

Até porque, podemos plantar bons frustos, como você mesma tem feito, mas se não nos fizermos presentes, para colhê-los, nada feito.

Mesmo que os seus venham a beneficiar-se dos fatos, mesmo assim ficará o exemplo registrado na memória deles, do que era sensato, convinha, ou não. Pense nisso...

Marliborges disse...

Oiiii Tati,
Você é demais, suas palavras são tocantes e delicadas. Adoro estar por aqui, me deliciando. Gostei de tudo, mas dirigir novamente, sei bem o que significa isso. Aconteceu comigo. Há mto tempo atrás também fiquei sem dirigir e voltei. Meu Deus, é uma vitória, uma superação!!! Parabéns, querida. Vá secando suas asas. Logo,logo você voará bem alto... Bjssssss

Liza Souza disse...

Tati, fica a vontade pra colocar a musica aqui no seu blog. Fico feliz de ter te trazido boas lembrancas e te ter te proporcionado um momento de felicidade!
beijos

Cantinho She disse...

Tati, ficou simplesmente sensacional a sua participação... adorei!
Parabéns pela mais nova conquista-recomeço que não é nada boba... pois a partir do momento que tem importância, ou dificuldade pra gente é pq não é bobo e se for aos olhos de alguém é porque na verdade essa pessoa que é boba... ;)
Beijo, beijo!
She

Sonia Beth disse...

Tati, adorei a diferenciação entre Felicidade e Alegria Escandalosa. ! Profundo!

beijos

Lúcia Soares disse...

Tati, suas palavras caem fundo no coração. Você é jovem e consciente, madura. Não significa que tem soluções pra tudo, nem que sua vida seja apenas um mar de rosas. Mas significa que voc~e sonha, mas com os pés firmes no chão.
Nada é fácil como parece, nada cai do céu pra ninguém. A não ser as bençãos.
Que sua vida seja um constante refletir que a felicidade sempre está ao nosso alcance.
Beijos!

Ana Maria Braga disse...

Muito bom o seu texto. Parabéns por superar alguns bloqueios como dirigir. É assim mesmo. Devagar se vai ao longe. Adorei a sua frase: "Estou fotografando com o coração". Obrigada pela visita ao meu blog. bom final de semana. bjs

Teresinha Ferreira disse...

Olá Tati,
A sua comparação foi perfeita...Colcha de retalhos...Cada dia construímos pedaços que representam uma vida...
Tudo de bom
Bjs mil

Cris França disse...

escrevi um monte mas na hora de enviar deu erro...

enfim,

Tati vc transmite tudo isso que falou, e olha só essa coisa de voltar a dirigir é um sonho meu tbém.

bjs querida, seja muito feliz

Gina disse...

Tati, você foi tecendo sua colcha de retalhos com coisas simples, mas que fazem muita diferença.
Legal esse jeito de se colocar de fora da situação, como expectadora e registrando a emoção do momento.
Mas algo que me tocou mesmo, foi quando falou de voltar a dirigir por uma quadra. Desafio superado, muito bom isso. Lembrei-me de quando resolvi fazer natação para perder o medo de água. E fui em frente, até que tive uma recaída, voltei a ter medo da parte profunda da piscina, fiquei algumas aulas segurando na borda, até voltar a me soltar... A experiência de conseguir é ótima. Parabéns!
Bjs.

Tatiana disse...

Tati querida, desculpe a indiscrição, mas que idade você tem? (não precisa responder se se sentir invadida),mas fiquei curiosa porque esse texto passa tanta maturidade.
Não é qualquer pessoa que consegue desfrutar momentos simples do dia a dia e se sentir plena.
Certamente, pra mim, isso sempre foi felicidade!
Parabéns pelo lindo texto!
Beijocas!

Nika disse...

Fotografar com o coração amei isso que vocÊ colocou, acho que faço isso inconcientemente, vou tentar fazer intencionalmente.
Lindo texto Tati, todos os dias temos oportunidades de ser feliz é só estarmos atentos..Bjinhos ótimo fim de semana.

Denise disse...

Como sempre Tati, vc expressa as emoções através da escolha de palavras que são carregadas de delicadeza - e as encadeia numa seqüencia que seduz a gente, no melhor sentido, segurando a atenção e instigando a leitura. Entretanto, não se furtam à maturidade que vc demonstra - ainda que impregnada de leveza. Acho que a tal onça-Juma está em extinção...rs

É uma delícia vir te ler - e votar!
Bjãozão pra vc, um super feriado!

Nilce disse...

Oi, Tati, querida

A felicidade está mesmo dentro de você. Quando a vivencia e é capaz de senti-la ninguém pode tirá-la.
Só há sensações maravilhosas no que vc nos passa. Momentos lindos de vida, de prazeres simples, mas compensadores e de muita felicidade.
Ela convive conosco o tempo todo e só saber enxergá-la.
Adorei a sua participação.

Tenha um excelente final de semana!

Bjs no coração!

Nilce

Taia Assunção disse...

A felicidade trás Paz, é calma, sem sobressaltos. É uma conquista. Parabéns, seu texto ficou excelente. Beijocas e bom final de semana.

Mariana Hart disse...

Querida,estou encantada com teu blog!Este texto em especial passa tanta coisa boa,maturidade,segurança,paz...amei tudo o que vc escreve,vou estar sempre por aqui certamente!
Um beijo grande!:))

Néia (Dulci) disse...

Felicidade é poder se dar ao luxo de ler esse seu magnífico texto! em cada palavra o sentido exato daquilo que estavas sentindo. Beijos

Meru Sâmi disse...

Olá Tati, querida!

Menina, a que nostalgia nôs remete o início deste post! Alguém que não me lembro quem, disse:" A fotografia é o poema silêncioso, pois qualquer palavra o tiraria da medida.". Isso de fotografar com a alma determinados momentos , também é uma prática minha. É enriquecedor esse processo.
Quando você fala da sua retomada de posse da própria vida, é forte e vale sim ser comentado, pois é nos comentário que afirmamos para nós mesmos; " consegui! ", e isso não é clichê como:" uma casinha branca na colina", é real, parte de um conjunto real de seres vivos.
Grande sacada quando você diz que mesmo as dores fazem parte da felicidade. é fato não nôs saberíamos felizes sem as "dores".

Ah, brigadinho por me sugerir a mudança de link.
Eu havia pedido para Glorinha, mas calhou de acontecer nummomento de tristeza para ela e seus amigos, então ficou para essa semana. Coloquei o aviso no caso de alguém ir para o Meru Sami. Grata.

Vá até meu perfil e acesse o blog Serpente Cósmica e leia o poema sobre a amizade. Fiz para meu Exu e, ofereço também a você.

Beijos.

Françoise disse...

Tati,
Sou de São José dos Campos, interiorrrrrrrr de São Paulo. Terra da Embraer, CTA, INPE, Sei lá o que mais......

Beijos

Luma Rosa disse...

Pode ser uma atitude pequena para muitos, mas para quem talvez tenha criado “nós” como diz, é um grande passo. E tenha a certeza que a vitória, a felicidade será compartilhada! Todos ficaram felizes se conseguir desatar esse nó inteiro!! Boa sorte!

Irene Moreira disse...

Tati
Confesso aqui que amo ler cada pedacinho que escreves. Amo a forma que você vive cada momento de sua vida, Amo o amor que você tem pelo Bê e pelo Vi que só de ler já os amo sem conhecer. Amo quando vc fala de sua familia, das reuniões onde todos contam suas novidades, bfrinca, riem... é tão bom ter uma família assim. Amo todos os retalhinhos de sua felicidade e comosou feliz em gter você como minha amiga virtual e real também, pois tenho certeza que já nos encontramos no supermercado, na padaria, no restaurante, na rua e até no ônibus e até podemos ter trocado um papinho e nem ligamos uma coisa a outra.
Lindo demais e como deve ser gostoso poder ter uma colcha de retalhos tão coorida e cheia de felicidade por todos os lados em todas as emendas.

Beijos e bom domingo

Socorro Melo disse...

Oi, Tati!

Seus textos sempre me ensinam algo de novo, de bom. Sempre saio daqui com uma visão nova, sinceramente. Além de muito bem escrito, está recheado de muita emoção, de sentimentos fortes,de lições de aprendizado, de objetivos, lembranças belas e felizes. Parabéns Tati.

Seja muito feliz!
Socorro Melo

Amica Philosophiae disse...

Oi Tati,
Que texto feliz e gostoso de ler!!!
Dei até um suspiro!!
Um bjo no seu coração
Cynthia

ELA disse...

Vim ler o texto da coletiva e já vi outro seu fazendo um balanço dos comentários. Penso que suas palavras irradiaram tanta alegria, pelo menos eu a senti daqui, que os comentários foram só um reflexo dela. Quanto à maturidade, acho que o poder de manipular bem as palavras quando trata dos próprios sentimento rende mesmo o elogio. Eu também adoraria se ouvisse isso dos meus amigos!

O exercício de percepção da felicidade que você sugeriu, se fosse sempre propagado, lido e comentado, traria gigantes benefícios para nós todos. Afinal, tem muita gente procurando no lugar errado.

Ah, fico feliz que tenha gostado do conto. Foi divertido escrever aquilo, porque gosto do cinza e não tem nada a ver com a conotação da personagem. Sem dúvida, a maioria das vezes está mesmo associado ao humor.

Grande abraço,
Michelle Siqueira