Por que há questões que são melhor respondidas com novas indagações!

domingo, 23 de janeiro de 2011

Uma história de amor

Oi amigos,

Hoje o Cantinho She, da amiga e mosqueteira She, está fazendo 3 anos. E para comemorar a She propôs este tema para a blogagem coletiva. Nossas vidas são repletas de histórias de amor, não é mesmo? E aqui estou eu, sem conseguir pensar no que escrever... 
Então olho para o sofá, onde um menininho toca sua guitarra de brinquedo enquanto assiste um desenho na TV. Naquele garotinho de quase 6 anos há tantas e tantas histórias de amor... E fico pensando o quanto somos um quebra-cabeças, com peças de amor. Já se imaginaram assim? Há amor em cada célula de nosso corpo, há amor nos nossos pensamentos, há amor pelo simples fato de sermos vida. Não dá para olhar para nosso filho e pensar em sentimento diferente. O amor está ali, mesmo quando nos zangamos, quando perdemos a paciência. Basta olhar e deixar o coração bater. Se ele sorrir, então... Já é o amor que faz nossas células vibrarem, jorrarem cores, luzes. Dá para ouvir a música da alma, que é uma música que toca em silêncio. 

Não sei se estou conseguindo explicar, neste momento da minha vida estou mais introspectiva e as palavras não ficam tão claras. É mais fácil sentir do que dizer. Só sei que ele é minha história de amor mais bonita. Ele veio para me ensinar aquilo que eu PRECISO aprender, e por ser tão difícil, vem no filho, que assim não temos como fugir! 

Filhos nos ensinam resignação, persistência, paciência, nos ensinam a doar sem saber se haverá retribuição. Nos ensinam a vivenciar a felicidade em outro corpo.

Hoje o Bê é minha história de amor, e não é singular, é plural. Naquele pequeno menino há muitas histórias de amor. Me lembro do dia em que contamos para nossas famílias, num dia dos pais mais do que especial. E de todos os sorrisos, abraços, olhares amorosos que recebemos. Me lembro do olhar simpático que recebia, apenas por estar grávida, de estranhos na rua. No carinho dos amigos, na minha melhor festa de aniversário, com a presença de todos, com presentes que já não se restringiam a mim, mas eram para ele - o pequeno que chegava! Sabia que as grávidas recebem amor espontâneo? Comigo foi assim.

Então ele chegou, e o amor se ampliou em nós. Em cada conquista, no reconhecer os pés, levantar a cabeça, virar, sentar, primeiras palavras, primeiros passos, primeiras letras... Também em cada susto, nas febres, nos choros, no refluxo, nos machucados. Em cada exame, consulta, vacina e injeção. Nossa cumplicidade como casal amadureceu com a chegada do Bê. E só se reafirma, se fortalece.

Hoje eu sei o que é amor. E ele é muito maior do que o palpitar descompassado quando o telefone toca e "é ele" do outro lado, embora não exclua esta parte. É intenso, mas muito mais calmo que aquele sentimento de paixão. É aconchego, conforto, uma alegria sem euforia. Nosso amor é lar e não hotel cinco estrelas. 

Suas gracinhas são gargalhadas, são olhares cúmplices de um casal que se ama, e que vê a mútua admiração se expandir na presença de um filho. A confiança se amplia no superar revezes, no saber que pode contar. No perdoar quando não deu. 

Hoje minha história de amor, para a festa da She, é o Bê. Um garotinho que veio ao mundo para viver sua história, sei que um dia seguirá seu caminho, espero fazer parte dele, mas não espero sê-lo. Que ele seja um homem correto, justo, amoroso, que reconheça o valor da família, mas que seja confiante e indepentente para seguir sua jornada, fazer suas próprias escolhas, sem precisar de minha opinião, de minha aprovação para suas dicisões. Um dia quero que ele seja livre e feliz, e que possa entender que não há legado maior do que plantar amor, espalhar pequenas sementes, por onde passar. Grandes feitos não os únicos importantes, os pequenos gestos, feitos com entrega, com a alma, também fazem diferença. Mudam o mundo, por que mudam o nosso mundo. Nos mudam por dentro.

O Bê é a melhor parte de mim, unida à melhor parte do homem que eu amo. E nesta mistura, uma alquimia perfeita, há a melhor parte dele, que não vem de ninguém, e que nos faz admirá-lo, reconhece-lo. Se prestarmos atenção, percebemos o quanto há para aprender. Desde que o Bê chegou eu me sinto crescendo como ser humano. Eu entendo a divindade em mim, não de uma forma esotérica, mística, religiosa. Não é nada disso. É apenas a certeza que somos divinos quando somos capazes de dar a vida a alguém, de deixar o amor, que há ali, manifestar-se, fermentar, expandir-se. Ensinar a superar dificuldades e frustrações enquanto aprendemos a mesma coisa. Isso só pode ser divino.

O Bê, sem dúvida, é minha história de amor mais bonita! 

E vida longa ao Cantinho She!!! 

Beijos,


31 comentários:

Glorinha L de Lion disse...

Oi Tati, que lindo! Realmente não há estória de amor mais linda, independente de se o casal deu certo ou não, do que um filho. E o amor de uma mãe por seu filho...Não consigo enxergar amor maior que esse nem mais bonito. Grande beijo, parabéns à She, pelo niver do blog!

Cantinho She disse...

Mosqueteiraaaaaaaaa que post LINDOOOOOO! Amei! Preciso dizer que vc me emocionou? Não, né? Quando eu não rio eu choro contigo...rsrs Bela participação, muito obrigada por estar comigo em minha festa e fazer desse momento especial. Obrigada por tudo sempre! E dá um beijo, beijo no Bê que é um garotinho que gosto muito e mora dentro do meu coração... Pra vc e sua família, beijo, beijo!
She

Eduardo Medeiros disse...

tati, hoje, com a presença aqui em casa do meu pequeno, posso sentir o que você sente em relação ao bê. tá certo que vocês, mulheres, são mesmo divinas, pois são vocês que tecem uma conexão toda especial com os filhos por 9 meses no ventre e depois pela aproximação no aleitamento, mas nós, homens que não sabemos o que gerar um filho, também nos emocionamos com eles, e o amor que nos vai no peito é tão grande e inexplicávrl como o que vai no peito de vocês.

"Dá para ouvir a música da alma, que é uma música que toca em silêncio."

ô, e como dá para ouvir...

beijos em você e no bê.

Lúcia Soares disse...

Eu escreveria exatamente isso, Tati. E meu amor é multiplicado por 3. Amor demais, da melhor qualidade!
Beijo!

Elaine Gaspareto disse...

Tati,
Pra variar você me fez chorar.
Queria ter um Bê pra mim, porque você tem razão quando diz que as coisas difíceis só mesmo um filho, de quem não se pode fugir, para ensinar. Meu aprendizado nesse mundo seria mais fácil...

Lindo texto, como sempre.
Beijosssss

orvalho do ceu disse...

Oi, querida Tati
"...é o amor que faz nossas células vibrarem, jorrarem cores, luzes."

Esse colorido tonifica o amor...
Que bom vc estar participando da Coletiva da She!!!
Essa frase acima do seu post é por demais importante para mim para definir AMOR... Creio ser possível em qualquer idade...
O AMOR JAMAIS ACABARÁ!!!
Bjm e ótimo Domingo com paz e AMOR!!!

Irene Moreira disse...

Tati
Que saudades de vir ao seu cantinho , que saudades de ver essa família tão linda.

Linda a sua história de amor e não poderia ser outra porque os filhos são a essência desse sublime amor.

O Bê nos encanta com os momentos que você divide conosco e quanta coisa nos ensina.

Beijos e um lindo domingo

Astrid Annabelle disse...

Tati querida!
Impossível algo maior do que o amor que sentimos por filhos e netos!
Linda a sua participação! E poderia ser diferente???rss
Viva o blog da She!
Um beijo gostoso para você e sua linda família!
Astrid Annabelle

Nilce disse...

Maravilhoso e sem nada mais forte do que o amor que sentimos por nossos filhos. Um amor seguro, incodicional.
Não poderia ser diferente o seu pelo Bê, só que nas tuas palavras tudo é mais lindo.
Essa é a Tati e os textos que eu conheço. Lindos de viver.
Parabéns querida e também à She pelo aniversário do blog.

Bjs no coração!

Nilce

Teresinha Ferreira disse...

Olá Tati,
Que lindo!!!
Amor de mãe é algo sublime. Está acima de qualquer coisa. Um amor puro e verdadeiro.
Adorei falar de amor para comemorar os três anos do blog da She.
Bjs mil

manuel marques disse...

Esta não é uma história de amor,é o amor na sua essência.

Beijo.

Flávia Mergulhão disse...

Linda historia de amor! AMOR INCODICIONAL! AMOR DE MÃE!!
Parabéns! Bjocas

Eliane disse...

Linda sua historia de amor!!!!! Esse deve ser o amor mais puro que o ser humano pode sintir!!!!!! Beijos da Eliane.

Bordados e Retalhos disse...

Fiquei tão emocionada ao ler esse texto. A emoção se dá por me recenhecer nele, ou reconhecer o mesmo sentimento de amor incondicional que vc coloca tão bem. Adorei!!Espero as fotos que vc ficou de me enviar, tá? Essa semana quero postar o encontro. Bjs

Teresa Cristina disse...

Oi Tati!Realmente uma linda história de amor...acompanhando o seu blog sempre tem alguns post que me marcam. Uma vez vc postou sobre ser tia, que era bem mais fácil do que ser mãe, numa ocasião em que estava triste pq o Bê disse que iria embora. Me vi neste post, pois eu faço tudo pelo meu sobrinho de 4 anos, mas ainda estou aprendendo a lidar com as suas birras. Outro post que me chamou atenção e me emocionei foi quando vc relatou sobre quando souberam que o Bê seria filho de vcs e aquela expressão de que o "útero grita" está fazendo sentido para mim, pois me caso em maio e logo, logo quero ter um filhinho. Quando sinto medo de ser mãe, lembro de seus relatos e de duas amigas que já são mãe e me mostram que este amor superam tudo. Beijo grande e vida longa!

Maria Célia disse...

Oi Tati
Muito linda sua declaração de amor, nesta blogagem coletiva em comemoração aos 3 anos do blog da She.
Adorei quando você disse "filhos nos ensinam a ter paciência, persistência, resignação, sem saber se teremos recompensa."
Eu acrescento mais uma palavra a esta frase belíssima, filho é renúncia.
Bjo

CARLINHA disse...

Flor, que post lindíssimo, vc explicou certinho coisas que são inexplicáveis...

O Bê é um fofooooo! E vc uma mãe maravilhosa.

Bjos

LILIANE disse...

Tati...
é muito bom ter filhos;
eu sinto que fui premiada com essa maravilhosa manifestação de amor que são os nossos pequenos.
o Bê é lindo, amoroso e isso traz um bem enorme em nossas vidas.
querida...
fica com Deus
um abraço neste mocinho lindo
um abraço ao esposo
e dois em você

*** Cris *** disse...

Oi Tati, concordo contigo, filho é a mais linda história de amor. Linda sua história, bjs!

Yoyo Pizy disse...

Mesmo quando você diz que não sabe o que escrever...Ainda assim você se supera sempre, amiga.
Que saudade eu senti dos seus posts!
Vi que o blog agora é escrito a quatro mãos...
bjs

Mônica Suñer disse...

Tati, você disse: "neste momento da minha vida estou mais introspectiva e as palavras não ficam tão claras", imagine então, se ficassem. Chorei ao ler seu texto, pois é exatamente assim que me sinto, sendo mãe. Lindas, lindas suas palavras! O Bê é um menino de muuuita sorte! Bjs

Misturação - Ana Karla disse...

É sim Tati, filho é, e sempre será o nosso amor maior, pois é para sempre.
Grande participação.
Xeros

Lu Souza Brito disse...

Oi Tati,

Só para variar e mesmo estando introspectiva, você nos deixa emocionada sempre. Tão linda sua historia de amor, enqunto você vivencia todo essa expansão do amor com seu pequeno grande homem, eu sonho, passar por tudo isso.
Lindo lindo!
Beijão.

Yasmine Lemos disse...

Seu filho já é uma história concreta e forte.Amor na essência .
beijo

Lulú disse...

Olá Tati, é uma linda história de amor.
Amor filial é o maior do mundo.
Beijos.
Maria Luiza (Lulú)

Cacá - José Cláudio disse...

Oi, Tati. Na verdade, são vidas reunidas em um família chamada AMOR. Pois a história não se construiiu em um amor de um só, nem sem reprocidade. Foi uma espécie de colméia com muitos e muitos favinhos chamados amor. Muitíssimo bom de partilhar desta aventura humana de vocês.Meu abraço, muita paz e muito bem.

Flor de Maio disse...

Olá Tati, adorei a postagem coletiva e a oportunidade de conhece-la. Obrigada pela visita, volte quando quiser, ficarei muito grata. Muito legal seu blog, passarei a segui-lo. Pois temos uma amiga em comum, a Teresa fez parte da minha vida em muitos momentos importantes e agora cá estamos na vida virtual que nos proporciona uma troca tamanha. Até a proxima,bju e boa semana!!!!

Macá disse...

Tati
E nem podia deixar de ser. Nós que acabamos conhecendo o Bê através de você, também já o amamos muito também.
E você descreveu tudo que uma mãe pode dizer do amor que sente em relação ao filho.
Parabéns a você pelo escrito e à She, pelo aniversário do blog.
beijos

Mari disse...

Ah tati...
Linda a sua história de amor...
Tenho uma parecida em casa!
Beijos querida!

Socorro Melo disse...

Oi, Tati!

Nossa, amei essa história!
Quanto carinho, e quanta emoção, transbordaram, em cada palavra, em cada frase e em cada pensamento.

Você frisou uma coisa que sempre penso, e digo pro meu filho, que o quero livre, pra escolher seu caminho, mas, que plante as sementes que eu lhe dei, ao longo da vida, pois, quando elas germinarem, com certeza florescerão em sua vida, em forma de muito amor, respeito, bondade, etc. etc.
Excelente.

Beijos
Socorro Melo

Denise disse...

Tati? me fez chorar, refazer os passos e sentar-me na beirada da cama de cada um dos meus, encantada com a vida que vi desabrochar ao longo de mais de três décadas...daqui muito, muito tempo, vc saberá do que estou falando, e o Bê...certamente te amará com a força do amor que vai crescer com ele.

Bjo com saudade!